João Almeida (ciclista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
João Pedro Almeida
Joao Almeida of Hagens Berman Axeon (48068730476).jpg
Informações
Nome nativo
João Pedro Gonçalves AlmeidaVisualizar e editar dados no Wikidata
Nascimento
Cidadania
equipa actual
equipas UCI

João Pedro Gonçalves Almeida (Caldas da Rainha, 5 de agosto de 1998) é um ciclista português, membro da equipa Deceuninck-Quick Step.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Em 2016, João Almeida torna-se duplo campeão de Portugal, do ciclismo em estrada e do contrarrelógio.

Em 2017, apanha a equipa continental búlgara Unieuro Trevigiani-Hemus 1896.[1] No mês de abril, obtém o seu primeiro sucesso na terceira etapa da Tour de Mersin, onde domina num sprint a dois com Eduard Vorganov.[2] Cinco dias mais tarde, ele ganha com um sucesso na segunda etapa da Toscana-Terre de Cyclisme, que termina no quarto posto.[3] Nas semanas que seguem, classifica-se quarto da Volta a Ancara depois nono e melhor jovem da Volta à Ucrânia, após ter conseguido a última etapa.

Em 2018, assina com a equipa estadounidense Hagens Berman-Axeon.[4] Após um começo de temporada mais bem discreto em estrada, se ilustra no mês de abril resultando o primeiro ciclista português a conseguir Liège-Bastogne-Liège Esperanças.[5] Daqui por diante, mostra-se regular nas corridas por etapas nas prestigiosas do calendário esperança. É quinto e melhor jovem da Ronde d'Isard, depois segundo e melhor jovem do Giro d'Italia Esperanças, bem como sétimo da Tour de l'Avenir. Sobre pista, torna-se campeão de Portugal da corrida scratch. Em 2019, ele ganha ambos títulos nacionais em estrada nas esperanças e classifica-se quarto e melhor jovem do Tour de Utah.

As suas boas temporadas lhe permitem apanhar em 2020 o UCI WorldTeam Deceuninck-Quick Step.[6] Com esta equipa, é terceiro da Volta a Burgos ganhada pelo seu colega Remco Evenepoel, depois sétimo e melhor jovem da Tour de l'Ain. Em setembro, consegue o contrarrelógio por equipas da Semana internacional Coppi e Bartali, que termina no terceiro lugar final. Após um abandono no Giro de Lombardia, o seu primeiro Monumento, termina segundo da Giro de Emília a nove segundos de Aleksandr Vlasov. Participa depois no Giro d'Italia, a sua primeira grande volta, onde é promovido a líder devido à baixa de Remco Evenepoel. Durante o prólogo, classifica-se segundo por trás do italiano Filippo Ganna. Dois dias mais tarde, no topo da Etna, apodera-se aos 22 anos da camisola rosa de líder[7], uma primeira para um corredor português desde Acácio da Silva em 1989[8] Está classificado no mesmo tempo que o equatoriano Jonathan Caicedo, vencedor na etapa de Etna. Durante 15 dias consegue manter essa camisola, passando a ser o ciclista jovem (com menos de 23 anos) que mais dias envergou a camisola rosa no Giro d'Italia e o 3º em atividade com mais dias de camisola rosa [9], atrás de Vincenzo Nibali e Tom Dumoulin. Acabou o Giro d'Italia de 2020 no 4º lugar, sendo a melhor classificação de sempre de um português na prova[10].

Palmarés em estrada[editar | editar código-fonte]

Resultados nas grandes voltas[editar | editar código-fonte]

Giro d'Italia[editar | editar código-fonte]

1 participação

  • 2020 : Maillot rosa camisola rosa durante 15 dias
  • 2020 : 4º lugar na geral individual [11]

Palmarés em pista[editar | editar código-fonte]

Campeonato de Portugal[editar | editar código-fonte]

  • 2014
    • MaillotPortugal.PNG Campeão de Portugal de corrida por pontos cadetes
  • 2018
    • MaillotPortugal.PNG Campeão de Portugal do scratch
    • Top 5 no giro d'Itália

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]