Jiří Bělohlávek

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jiří Bělohlávek em 2013

Jiří Bělohlávek (Praga, 24 de fevereiro de 1946  – Praga, 31 de maio de 2017[1]) foi um maestro checo. Estudou com Sergiu Celibidache, no conservatório de Praga e na Academia de Artes de Praga, e ganhou diversas competições de música clássica no seu país natal.

De 1977 a 1989, conduziu a Orquestra Sinfónica de Praga. Conduziu a Orquestra Filarmónica Nacional Checa, sendo os seus apontamentos de grande valor para a mais famosa orquestra do país. Todavia, foi sucedido por Gerd Albrecht, em 1991, um ano após ter sido contratado, no meio de alguma controvérsia.[2]

Este período refletiu-se com uma vigorosa depressão, que acabou com a viagem para, entre outros países e cidades, a Inglaterra, lugar onde trabalhou vários anos e onde obteve diversos sucessos na música.

Em 1993 fundou a Philharmonia de Praga, após o Ministro da Defesa da República Checa ter disponibilizado fundos para a instrução de quarenta jovens músicos. Bělohlávek participou de audiências com os músicos, fazendo testes para a nova orquestra, mas o Ministério retirou o financiamento no ano seguinte. Depois veio o financiamento privado e ele foi o primeiro diretor musical da nova Orquestra.[3] Desde sua estreia em 1994, a orquestra se exibiu em vários países e gravou diversos álbuns.[4]

De 1995 a 2000 Bělohlávek foi diretor convidado principal da Orquestra Sinfônica da BBC (BBC SO). Em fevereiro de 2005, foi nomeado duodécimo diretor principal, com encargo de julho de 2006 e com contrato inicial de 3 anos.[5] Bělohlávek foi o primeiro diretor convidado a ser nomeado diretor principal da BBC SO.[6]

Referências

  1. Karel Janicek (1 de junho de 2017). «Czech Philharmonic conductor Jiri Belohlavek dies at 71» (em inglês). The Washington Post. Consultado em 1 de junho de 2017 
  2. John Rockwell (30 de dezembro de 1992). «Czech Philharmonic Faces Perilous Times In Dividing Country» (em inglês). The New York Times. Consultado em 2 de junho de 2017 
  3. Tim Ashley (1 de março de 2001). «The sound of freedom» (em inglês). The Guardian. Consultado em 2 de junho de 2017 
  4. Geoffrey Norris (8 de junho de 2006). «I've never been to the Last Night» (em inglês). The Telegraph. Consultado em 2 de junho de 2017 
  5. Geoffrey Norris (2 de fevereiro de 2005). «I'm here to raise the standard» (em inglês). The Telegraph. Consultado em 2 de junho de 2017 
  6. Andrew Clark (6 de julho de 2007). «The quiet cosmopolitan» (em inglês). Financial Times. Consultado em 2 de junho de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.