Jean-François Champollion

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras acepções para "Champollion", veja Champollion (desambiguação).
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2011)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Jean-François Champollion
Jean-François Champollion
Nome completo Jean-François Champollion
Nascimento 23 de dezembro de 1790
Figeac,  França
Morte 4 de março de 1832 (41 anos)
Paris, França
Ocupação egiptólogo
Principais trabalhos decifração dos hieróglifos egípcios

Jean-François Champollion (Figeac, 23 de dezembro de 1790Paris, 4 de março de 1832) foi um estudioso francês que viveu entre o final do século XVIII e início do XIX. Egiptólogo considerado "pai da Egiptologia" e famoso por seus trabalhos sobre a cultura e a língua do Egito Antigo, ele é quem foi o principal responsável pela decifração dos hieróglifos egípcios.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em 1790, no departamento de Lot, na França, teve uma trajetória de vida essencialmente voltada ao estudo das culturas e línguas orientais antigas.

Com dezesseis anos dominava uma dúzia de línguas, e com vinte anos dominava o latim, grego, hebreu, amárico, sânscrito, vesta, pálavi, árabe, siríaco, caldeu, persa e chinês, sem contar o francês. Estudou com Antoine-Isaac Silvestre de Sacy.

Em 1810 se torna professor de História da Faculté des Lettres de Grenoble, em Grenoble, no departamento de Isère, na França. Seu interesse pelas línguas orientais, especialmente o copta, levou-o a se dedicar profundamente à tarefa de compreender melhor o funcionamento da escrita egípcia antiga, bem como o auxiliaram no estudo dos escritos da então recém-descoberta Pedra de Rosetta, a qual ele finalmente conseguiu compreender e decifrar em 1822.

Em 1831, foi eleito titular da cadeira de Arqueologia do Collège de France, instituição de maior prestígio no cenário intelectual francês.

Sepultura de Champollion no Cemitério do Père-Lachaise

Morreu em 4 de março de 1832 e encontra-se sepultado no Cemitério do Père-Lachaise, Paris.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Lettre à M. Dacier… Relative a l'Alphabet des Hiéroglyphes Phonétiques. Paris, Firmin Didot Pére et Fils, 1822.
  • Panthéon Egyptien, Collection des Personages Mythologiques de l’Ancienne Egypte d’Après les Monuments. Paris, Firmin Didot, 1823. Desenhos de M. L. J. J. Dubois.
  • Précis du système hiéroglyphique des anciens Égyptiens, ou Recherches sur les éléments premiers de cette écriture sacrée. Paris, Treuttel et Würtz, 1824.
  • Grammaire Égiptienne, ou Principes Généraux de l'Écriture Sacrée Égyptienne Appliquée a la Représentation de la Langue Parlée. Paris, Firmin Didot, 1836-1838.
  • Dictionnaire Égyptien en Écriture Hiéroglyphique. Paris, Firmin Didot Frères, 1841-1843. Publicado, com base nos manuscritos autógrafos, por Champollion Figeac.

Referências

  • CABRAL, Jessica. Entre Ensino, Pesquisa e Política: dois momentos da trajetória de Jean-François Champollion à luz de suas aulas inaugurais (1810-1831). Universidade Federal do Paraná, 2017.
  • HARTLEBEN, Hermine. Champollion: sa vie et son oeuvre (1790-1832). Paris: Pygmalion Gérard Watlet, 1983.
  • LACOUTURE, Jean. Champollion: une vie de lumières. Paris, Grasset, 1988.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Jean-François Champollion
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.