Jason Becker

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jason Becker
Informação geral
Nome completo Jason Eli Becker
Nascimento 22 de julho de 1969 (47 anos)
Origem Richmond, Califórnia
País Estados UnidosEstados Unidos da América
Gênero(s) Metal neo-clássico
Heavy metal
Instrumento(s) guitarra
sintetizador
Período em atividade 1986 – presente
Afiliação(ões) Cacophony
David Lee Roth
Página oficial JasonBecker.com

Jason Eli Becker (Richmond - CA, 22 de Julho de 1969) é um guitarrista neo-clássico americano que ganhou fama aos 16 anos como virtuoso.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Seu pai, Gary Becker, que tinha estudado violão erudito, lhe deu uma guitarra quando ele tinha apenas 3 anos de idade, e começou a lhe dar aulas. Jason passou a praticar músicas de Bob Dylan, Eric Clapton, Jeff Beck e Eddie Van Halen, entre outros. Jason praticava durante horas a fio, e estudou a obra de Niccolò Paganini.

Ingresso no Cacophony[editar | editar código-fonte]

Jason conheceu Marty Friedman, e os dois se tornaram amigos rapidamente, pois compartilhavam das mesmas preferências musicais. Sob a produção de Mike Varney eles montaram a banda Cacophony, que gravou dois álbuns: Speed Metal Symphony, em 1987, e Go Off!, em 1988. Ele também lançou um álbum solo, Perpetual Burn, em 1988.

O Cacophony excursionou por vários países, notadamente no Japão e na Europa, onde Jason foi formando uma legião de fãs e admiradores, ao mesmo tempo em que influenciava jovens guitarristas.

Esclerose Lateral Amiotrófica]][editar | editar código-fonte]

Aos 20 anos, Becker foi convidado para a superbanda The David Lee Roth Band para substituir Steve Vai, que havia deixado o grupo. Ele começou a gravar o álbum A Little Ain't Enough em 1990 e ganhou o prêmio de "guitarrista revelação" da revista Guitar Magazine.

O futuro da carreira de Jason parecia não ter limites, graças ao seu reconhecimento como guitarrista. As coisas iam cada vez melhores até que, ainda durante as gravações de A Little Ain't Enough, ele começou a mancar da perna esquerda, alegando fraqueza. Por um tempo, Becker ignorou o problema, mas após pressão de seus amigos e familiares, ele foi ao médico, que pediu exames mais profundos. Constatou-se, então, a manifestação da Doença de Lou Gehrig, também conhecida como ALSesclerose lateral amiotrófica — uma doença degenerativa e incapacitante - ainda sem cura. Embora Jason tivesse concluído, já com algum esforço, as gravações do álbum, ele não estava mais em condições de sair em turnê com a banda.

No decorrer dos anos, Jason foi perdendo os movimentos do corpo, primeiro das pernas, depois braços - obrigando-o a parar de tocar guitarra - e por fim a fala. A ALS não atingiu seu cérebro e nem sua audição ou visão, mantendo-o portanto plenamente lúcido e capaz de observar e ouvir tudo, ainda que esteja "aprisionado" em seu próprio corpo. Sua condição de deterioração estabilizou-se em 1997. Atualmente, Jason respira com a ajuda de um aparelho que controla o funcionamento de seu diafragma e comunica-se através de um sistema desenvolvido por seu próprio pai, Gary, que dividiu as letras do alfabeto em grupos de quatro, numa tela, onde Jason direciona seus olhos, formando palavras.[1].

O mito[editar | editar código-fonte]

Apesar de paralisado, incapaz de falar ou de tocar, Jason não desistiu de sua paixão pela música. Em casa, Jason continuou compondo e gravando em seu estúdio particular. Com o auxílio de um programa de computador, ainda consegue compor músicas. Foi dessa forma que ele lançou o álbum Perspective, em 1996. Jason ainda dá entrevistas e é muito bem-humorado, sendo assessorado por seus pais.

Vários tributos foram lançados em homenagem a Jason Becker, e ele é admirado e idolatrado por muitos fãs, inclusive famosos. Músicas como Altitudes e Serrana são freqüentemente usadas como peças de estudo por guitarristas.

Documentário[editar | editar código-fonte]

Em 2012, o diretor Jesse Vile lançou um documentário sobre a trajetória de Becker, intitulado Jason Becker: Not Dead Yet, onde reuniu diversos amigos e familiares de Jason para contar sua história, desde a infância, sobre o nascimento da paixão pela música, a revelação do talento, o sucesso, a manifestação da ALS e a batalha que Becker travou com a doença, para manter-se vivo[1].

Discografia[editar | editar código-fonte]

Solo[editar | editar código-fonte]

Com Cacophony[editar | editar código-fonte]

Com The David Lee Roth Band[editar | editar código-fonte]

Com Joe Becker[editar | editar código-fonte]

  • 2005 - Short Stories

Participações Especiais[editar | editar código-fonte]

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • 1989 - Guitar Masters (Roadrunner Records)
  • 1998 - Metal Guitars – High Voltage Instrumentals (Disky Communications)
  • 2009 - Shrapnel's Super Shredders: Neoclassical (Shrapnel Records)
  • 2009 - This is Shredding, Vol. 1 (Shrapnel Records)
  • 2009 - This is Shredding, Vol. 2 (Shrapnel Records)

Tributos[editar | editar código-fonte]

  • 2001 - Warmth in the Wilderness: A Tribute to Jason Becker - Lion Music
  • 2002 - Warmth in Wilderness 2: Tribute Jason Becker - Lion Music
  • 2012 - Jason Becker's Not Dead Yet! (Live in Haarlem) - Primal Events

Videos Instrutionais[editar | editar código-fonte]

  • Hot Licks – The Legendary Guitar of Jason Becker

Filmes[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Jason Becker's Bio» (em inglês). The Jason Becker Migration. Consultado em 15 de Julho de 2013.  Erro de citação: Invalid <ref> tag; name "" defined multiple times with different content

Ligações externas[editar | editar código-fonte]