João, Conde de Montizón

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João, Conde de Montizón
Nascimento 15 de maio de 1822
Madri
Morte 18 de novembro de 1887 (65 anos)
Brighton
Sepultamento Catedral de Trieste
Cidadania Espanha, França
Progenitores Mãe:Maria Francisca de Assis de Bragança
Pai:Carlos de Bourbon, Conde de Molina
Cônjuge Maria Beatriz de Áustria-Este
Filho(s) Carlos Maria de Bourbon e Áustria-Este, Afonso Carlos de Bourbon, Duque de São Jaime
Irmão(s) Carlos Luís de Bourbon e Bragança, Fernando de Bourbon e Bragança
Ocupação fotógrafo
Prêmios Cavaleiro da Ordem do Tosão de Ouro, Ordem de Santo André
Título Duque de Anjou

João, Conde de Montizón (em castelhano Don Juan Carlos María Isidro de Borbón y Braganza, 18221887) Infante de Espanha, Conde de Montizón, Duque de Madrid, foi pretendente Carlista ao trono de Espanha com o nome de Juan III (1861-1868) [1], chefe da Casa de Bórbon após o falecimento de Henrique em 1883 e pretendente legitimista ao trono de França com o nome de Jean III (1883-1887).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho de Carlos María Isidro de Borbón e da infanta Maria Francisca de Bragança, portanto neto de Carlos IV de Espanha e de João VI de Portugal. [2] Em 1833 mudou-se com o seu pai para Portugal e, em 1834, com a vitória liberal em Portugal, para Inglaterra.[carece de fontes?]

Em 1847, casou-se com a arquiduquesa Maria Beatriz de Áustria-Este, filha de Francisco IV de Módena (arquiduque da Áustria, com quem teve dois filhos: [3]

Durante sua estada em Londres, D. João manteve um relacionamento com uma das cortesãs da comitiva, com a qual ele tem dois filhos, João (1857-1902) e Tomás José (1859-1916), que foram enviados para Portugal em 1861.[carece de fontes?]

D. João e D. Beatriz viveram em Modena até à revolução de 1848 quando, após uma breve passagem pela Áustria, se fixaram em Londres. João tinha tendências liberais contrariando os ideais familiares e os da sua própria mulher, de quem acabou por se separar. [4]

Após a morte do seu irmão mais velho, Carlos Luis de Bourbon, assumiu a liderança dos Carlistas em 1861 e a pretensão ao trono espanhol, mas em 1962 diante da intransigências dos Carlistas com sua ideologia liberal, renunciou sua pretensão em favor de seu filho Carlos que passou a se intitular Carlos VII. [5] [2]

Em 24 de Agosto de 1883, com a morte de Henrique, Conde de Chambord (neto do rei Carlos X de França), pretendente legitimista ao trono de França, foi proclamado seu herdeiro, tornou-se chefe da Casa de Bourbon, convertendo-se em pretendente ao trono de França, embora não de forma ativa. João descendia de Filipe V de Espanha (que pelo Tratado de Utrecht [6] renunciou por si e por seus descendentes ao trono francês), através de linhagem masculina, tendo por isso preferencia ante os descendentes de Isabel II de Espanha, já que o trono francês operava sob Lei Sálica. Os legitimistas da França consideram que o Tratado de Utrecht só faça referencia à união das coroas francesa e espanhola, e à renúncia de Felipe V, e não seus descendentes, ao trono da França. [7]

Morreu em Brighton (Inglaterra), a 21 de Novembro de 1887. Está sepultado na Catedral de Trieste, tal como os pais, os irmãos e o filho. [8]

Precedido por
Carlos Luís de Bourbon e Bragança
Carlos VI
Pretendente carlista
ao trono de Espanha
Escudo de armas de Carlos III Toison.svg

1861 - 1868
Sucedido por
Carlos Maria de Bourbon e Áustria-Este
Carlos VII
Precedido por
Henrique Carlos Fernando d'Artois
Henrique V
Pretendente legitimista
ao trono de França
Coat of Arms of the Bourbon Restoration (1815-30).svg

1883 - 1887
Sucedido por
Carlos Maria de Bourbon e Áustria-Este
Carlos XI


Referências

  1. Clemente, Josep Carles (2014). La casa de Borbón:. Una multinacional de las cabezas coronadas (em inglês). [S.l.]: Editorial Manuscritos, P. 52. ISBN 9788494196386 
  2. a b Puga, Maria Teresa; Hortet, Eusebio Ferrer (2015). Los Reyes que Nunca Reinaron:. Los Carlistas (em espanhol). [S.l.]: Flor del Viento Ediciones S.A., pp. 27-28 
  3. Revista Hidalguía número 189. Año 1985 (em espanhol). [S.l.]: Ediciones Hidalguia, p. 203 
  4. Puga. Los Reyes Que Nunca Reinaron:. [S.l.]: , p. 111 
  5. Luna-Guinot, Dolores (2018). Diálogo De Emperatrices (em espanhol). [S.l.]: Trafford Publishing, p. 144. ISBN 9781490792309 
  6. The Gentleman's Magazine. Volume 55, Parte 1 (em inglês). [S.l.]: E. Cave, p. 130. 1785 
  7. «Juan Carlos María Isidro de Borbón y Braganza». Real Academia de la Historia. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  8. Reyes sin trono:. los pretendientes carlistas de 1833 a 1936 (em espanhol). [S.l.]: Gobierno de Navarra, p. 48. 2013. ISBN 9788423533473