Jerry Adriani

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jerry Adriani
Informação geral
Nome completo Jair Alves de Souza
Também conhecido(a) como Jerry
Nascimento 29 de janeiro de 1947
Local de nascimento São Paulo, São Paulo
País Brasil
Data de morte 23 de abril de 2017 (70 anos)
Local de morte Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasileiro
Gênero(s) Pop rock, música romântica, rock and roll, MPB
Ocupação(ões) Cantor
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 1964–2017
Outras ocupações Ator e apresentador
Afiliação(ões) Raul Seixas
Influência(s) Elvis Presley, Roy Orbison

Jerry Adriani, nome artístico de Jair Alves de Sousa (São Paulo, 29 de janeiro de 1947Rio de Janeiro, 23 de abril de 2017),[1][2] foi um cantor e ator brasileiro. Iniciou sua carreira na TV Tupi de São Paulo, como vocalista do conjunto Os Rebeldes.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido Jair Alves de Souza em 29 de janeiro de 1947 no bairro do Brás, na cidade de São Paulo[2], começou a sua vida profissional em 1964, com a gravação do seu primeiro LP, Italianíssimo[3], e no mesmo ano gravou seu segundo LP, Credi a Me. Seu nome foi inspirado em dois artistas estrangeiros: o ator americano Jerry Lewis e o cantor italiano Adriano Celentano.[4]

Em 1965 lançou Um Grande Amor, seu primeiro disco gravado em português. Tornou-se apresentador do programa Excelsior a Go Go, na antiga TV Excelsior de São Paulo, ao lado do comunicador Luís Aguiar; apresentava músicas dos Vips, Os Incríveis, Trini Lopez, Cidinha Campos, entre outros.[1]

Entre 1967 e 1968, já na TV Tupi de São Paulo, passou a apresentar A Grande Parada, ao lado de artistas, como Neyde Aparecida, Zélia Hoffmann, Betty Faria e Marília Pera[2]. Era um musical ao vivo que apresentava grandes nomes da música popular brasileira.

No cinema participou de três filmes como ator/cantor: Essa Gatinha é Minha (com Peri Ribeiro e Anik Malvil), Jerry, A Grande Parada, Jerry em busca do tesouro (com Neyde Aparecida e os Pequenos Cantores da Guanabara).

Em 1969 recebeu o título de cidadão carioca.[5]

Foi responsável pela ida de Raul Seixas para o Rio de Janeiro. Eles eram amigos desde a época em que Raul tinha uma banda em Salvador, chamada Raulzito e os Panteras, que posteriormente foi a banda de apoio de Jerry durante três anos.[5] Entre as músicas que a banda tocava, ambas compostas por Raulzito, estão "Tudo Que É Bom Dura Pouco", "Tarde Demais" e "Doce Doce Amor".[2]

Entre os anos de 1969 a 1971, Raul Seixas foi seu produtor, até iniciar a carreira solo.[2]

Na década de 1970, fez shows na Venezuela, Peru, Estados Unidos, México, Canadá e outros países.

Em 1975, participou de um musical no Hotel Nacional, denominado Brazilian Follies, dirigido por Caribe Rocha, ficando um ano e meio em cartaz.

Nesse período, incursionou pela soul music, gravando canções de Hyldon, Paulo César Barros[6] e Robson Jorge.[7]

No começo da década de 1990, gravou um disco que trazia de volta as origens do rock and roll, intitulado Elvis Vive, um tributo a Elvis Presley, sendo este o 24º disco da sua carreira.

Em 1994, a convite de Cecil Thiré, participou da novela 74.5: Uma Onda no Ar, produzida pela TV PLUS e exibida pela Rede Manchete[1], exibida também em Portugal, com grande sucesso. Em 1999 lançou o álbum Forza Sempre, gravado apenas com músicas da banda Legião Urbana, em italiano. O álbum foi um de seus maiores sucessos na carreira pós Jovem Guarda, atingindo a marca de 200 mil cópias vendidas. A canção "Santa Luccia Luntana" foi incluída na trilha sonora da novela Terra Nostra.

Pelos seus 70 anos, ele participou de três episódios do programa de televisão italiano "MilleVoci" por Gianni Turco, que irá ao ar em junho de 2017.

Era pai de três filhos: Thiago, Tadeu e Joseph.

Morte[editar | editar código-fonte]

Em 10 de abril de 2017, a família de Jerry Adriani anunciou que ele foi diagnosticado com um câncer de próstata que se alastrou pelos rins e que o tratamento estava sendo iniciado. Jerry morreu em 23 de abril de 2017, no Hospital Vitória da Barra da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro. Seu corpo foi sepultado no Cemitério de São Francisco Xavier, no Caju.[1][2]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1964 - Italianíssimo
  • 1964 - Credi a me
  • 1965 - Um grande Amor
  • 1966 - Devo tudo a você
  • 1967 - Vivendo sem Você (Neste disco, várias músicas se tornaram sucesso como "Quem Não Quer" e "És Meu Amor")
  • 1967 - Dedicado a Você (Nesse segundo disco lançado em 1967, versões de grandes canções italianas e inglesas são o destaque)
  • 1968 - Esperando Você (Novamente um disco recheado de versões, na maioria de músicas inglesas, sob o comando de Rossini Pinto)
  • 1969 - Jerry Adriani (Um disco em que quase todas as músicas foram sucessos, revelando muito romantismo)
  • 1970 - Jerry (Primeiro disco de Jerry produzido por Raul Seixas, traz composições de Hyldon, Getúlio Côrtes, Paulo César Barros e do próprio Raul)
  • 1971 - Jerry Adriani (Segundo disco produzido por Raul Seixas, traz composições de Demétrius e Roberto Corrêa)
  • 1971 - Pensa em Mim (Terceiro e último disco produzido por Raul Seixas, foi um dos mais vendidos e executados da época, tendo a música "Doce Doce Amor" como destaque maior)
  • 1972 - Jerry (Produzido por Mauro Motta, este disco traz, na sua maioria, versões de grandes sucessos da música americana)
  • 1973 - Jerry Adriani (Também produzido por Mauro Motta, traz composições de Renato Barros e de Mauro Motta em parceria com Rossini Pinto)
  • 1975 - Jerry Adriani (Outra produção de Mauro Motta, este disco mescla versões com composições de Mauro Motta, Getúlio Côrtes e Renato Barros)
  • 1977 - Jerry Adriani (Novamente produzido por Mauro Motta, os destaques desse disco são composições do próprio Jerry, Othon Russo e Mauro Motta)
  • 1980 - Jerry Adriani (Produzido por Fernando Adour, este disco mescla versões de músicas americanas com composições de Paulo Sérgio Valle e da dupla Mauricio Duboc-Carlos Colla)
  • 1983 - Pra Lembrar de Nós Dois (Dessa vez pela gravadora Polygram, esse disco fez bastante sucesso, tendo como destaque a música "Indiferença", de José Augusto)
  • 1985 - Tempos Felizes (Novamente lançado pela Polygram, este disco traz, além de canções inéditas, grandes pout-pourris dos maiores sucessos, num total de 34 músicas)
  • 1986 - Outra Vez Coração (Com produção de Paulinho Fructuoso e direção artística de Roberto Menescal, traz composições de Jerry, Mario Marcos e de José Augusto)
  • 1988 - Jerry (Gravado pela RGE, este é um disco com arranjos e regências de vários maestros, numa produção de Hélio Costa Manso)
  • 1989 - Parece que foi Ontem (Também gravado pela RGE, com produção de Jairo Pires, traz composições de Biafra, José Augusto, Carlos Colla e do próprio Jerry)
  • 1992 - Doce Aventura (Gravado pela Eldorado, traz grandes sucessos de Raul Seixas, além de composições de Cláudio Rabelo, Ed Wilson e do próprio Jerry)
  • 1995 - Elvis Vive (Neste disco alegre e dançante, Jerry interpreta os maiores sucessos de Elvis Presley, algumas vezes em inglês)
  • 1996 - Rádio Rock Romance (Um disco onde a principal característica é o rock, tendo na sua maioria versões de músicas americanas e um pout-pourri de sucessos da Jovem Guarda)
  • 1997 - Io (Nesse disco Jerry volta à música italiana, dessa vez regravando grandes sucessos dos maiores autores dessa língua)
  • 1999 - Forza Sempre (Produzido pela Indie Records e distribuído pela Universal Music, foi o disco de maior sucesso de Jerry na década de 90. Com produção de Carlos Trilha e direção de Liber Gadelha, Jerry interpreta os maiores sucessos da Legião Urbana, em italiano)
  • 2000 - Tudo Me Lembra Você (Gravado pela Indie Records, Jerry canta composições de Biafra, Ed Wilson, Zeca Baleiro e José Augusto, numa produção de Arnaldo Saccomani)
  • 2002 - O Som do Barzinho Italiano (Novamente gravado pela Indie Records, esse disco traz sucessos da música italiana, com produção de Miguel Plopschi)
  • 2008 - Jerry Adriani Acústico e Ao Vivo

Outros lançamentos[editar | editar código-fonte]

  • 1995 - 30 anos da Jovem Guarda (5 CD's, Polygram).
  • 1997 - Participou de trilhas sonoras a A Indomada da Rede Globo.
  • 2000/2001 - Participa de trilhas sonoras de novelas e regrava músicas de Elvis, de quem era fã incondicional.

Televisão[editar | editar código-fonte]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Como ator e cantor atuou em três filmes:

  • 1966 - Essa Gatinha É Minha - com Pery Ribeiro e Anik Malvil
  • 1967 - Jerry, A Grande Parada
  • 1967 - Jerry em Busca do Tesouro - com Neyde Aparecida e os Pequenos Cantores da Guanabara

Premiações[editar | editar código-fonte]

Foi indicado quatro vezes, na categoria cantor popular.

  • 1989 - LP Marcas da Vida - melhor cantor
  • 1990 - LP Elvis Vive - melhor disco e melhor cantor
  • 1993 - LP Doce Aventura - melhor cantor
  • 1995 - LP Rádio Rock Romance - melhor disco e melhor cantor

Referências

  1. a b c d «Ídolo da Jovem Guarda, cantor Jerry Adriani morre aos 70 anos». Folha de S.Paulo. 23 de abril de 2017. Consultado em 23 de abril de 2017 
  2. a b c d e f «Jerry Adriani morre aos 70 anos no Rio». G1. 23 de abril de 2017. Consultado em 23 de abril de 2017 
  3. Maria, Julio (23 de abril de 2017). «Morre Jerry Adriani, aos 70 anos, o mais roqueiro da Jovem Guarda». O Estado de S. Paulo. Consultado em 23 de abril de 2017 
  4. Jerry Adriani, ídolo da Jovem Guarda, foi lançado como cantor italiano
  5. a b «Jerry Adriani - Dados Artísticos». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira 
  6. Martins, Sérgio (26 de abril de 2016). «Jerry Adriani no VEJA Música». Veja.com. Consultado em 24 de abril de 2017 
  7. Martins, Sérgio (23 de abril de 2017). «Morre Jerry Adriani». Veja.com. Consultado em 24 de abril de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]