Jardel Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Junho de 2012).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jardel Filho
Nome completo Jardel Frederico de Bôscoli Filho
Nascimento 24 de julho de 1927
São Paulo,  São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Morte 19 de fevereiro de 1983 (55 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Ocupação ator
Cônjuge Beth (divorciado)
Miriam Pérsia(divorciado)
Glauce Rocha (divorciado)
Márcia de Windsor (divorciado)
IMDb: (inglês)

Jardel Frederico De Bôscoli Filho (São Paulo[1] , 24 de julho de 1927Rio de Janeiro, 19 fevereiro de 1983) foi um ator brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

A arte de representar - em todas as suas facetas esteve presente na vida de Jardel Jercolis Filho todos os dias, do primeiro ao último. Nascido em família tradicional de artistas, seu pai foi o empresário teatral Jardel Jercolis e sua mãe a atriz Lídia Bôscoli, tendo seu parto acontecido em São Paulo durante uma temporada artística da companhia paterna naquela cidade. Por dificuldades financeiras, sua mãe ficou mais de um mês na maternidade até que houvesse como pagar o parto e retornar ao Rio de Janeiro. Na adolescência tentou a carreira militar, mas o chamado do palco acabou por leva-lo ao teatro, onde estreou na Companhia Dulcina & Odilon, trabalhando a seguir com Bibi Ferreira e Henriette Morineau. Sua primeira experiência de uma longa carreira cinematográfica - que como a de muitos seus colegas se desenvolveu paralela à televisão - foi em Dominó Negro em 1949.[2]

Com a peça Jezebel, ganhou medalha de ouro da ABCT. Trabalhou na Companhia Cinematográfica Vera Cruz, para a qual fez, entre outros, filmes como Floradas na Serra e Uma Pulga na Balança.

Fez parte do elenco de trinta filmes, entre outros, Macunaíma, de Joaquim Pedro de Andrade, Pixote, a Lei do Mais Fraco, de Hector Babenco, Terra em Transe, obra-prima de Glauber Rocha e filme emblemático do Cinema Novo'; O Bom Burguês de Oswaldo Caldeira, em 1982 e Rio Babilônia de Neville D'Almeida que foi seu último trabalho no cinema e que estreou depois da morte do ator.

Versátil, trabalhou muito em televisão, onde atuou em 17 novelas e minisséries, como O Bofe, de Bráulio Pedroso, Verão Vermelho e O Bem-Amado, de Dias Gomes, O Homem que Deve Morrer, 'Fogo Sobre Terra e Coração Alado, todas de Janete Clair; Brilhante, de Gilberto Braga; O Espantalho de Ivani Ribeiro e Memórias de Amor, de Wilson Aguiar Filho.

Ele morreu em plena atividade, vítima de um ataque cardíaco em sua casa numa manhã de sábado, quando gravava os últimos vinte capítulos da novela "Sol de Verão", escrita por Manoel Carlos, na Rede Globo, fazendo com que o fim do folhetim fosse antecipado. Seu personagem Heitor saiu da trama com uma viagem repentina.

Foi homenageado no ano de seu falecimento pelo então governador Chagas Freitas que batizou o recém-construído viaduto da rua Soares Cabral com seu nome.

Foi casado com a empresária Maria Augusta Nielsen e com as atrizes Márcia de Windsor, Glauce Rocha e Myriam Pérsia e deixou duas filhas, Tânia Bôscoli, também atriz, e Adriana de Boscoli, produtora, filha de Beth, sua última esposa, deixando como netos José Maria e Frederico de Boscoli.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1983 O Bom Burguês Thomas
1982 O Segredo da Múmia [3] Almir Gomes
Rio Babilônia Liberato
1981 Pixote, a Lei do Mais Fraco Sapatos Brancos
1980 O Mundo Mágico de Poty Narrador
1978 A Batalha dos Guararapes Maurício de Nassau
1977 A Menor Violentada Fred
1976 Tangarela, a Tanga de Cristal Lúcio Tangarella
1974 A Viúva Virgem Constantino
1972 Roleta Russa
1971 Os Devassos Jorjão
1969 Sete Homens Vivos ou Mortos Sá Freitas
A Um Pulo da Morte Márcio Moura
Macunaíma Venceslau Pietro Pietra
1968 Antes, o Verão Luiz
O Homem que Comprou o Mundo General
As Três Mulheres de Casanova Henrique Casanova[4]
1967 Terra em Transe Paulo Martins
1966 Paraíba, Vida e Morte de um Bandido
1965 22-2000 Cidade Aberta Márcio Moura
Arrastão Manuel
1964 Crônica da Cidade Amada Paulo
1963 Barcos de Papel
1962 Setenta Vezes Sete Pedro
Sócio de Alcova Paulo
Pedro e Paulo Pedro
Buscando a Mônica Juan
Carnaval do Crime
1960 Esse Rio que Eu Amo
Cidade Ameaçada
1959 Moral em Concordata Raul
Meus Amores no Rio Roberto
1955 Leonora dos Sete Mares Gilberto
Sonho de Outono
1954 Floradas na Serra Bruno
Paixão Tempestuosa [5]
1953 Santa de um Louco
Toda a Vida em Quinze Minutos
1949 Dominó Negro [2]

Teledramaturgia[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1965 22-2000 Cidade Aberta Márcio Moura
1966 O Acusador
1967 Ana
1969 A Ponte dos Suspiros Capitão Altieri
1970 Verão Vermelho Carlos
Assim na Terra como no Céu Renatão
1971 O Homem que Deve Morrer Otto von Müller
1972 O Bofe Dorival
1973 O Bem Amado Dr. Juarez Leão
1974 Fogo Sobre Terra Diogo
1977 O Espantalho Rafael
1978 Sinal de Alerta Rudi Caravaglia
1979 Memórias de Amor Aristarco
1980 Olhai os Lírios do Campo Felipe Lobo
Coração Alado Tássio Von Strauss
1981 Brilhante Bruno
1982 Sol de Verão Heitor

Referências

  1. Associação dos Pioneiros, Profissionais e Incentivadores da Televisão Brasileira. desconhecida «Jardel Filho» Verifique valor |url= (ajuda). Consultado em 13 de Janeiro de 2013 
  2. a b Memória Globo (Data desconhecida). «Jardel Filho». Consultado em 13 de Janeiro de 2013  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. Cinemateca Brasileira, O Segredo da Múmia [em linha]
  4. «As Três Mulheres de Casanova». Cinemateca Brasileira. Consultado em 6 de abril de 2017 
  5. Cinemateca Brasileira, Paixão Tempestuosa [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Raul Cortez
por Capitu
Troféu Candango de Ator Coadjuvante
por Macunaíma

1969
Sucedido por
Maurício do Valle
por O Profeta da Fome



Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.