João-Francisco Rogowski

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

João-Francisco Rogowski, jurista [1], poeta [2] e escritor [3], nasceu em Porto Alegre (RS), dedicou-se à causas humanitárias e a defesa de perseguidos políticos durante a ditadura militar implantada no Brasil a partir do ano de 1964.

Fundador e coordenador nacional do Movimento SOS Vida [4] que tem por objetivo a defesa da vida em todas as suas dimensões, em especial, a defesa de crianças e idosos em situações de risco.

Como Advogado ficou conhecido por sua destacada atuação em processos judiciais que ficaram conhecidos do grande público como o “CASO DAS MÃOS AMARRADAS” e o “HOMEM QUE SABIA DEMAIS” [5].

O Caso das Mãos Amarradas, mais que um caso policial, é uma página negra na história do Brasil, e trata da tortura e morte de Manoel Raimundo Soares, Sargento do Exército Nacional, fiel ao presidente João Goulart deposto pelos militares em 1964, o Sargento integrava um movimento legalista e esteve envolvido numa frustrada tentativa de contragolpe [6].

A expressão “O Homem que Sabia Demais” era utilizada pela imprensa para designar Mário Ranciaro, Oficial da Força Aérea Brasileira, que igualmente não compactuava com o golpe militar de 1964 e denunciava atos de torturas e perseguições praticados por seus próprios colegas de farda, daí ter sofrido inúmeras perseguições e tentativas de homicídio, tendo contado com a proteção do Advogado João-Francisco Rogowski.

FONTES DE PESQUISA:

1) InfoEducativa [7]; 2) CEN - Sociedade Literária Ponte Luso-brasileira para lusófonos [8][ligação inativa]; 3) Canal Eletrônico [9]; 4) CMI [10]; 5) Via6 [11]; 6) Google [12]; 7) Bing [13]; 8) Yahoo [14].