Janira Martins Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Janira Martins Costa
Nascimento 5 de dezembro de 1941
Olinda, Pernambuco, Brasil
Morte 8 de fevereiro de 2018 (76 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Residência Brasil
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade Gama Filho (1967)
Prêmios Moção da Câmara Municipal do Rio de Janeiro (2006)
Orientador(es) Newton Dias dos Santos
Instituições Museu Nacional
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Campo(s) entomologia, biologia aquática e taxonomia
Tese Especiação em Mnesarete pudica (Odonata: Calopterygidae)

Janira Martins Costa (Olinda, 5 de dezembro de 19418 de fevereiro de 2018) foi uma entomóloga brasileira, ex-diretora do Museu Nacional, professora titular e pesquisadora aposentada do Departamento de Entomologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.[1] Contribuiu significativamente para a identificação e o estudo de libélulas no Brasil.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Janira nasceu em Olinda, em 1941, filha do militar Francisco de Souza Martins e da professora Ana Rosa Pedreira Martins.[3] Mudou-se para o Rio de Janeiro para se preparar para o vestibular e ingressou no curso de história natural da Universidade Gama Filho[3], trabalhando como estagiária no Museu Nacional já em 1964, sob a orientação do professor doutor Newton Dias dos Santos, um dos pioneiros da entomologia no Brasil.[4] Graduou-se em 1967 e ingressou como professora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro de 1972 a 1976. A partir de 1976 ingressou como docente do Museu Nacional/UFRJ, onde desempenhou as atividades de ensino, pesquisa e extensão.[5]

Sua principal linha de pesquisa era com a taxonomia de libélulas (insetos da ordem Odonata), onde publicou noventa e seis trabalhos, um livro específico e dez capítulos em livros sobre os Odonata neotropicais e sobre a fauna do Brasil.[2] Foi diretora do Museu Nacional de 1994 a 1998 e professora convidada da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.[1][5] Aposentou-se, compulsoriamente, do Museu Nacional em 2012, tendo organizado e incrementado toda a coleção de Odonata da instituição, iniciada pelo professor Newton.[1][5][2]

Morte[editar | editar código-fonte]

Janira morreu no dia 8 de fevereiro de 2018, vítima de um câncer de pâncreas.[1][5]

Referências

  1. a b c d «Janira Martins Costa». Escavador. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
  2. a b c «Costa,Janira Martins». Biodiversity Library. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
  3. a b «Os Diretores do Museu Nacional - UFRJ» (PDF). Museu Nacional. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
  4. «Telegrama de Newton Dias dos Santos a Anísio Teixeira declarando contar com seu apoio na gestão do Museu Nacional». Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
  5. a b c d «Janira Martins Costa». Entomologistas do Brasil. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cientista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.