João 21

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o capítulo da Bíblia. Para o papa de mesmo nome, veja João XXI.
João 21 provê o único relato na Bíblia sobre o destino de São Pedro, que, segundo a tradição, foi crucificado de ponta cabeça.
1660. Por Luca Giordano, atualmente na Accademia de Veneza.

João 21 é o vigésimo-primeiro e último capítulo do Evangelho de João no Novo Testamento da Bíblia. Ele contém um relato sobre as aparições de Jesus na Galileia, que o texto descreve como sendo a terceira vez que Jesus apareceu para seus discípulos. No transcorrer do capítulo, vários eventos famosos são relatados: a milagrosa pesca dos 153 peixes, a confirmação do amor de Pedro por Jesus, uma profecia sobre a morte de São Pedro em idade avançada e um comentário sobre o futuro de João. Alguns historiadores do Novo Testamento afirmam que este capítulo não era parte do texto original do Evangelho de João.[1]

Anexo[editar | editar código-fonte]

João, o Apóstolo, geralmente identificado como sendo o "discípulo amado" citado em João 21.
Séc. XV. Detalhe da obra do "Mestre de San Rocco di Pallanza", no Museo del Paesaggio Verbania-Pallanza, Itália.

No capítulo 20 do Evangelho de João, o texto sumariza muitos dos sinais que Jesus realizou para seus discípulos, «que não estão escritos neste livro» (João 20:30). João 21 começa com a transição joanina, "Depois disto..." (em grego: Μετὰ ταῦτα), utilizada por toda a obra,[2] o que levou alguns estudiosos a sugerirem que este capítulo teria sido anexado à obra da mesma forma que Marcos 16:9-20. O papel eclesiástico de Pedro é enfatizado, mas é similar ao seu recrutamento em João 1 (João 1:42). A maior parte das versões modernas da Bíblia em português mantém este capítulo em suas edições e apenas um manuscrito, bem fragmentado, pode ser uma evidência de uma edição terminada em João 20 e não em João 21.

Uma teoria é que o autor simplesmente decidiu incluir um incidente adicional algum tempo depois de terminar a obra, mas antes de publicá-la. Westcott afirmou que "É impossível supor que era o plano original do evangelista adicionar os incidentes narrados no capítulo 21 depois dos versículos que formam uma conclusão solene de seu relato sobre a grande história do conflito entre a fé e a descrença na vida de Cristo". Porém, Donald Guthrie contra argumenta afirmando que "É improvável que outro autor tenha escrito esta seção dado que há diversos pontos de contato nela com o estilo e a linguagem dos capítulos anteriores...".

O Padre da Igreja Tertuliano escreveu: "E por que então esta conclusão do evangelhos afirma que estas coisas foram escritas para que se possa acreditar, afirma, que Jesus Cristo é o Filho de Deus?", uma descrição clara do final do capítulo 20 e não do 21. Porém, o texto crítico de Nestle-Aland do Novo Testamento não contém nenhuma cópia antiga sobrevivente do Evangelho de João que omita propositalmente este capítulo.

A descrição do destino do "discípulo amado" (assume-se geralmente que seja João) é apresentada ao lado da narrativa sobre o destino de Pedro. Jesus diz que seu destino não é problema para Pedro se preocupar, pois ele próprio poderia desejar que ele viva até sua volta. O versículo seguinte esclarece que Jesus não afirmou que "Pedro não morrerá", mas apenas que seu destino não era de sua conta (João 21:20-23).

Os dois versículos finais são uma referência ao autor do texto em primeira pessoa:

«Este é o discípulo que dá testemunho destas coisas e que as escreveu, e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro. Muitas outras coisas há que fez Jesus; se elas fossem escritas uma por uma, suponho que nem no mundo inteiro caberiam os livros que se escrevessem.» (João 21:24-25)

Evidências manuscritas[editar | editar código-fonte]

Num ensaio desenvolvido por acadêmicos pouco convencidos sobre a originalidade de João 21 publicado em 2007, Felix Just escreveu: "(Infelizmente!) não temos em mãos nenhum manuscrito antigo de João que termine em João 20:31".[3] Em outras palavras, os manuscritos antigos que contém o final de João 20 também contém o texto de João 21. Assim, se este capítulo é de fato uma adição posterior, é tão antiga (tão antiga quanto o P66 pelo menos) e tão disseminada que nenhuma evidência de uma forma mais antiga sobreviveu. Esta conclusão deve ser balanceada pela tendência de que códices antigos percam as primeiras e últimas folhas primeiro: existem apenas quatro papiros com o texto de João 20-21, três dos quais anteriores ao século IV.[4]

Novum Testamentum Graece (NA27) e a United Bible Societies (UBS4), publicados em 1993 e versões do mesmo texto com pequenas diferenças ortográficas, fornecem o texto crítico para João 21; uma nova edição do Novo Testamento de Nestle-Aland (NA28) foi publicada no final de 2012 e diverge de NA27 e UBS4 em diversos pontos.

Porém, em 2006, um manuscrito em papiro sahídico do século IV (Bodleian MS. Copt.e.150(P)) foi descoberto e é possível que ele termine em 20:31.[5] Um dos lados deste fragmento de uma única folha traz João 20:30-31 com um grande espaço abaixo, sem nenhum tipo de subscrição.

Manuscritos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]


Precedido por:
João 20
Capítulos da Bíblia
Evangelho de João
Sucedido por:

Atos 1

Referências

  1. Ehrman, Bart (13 de fevereiro de 2012). Debate "Is the Original New Testament Lost?" (from around 23:40). [S.l.]: The Ehrman Project 
  2. Veja João 2:12; João 3:22; João 5:1; João 6:1; João 6:66; João 7:1; João 11:7; João 19:28; João 21:1
  3. Felix Just, 'Combining Key Methodologies in Johannine Studies', in Tom Thatcher (ed), What We Have Heard from the Beginning: The Past, Present, and Future of Johannine Studies, (Baylor University Press, 2007), p. 356.
  4. http://catholic-resources.org/John/Papyri.html
  5. Gesa Schenke, 'Das Erscheinen Jesu vor den Jüngern und der ungläubige Thomas: Johannes 20,19-31' in Louis Painchaud and Paul-Hubert Poirier, eds, Coptica - Gnostica - Manichaica: Mélanges offerts à Wolf-Peter Funk (Les presses de l'Université Laval / Peeters, 2006) pp. 893-904.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]