Jesus profetiza sua morte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jesus e seus apóstolos.
Afresco na Capadócia, Turquia.

Jesus profetiza a sua morte quatro vezes no Novo Testamento, com as três primeiras levando à predição final de sua crucificação[1].

Predições[editar | editar código-fonte]

O primeiro aviso ocorre em Marcos 8:31-33 (e Mateus 16:21-28), em algum lugar perto de Cesareia de Filipe, imediatamente após a confissão de Pedro (quando o apóstolo proclama que Jesus é o Messias). Segundo Marcos:

«Então começou a ensinar-lhes que era necessário que o Filho do homem padecesse muitas coisas, que fosse rejeitado pelos anciãos, pelos principais sacerdotes e pelos escribas, que fosse morto e que depois de três dias ressuscitasse.» (Marcos 8:31-33)

Quando Pedro tentou admoestá-lo, Jesus disse: "Sai de diante de mim, Satanás, porque não cuidas das coisas de Deus, mas sim das dos homens."[2]. Em Lucas 9:22-27 aparece uma versão mais curta, que contém a predição, mas não o diálogo entre Jesus e Pedro.

O segundo ocorre no Evangelho de Marcos (Marcos 9:30-32) e no Evangelho de Mateus (Mateus 17:22-23). Segundo Marcos:

«O Filho do homem será entregue às mãos dos homens, e tirar-lhe-ão a vida; e depois de morto, ressurgirá ao terceiro dia. Mas eles não compreendiam estas palavras, e temiam interrogá-lo.» (Marcos 9:30-32)

O terceiro aparece nos três evangelhos sinóticos (em Mateus 20:17-19, Marcos 10:32-34 e Lucas 18:31-34), já perto de Jerusalém, e menciona especificamente a crucificação. Segundo Mateus:

«Estando Jesus para subir a Jerusalém, chamou à parte os doze, e em caminho lhes disse: Eis que subimos a Jerusalém, e o Filho do homem será entregue aos principais sacerdotes e aos escribas; eles o condenarão à morte e o entregarão aos gentios para ser escarnecido, açoitado e crucificado, e ao terceiro dia ressuscitará.» (Mateus 20:17-19)

Finalmente, em Mateus 26:1-2, já em Jerusalém, Jesus profetiza novamente a sua crucificação:

«Tendo Jesus acabado todo este discurso, disse a seus discípulos: Sabeis que de hoje a dois dias celebrar-se-á a páscoa, e o Filho do homem será entregue para ser crucificado.» (Mateus 26:1-2)

Cada vez que Jesus prediz a sua paixão, os discípulos demonstram não compreender de alguma forma, mas Jesus sempre se utiliza da ocasião para ensinar-lhes coisas novas[3].

Evangelho de João[editar | editar código-fonte]

O Evangelho de João, nos capítulos 13 a 17, também menciona, em diversas ocasiões, situações em que Jesus prepara os seus discípulos para sua partida[4].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. St Mark's Gospel and the Christian faith by Michael Keene 2002 ISBN 0748767754 pages 24-25
  2. Matthew for Everyone: Chapters 16-28 by Tom Wright 2004 ISBN 0664227872 page 9
  3. Mercer dictionary of the Bible by Watson E. Mills, Roger Aubrey Bullard 1998 ISBN 0865543739 page 550
  4. Dictionary of biblical imagery by Leland Ryken, Jim Wilhoit, Tremper Longman, Colin Duriez, Douglas Penney, Daniel G. Reid 1998 ISBN 0830814515 page 269