Jessé (cantor)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jessé
Informação geral
Nome completo Jessé Florentino Santos
Nascimento 25 de abril de 1952
Origem Niterói, Rio de Janeiro
País  Brasil
Data de morte 29 de março de 1993 (40 anos)
Local de morte Ourinhos, São Paulo
Gênero(s) MPB
Cônjuge Rosana Kozzer
Instrumento(s) voz
Período em atividade 1975-1993
Gravadora(s) RGE
Barclay Discos
Philips
Luz
Afiliação(ões) Beatles
Elis Regina
Milton Nascimento

Jessé Florentino Santos, conhecido apenas como Jessé (Niterói, 25 de abril de 1952Ourinhos, 29 de março de 1993), foi um cantor e compositor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jessé foi criado em Brasília. Mudou-se para São Paulo já adulto, e atuou como crooner em boates. Depois, integrou os grupos Corrente de Força e Placa Luminosa, no qual gravou a música "Velho Demais", usada pela Rede Globo na novela Sem Lenço, Sem Documento.

Gravou em inglês nos anos 70, com os pseudônimos de Christie Burgh (1976) e Tony Stvens (1976-1977). Como Tony Stevens, fez sucesso com a música "If You Could Remember", gravada para uma novela da extinta Rede Tupi. Como Reginaldo Veloso (1978-1979) gravou dois discos com músicas evangélicas.

Jessé foi revelado ao grande público em 1980, no Festival MPB Shell, da Rede Globo. Com a música "Porto Solidão" (Zeca Bahia/Ginko), seu maior sucesso, ganhou o prêmio de melhor intérprete nesse festival. Ainda em 1980, se apresentou no programa Fantástico, com a musica Voa Liberdade, que estourou nas paradas de sucesso do ano de 1980. Por conta disso, a música foi incluída no seu disco do ano, juntamente com a canção Porto Solidão.

Em 1983, no XII Festival da Canção Organização (ou Televisão Ibero-Americana, OTI) realizado em Washington, ganhou os prêmios de melhor intérprete, melhor canção e melhor arranjo para "Estrelas de Papel" (Jessé/Elifas Andreato).

De voz muito potente, gravou 12 discos (como os álbuns duplos "O Sorriso ao Pé da Escada" e "Sobre Todas as Coisas"), mas nunca conseguiu os louros da crítica especializada.

Morte[editar | editar código-fonte]

Jessé faleceu em 29 de março de 1993, aos 40 anos de idade, em consequência de traumatismo craniano, ocasionado por um acidente automobilistico. O cantor dirigia um Ford Escort XR3 conversível azul para a cidade de Terra Rica, no Paraná, onde realizaria uma apresentação[1]. O cantor estava com a esposa grávida de cinco meses, Rosana Kozzer, que perdeu a filha mas sobreviveu[2]. O carro capotou em uma curva e estava com a velocidade aproximada de 190 km/h. Jessé gostava de dirigir em alta velocidade, conforme relatado pelo próprio cantor em entrevista concedida ao apresentador Clodovil Hernandes em 1992 e pelos seus familiares em entrevistas após sua morte. Jessé sofrera um acidente de moto três anos antes de sua morte.

Deixou com Dilza Breder, de Alto Caparaó, uma filha, Rebeca Breder Santos Nogueira, cantora neopentecostal em Brasília[3], de quem teve postumamente netos.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Jessé (1980)
  • Jessé vol. 2 (1981)
  • Jessé vol. 3 (1982)
  • Sorriso ao pé da escada (1983)
  • Estrela de papel (1984)
  • Sobre todas as coisas (1984)
  • Todos os palcos (1985)
  • Ao meu pai (1985)
  • Eterno menino (1987)
  • Convite para ouvir Jessé - Coletânea (1988)
  • Jessé - Série Brilho (1988)
  • Jessé in Nashville (1989)
  • Glória ao Pai - Coletânea (1991)
  • Raízes (1993)
  • Voa liberdade (1993)
  • Jessé - 20 preferidas vol.1 (1996)
  • Jessé - 20 preferidas vol.2 (1997)
  • Pérolas - Coletânea (2000)
  • O inesquecível Jessé (2003)

Referências

  1. «Disco lembra os 20 anos de morte do cantor Jessé». Diário do Nordeste. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  2. «'Porto Solidão é minha sina'». Jcnet. Consultado em 22 de abril de 2012 
  3. Veiga, Carlos (2015-8), «Novos acordes», Ultimato  Verifique data em: |data= (ajuda).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.