Jefferson Alves de Campos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jefferson Alves de Campos
Jefferson Alves de Campos
Deputado Federal por  São Paulo
Período 2008 até atualmente
(3 mandatos consecutivos)
Deputado Federal por  São Paulo
Período 2002 até 2005
Vereador de Sorocaba Sorocaba bandeira.jpg
Período 1996-2002
(2 mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nascimento 26 de outubro de 1964 (53 anos)
Ourinhos, (SP)
Partido PSD
Profissão pastor evangélico

Jefferson Alves de Campos (Ourinhos, 26 de outubro de 1964) é um religioso e político brasileiro.

Carreira Politica[editar | editar código-fonte]

Jefferson Campos é advogado, pastor e vice-presidente da Igreja do Evangelho Quadrangular no Brasil, ingressou na Faculdade de Direito de Sorocaba FADI em 1989, concluindo seu curso em 1994.

Foi vereador por Sorocaba (1996-2000), vereador pela mesma cidade (2000-2002), Entre suas muitas atividades como vereador, promoveu a Lei n° 5.921 que dispunha sobre a inclusão da Teoria da Criação no curriculum escolar do ensino fundamental e de 2° grau da rede municipal local. Acabou concorrendo e ganhando como Deputado Federal por São Paulo (2002-2005) pelo PSB com aproximadamente 153 mil votos com o apoio da Igreja do Evangelho Quadrangular, neste primeiro mandato, o parlamentar focou seu trabalho, entre outras coisas, na inclusão social, preocupação esta ainda presente em seus projetos de lei. No ano de 2005, o deputado filiou-se ao PTB, partido pelo qual voltou à Câmara dos Deputados em 07 de maio de 2008, assumindo o mandato deixado por Ricardo Izar, em virtude de seu falecimento, partipando da legislatura 2006-2010, PTB Sendo reeleito pelo PSB para seu terceiro mandato legislativo (2011-2014) na Câmara dos Deputados com mais de 116 mil votos. No fim de 2011 filiou-se ao PSD.

Acusações[editar | editar código-fonte]

Em 2007, Jefferson foi acusado de improbidade administrativa pelo Ministério Público de São Paulo. A ação corre na 1ª Vara Federal de Santos.[1]

Absolvição no Escândalo dos Sanguessugas[editar | editar código-fonte]

Em 2006 teve seu nome envolvido no Escândalo dos Sanguessugas, sendo acusado de receber propina dos Vedoin.[2][3][4] Foi liberado pela CPI junto com outros 18 parlamentes, por falta de provas,[1] mas ainda está sendo julgado no Tribunal Regional Federal pelos crimes de fraude em licitações, corrupção passiva e formação de quadrilha.[5] Em dezembro de 2014 foi absolvido por unanimidade pelo Supremo Tribunal Federal[6]

55ª Legislatura[editar | editar código-fonte]

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[7] Já durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[7] Em abril de 2017 foi favorável à Reforma Trabalhista.[7] [8] Em agosto de 2017 votou a favor do processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente Michel Temer.[7][9]

Desempenho em eleições[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Coligação Partido Candidato a Votos Votos em Sorocaba Resultado
1996 Municipal de Sorocaba PDT PDT Vereador 1.605 (15º) Eleito[10]
2000 Municipal de Sorocaba PDT PDT Vereador 2.671 (15º) Não Eleito[11]
2002 Estadual de São Paulo PSB PSB Deputado Federal 153.622 (25º) 10.245 (4º) Eleito[12]
2006 Estadual de São Paulo PTB PTB Deputado Federal 92.246 (58º) 5.118 (7º) Suplente[12]
2010 Estadual de São Paulo PSL, PSB PSB Deputado Federal 116.317 (50º) 8.421 (7º) Eleito[12]
2014 Estadual de São Paulo PMDB, PROS, PP, PSD PSD Deputado Federal 161.790 (25º) 10.449 (5º) Eleito[12]

Referências

  1. a b Congresso em Foco (6 de maio de 2008). «MP abre duas ações contra sucessor de Izar». Consultado em 8 de maio de 2013 
  2. Folha de S. Paulo. «Candidatos - Deputado Federal - São Paulo». Consultado em 30 de outubro de 2012 
  3. Jornal Cruzeiro do Sul (19 de julho de 2006). «CPI dos Sanguessugas tem lista com 57 parlamentares suspeitos» (PDF). Consultado em 30 de outubro de 2012 
  4. Jornal Cruzeiro do Sul (29 de julho de 2006). «CPI confirma atuação de 11 paulistas no escândalo» (PDF). Consultado em 30 de outubro de 2012 
  5. Revista Veja. «Jefferson Campos - Rede de Escândalos». Consultado em 30 de outubro de 2012 
  6. «Notícias STF :: STF - Supremo Tribunal Federal». www.stf.jus.br. Consultado em 12 de abril de 2016 
  7. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  8. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  9. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  10. «Resultados - Eleições 1996». Seade. 31 de outubro de 1996. Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  11. Vereadores do interior de São Paulo cortam salários em mais de 50%
  12. a b c d Jefferson Campos


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.