Jerônimo Guimarães Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jerônimo Guimarães Filho
Vereador do Rio de Janeiro
Período 1 de janeiro de 2000
até 31 de Setembro de 2008
Dados pessoais
Nascimento 2 de novembro de 1948 (70 anos)
Rio de Janeiro
Partido MDB
Profissão Ex Político, Policial e Empresário
linkWP:PPO#Brasil
Jerônimo Guimarães Filho
Crime(s) Assassinato
Milícia
formação de quadrilha
Pena Em Julgamento
Situação Preso

Jerônimo Guimarães Filho (Rio de Janeiro, 2 de novembro de 1948), conhecido como Jerominho é um ex político brasileiro.

Ficou conhecido a partir de 2008 por ter sido preso acusado de ligação com milícias.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Desde 1992 Jerominho mantinha uma ONG chamada SOS Social onde desenvolvia serviços sociais na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, seu reduto eleitoral. Eleito vereador em 2000 pelo PMDB, foi reeleito em 2004 com cerca de 33 mil votos[1].

Em 2006, seu irmão, Natalino José Guimarães, foi eleito deputado estadual pelo então PFL.

Em fins de 2007, passou a ser apontado como integrante da milícia denominada Liga da Justiça [2], sofrendo acusações de que estaria impedindo campanhas políticas de adversários em seu reduto[3]. Em 2008, foi preso um mês após a prisão do também vereador Nadinho de Rio das Pedras[4]. Por estar na prisão, e sendo assim, não ter chances de tentar a reeleição, lançou sua filha, Carminha Jerominho, que também foi presa, como candidata a vereador pelo PT do B.

Em 20 de agosto de 2012 ocorreu uma chacina na Favela do Barbante, onde 9 pessoas, todas elas sem nenhuma relação com o crime, foram assassinadas. A polícia acusou integrantes do bando de Jerominho de cometerem os assassinatos, para tentar culpar traficantes e assim convencer a população de que a milícia seria um mal menor, beneficiando eleitoralmente a filha de Jerominho[5]. Foi condenado junto com seu irmão Natalino José Guimarães ‎.[6]


Referências