João 18

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o capítulo da Bíblia. Para o papa de mesmo nome, veja João XVIII.
Quid es veritas? ("O que é a verdade?" - João 18:38), a resposta de Pilatos em latim para Jesus depois que ele afirma ser a "testemunha da verdade".
Sagrada Família, em Barcelona.

João 18 é o décimo-oitavo capítulo do Evangelho de João no Novo Testamento da Bíblia. Primeiro do relato da Paixão de Cristo em João, este capítulo relata a prisão de Jesus, o julgamento de Jesus pelos judeus e a corte de Pilatos.

Prisão de Jesus[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Prisão de Jesus

Em João 18:1-11 está a versão de João para a prisão de Jesus. Em seu relato, não existe o famoso beijo de Judas e Jesus se entrega depois de ser questionado se era "Jesus Nazareno". Pedro, porém, saca sua espada e decepa a orelha de um dos servos do sumo sacerdote, Malco, mas Jesus o repreende: «Mete a tua espada na bainha; não hei de beber o cálice que o Pai me deu?» (João 18:11)

Jesus na casa de Anás e Caifás[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Negação de Pedro

Jesus então foi levado primeiro para a casa de Anás, que era sogro de Caifás, o sumo sacerdote. Enquanto era interrogado, Pedro, que estava no pátio, foi reconhecido e negou Jesus pela primeira vez. Sem sucesso, Anás enviou Jesus a Caifás. Pedro seguiu o grupo e negou novamente conhecer Jesus. Finalmente, quando foi interpelado por um parente de Malco, o servo que havia ferido, negou pela terceira vez ser discípulo de Jesus e, como Jesus havia profetizado, o galo cantou imediatamente depois (João 18:13-27).

Ao contrário do relato dos evangelhos sinóticos, João não menciona o Sinédrio.

Jesus perante Pilatos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Corte de Pilatos

De lá, Jesus foi diretamente para o Pretório para ser interrogado por Pôncio Pilatos, que perguntou-lhe se era o "rei dos judeus". Jesus afirmou que seu reino "não é deste mundo". Pilatos, não convencido da culpa de Jesus, questiona os judeus se querem que ele seja solto, seguindo um costume da época da Páscoa judaica na época. Os judeus respondem que não e preferem que fosse solto Barrabás (João 18:28-40).

Manuscritos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]


Precedido por:
João 17
Capítulos da Bíblia
Evangelho de João
Sucedido por:
João 19

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]