João Anzanello Carrascoza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
João Anzanello Carrascoza
João Anzanello Carrascoza em 2015
Nome completo João Luís Anzanello Carrascoza
Nascimento 8 de maio de 1962 (59 anos)
Cravinhos, São Paulo
Residência São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Educação Universidade de São Paulo
Ocupação professor e publicitário
Prêmios Prêmio Jabuti (2015, 2013, 2007)

Prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (2012)
Prêmio Literário da Fundação Biblioteca Nacional (2017)
Prêmio FNLIJ (2013, 2014, 2018 e 2020)

Género literário Contos, crónica
Movimento literário Pós-modernismo
Magnum opus
  • Caderno de um ausente (2015)

João Anzanello Carrascoza (Cravinhos, 8 de maio de 1962)[1] é um escritor brasileiro, redator publicitário e professor na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP).[2] É considerado uma das grandes revelações da ficção brasileira e um dos maiores contistas contemporâreos.[3][4][5]

Formação[editar | editar código-fonte]

Graduou-se, em 1983, em Comunicação social com habilitação em Publicidade e propaganda[6] pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP) onde também concluiu mestrado, em 1999, sob orientação de Tupã Gomes Correa com a dissertação O algo mais na publicidade brasileira nos anos 90, em que buscou sistematizar o conhecimento sobre o texto publicitário no Brasil, tendo como foco sua rede semântica. No mesmo ano, o trabalho foi publicado como livro com o título A evolução do texto publicitário. Doutor em 2003, orientado por Ivan Santo Barbosa, também pela ECA/USP, defendeu a tese Razão e mais sensibilidade no texto publicitário, publicada em 2003 como livro, trazendo prefácio escrito pelo publicitário Washington Olivetto.[7][8]

No período de 2012 a 2014 desenvolveu pesquisa de pós-doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro sobre a interface Publicidade e Literatura.[9]

João Anzanello Carrascoza participou de programas de escritores residentes, como o Château de Lavigny, na Suíça, e a Ledig House, nos Estados Unidos.[10][11][12]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Como redator publicitário trabalhou em agências de propaganda como Young & Rubicam e JWThompson, atuou por mais de vinte anos nessa área, elaborando campanhas promocionais e publicitárias.[13]

Em 1991 ingressou como professor assistente no Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP) da ECA/USP, colaborando com as aulas de Redação e linguagem publicitária ministradas pelo publicitário e professor Roberto Duailibi. Com a saída de Roberto Duailibi, em 1992, João Anzanello Carrascoza assumiu as disciplinas.[14][8]

Em 2004 também passou a atuar como docente no Programa de pós-graduação em Comunicação e práticas de consumo na Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM.[15]

Como escritor publicou suas primeiras histórias, nos anos 1980, em jornais de São Paulo e Minas Gerais. Na mesma época frequentou a oficina literária Três Rios ministrada pelo escritor João Silvério Trevisan. Foi neste período que surgiu seu primeiro livro Hotel solidão, vencedor em 1992 do Prêmio Paraná de Literatura na categoria conto. No entanto, Carrascoza considera que sua estreia ocorreu, de fato, em 1991 com a obra infantil As flores do lado de baixo.[16][17] O autor realizou adaptações de clássicos da literatura, para público infantojuvenil: O livro da selva, de Rudyard Kipling, Pollyanna, de Eleanor Porter, O médico e o monstro, de Robert Louis Stevenson e A ilha do tesouro, de Robert Louis Stevenson.[10]

O vaso azul (1998), com contos mais apurados, segundo a crítica,[18][19] ganhou os prêmios Eça de Queiroz e Guimarães Rosa, este último patrocinado pela Radio France Internationale, além de uma indicação ao Prêmio Jabuti. Publicou Duas tardes pela Boitempo Editorial, recebendo mais uma indicação ao Prêmio Jabuti, em 2003. Para o escritor Marcelo Rubens Paiva esta obra é marcada por "muita sensibilidade e sofisticação literária.".[20]

Seu primeiro romance, Aos 7 e aos 40, publicado pela Cosac Naify em 2013, traz elementos que o autor considera próprios da maturidade:

Ao longo do tempo, passei a entender que, em literatura, não só as palavras são necessárias, mas a não-palavra, o silêncio também tem seu valor. O ofício de redator me fez entender esse peso das palavras, do silêncio e o quanto a tensão é importante para a narrativa.[21]

Nesta obra, Carrascoza escreveu que “o presente é feito de todas as ausências”. Em Caderno de um ausente, publicado pela mesma editora no ano seguinte, essa ideia se materializa de forma contundente, alçada por um lirismo poucas vezes visto na literatura brasileira.[22] Por esse trabalho recebeu o Prêmio FNLIJ, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, na categoria Jovem e foi um dos ganhadores no 57º Prêmio Jabuti.[23]

Além das importantes premiações nacionais e internacionais recebidas, seus livros foram traduzidos para diversos idiomas. A coletânea de contos O volume do silêncio (2006), publicado pela Cosac Naify, ganhou uma edição espanhola pela editora Baile del Sol em 2011.[24] Em 2017, a editora Sesi-SP relançou essa antologia, mantendo a apresentação feita pelo crítico literário Alfredo Bosi e o posfácio elaborado pelo escritor Nelson de Oliveira.[25]

Em 2019 foi um dos cinco finalistas do 63° Prêmio Jabuti na categoria Literatura Juvenil por Caleidoscópio de vidas (2019), publicado pela FTD[26] e, ainda em 2019, publicou o romance Elegia do irmão. Em 2020 publicou, pela editora Nós, Conto para uma só voz, escrito em uma residência literária que o autor fez na Índia.[27] Em 2021, lançou Tramas de meninos livro de contos em que, segundo Stefania Chiarelli, professora de Literatura brasileira e colunista do Jornal Estado de Minas, Carrascoza

reafirma a potência terna do autor, com a reunião de histórias sobre infância e família narradas com maestria.[28]

Obras[editar | editar código-fonte]

Influências[editar | editar código-fonte]

Em entrevista concedida ao escritor André Balbo, João Anzanello Carrascoza revelou que sua formação foi influenciada por poesias lidas em sua juventude, destacando-se autores como Graciliano Ramos, João Cabral de Melo Neto, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Raduan Nassar e William Faulkner.[29][30] Carrascoza também recebeu influências de autores da literatura latino-americana como Gabriel García Márquez, Júlio Cortázar, Jorge Luis Borges, Mario Vargas Llosa, Juan Carlos Onetti, dentre outros, sendo que as obras brasileiras de Clarice Lispector e Guimarães Rosa contribuíram em sua formação como autor da literatura brasileira contemporânea.[31]

Estilo literário[editar | editar código-fonte]

Suas produções exploram a complexidade das relações de parentesco e de amizade, com narrativas perpassadas por poesia.[32][33] Em sua criação literária, o conto é a forma privilegiada de expressão.[1] O escritor afirma:

Sou um contador de histórias e os contos permitem que contemos várias delas de forma mais rápida. Quando você passa muito tempo fazendo um romance, conta apenas uma história.[21]

Crítica literária[editar | editar código-fonte]

As obras de João Carrascoza foram bem recebidas por grandes nomes do cenário literário como o escritor Raduan Nassar e o crítico literário Alfredo Bosi.[1][34] Para o escritor e jornalista Márwio Câmara,

Se o tempo pode ser justo para cada um, não se sabe. Mas para a escrita de João Anzanello Car­rascoza não há sombra de dúvida. Um prosador fundamental na literatura brasileira contemporânea.[35]

Lista de Obras[editar | editar código-fonte]

João Carrascoza é autor de mais de vinte e cinto livros, entre contos, romances, adaptações de clássicos da literatura universal, obras infantojuvenis e também de não-ficção na área da publicidade.

Romances
  • 2019: Elegia do irmão (Alfaguara)
  • 2017: Trilogia do adeus - 1. Caderno de um ausente; 2. Menina escrevendo com o pai; 3. A pele da terra (Alfaguara)
  • 2014: Caderno de um ausente (Cosac Naify)
  • 2013: Aos 7 e aos 40 (Cosac Naify)
Contos
  • 2021: Tramas de meninos (Alfaguara)
  • 2020: Conto para uma só voz (Nós)
  • 2016: Tempo justo (SM)
  • 2016: Diário das coincidências - crônicas do acaso e histórias reais (Alfaguara)
  • 2016: Linha única (SESI-SP)
  • 2012: Aquela água toda (Cosac Naify)
  • 2011: Amores mínimos (Record)
  • 2010: Espinhos e alfinetes (Record)
  • 2006: O volume do silêncio (Cosac Naify)
  • 2004: Dias raros (Planeta)
  • 2004: Meu amigo João (Melhoramentos)
  • 2002: Duas tardes (Boitempo)
  • 1998: O vaso azul (Ática)
  • 1994: Hotel solidão (Scritta)
Infantojuvenil
  • 2020: Caleidoscópio de vidas (FTD)
  • 2017: Caixa de brinquedos (SM)
  • 2014: O vendedor de sustos (FTD)
  • 2011: A vida naquela hora (Scipione)
  • 2010: A terra do lá (Positivo)
  • 2010: Prendedor de sonhos (Scipione)
  • 2008: Meu avô espanhol (Panda Books)
  • 2007: O homem que lia as pessoas (SM)
  • 2005: O menino que furou o céu (Scipione)
  • 2004: Elas -- co-autora de Ivana Arruda (Callis)
  • 2003: Aprendiz de inventor (Ática)
  • 2003: Ladrões de histórias (Atual)
  • 2002: Histórias para sonhar acordado (Scipione)
  • 2002: Quadradinha e redondela (Melhoramentos)
  • 2000: O jogo secreto dos alquimistas (Atual)
  • 1997: Zoomágicos (Formato)
  • 1995: A lua do futuro (Ática)
  • 1991: As flores do lado de baixo (Melhoramentos)
Adaptações de clássicos da literatura universal
  • 2009: O livro da selva, de Rudyard Kipling (Scipione)
  • 2006: Pollyanna, de Eleanor Porter (Ática)
  • 2003: O médico e o monstro, de Robert Louis Stevenson (Scipione)
  • 2002: A ilha do tesouro, de Robert Louis Stevenson (Scipione)
Não ficção - criações publicitárias
  • 2009: Tramas publicitárias -- Co-autoria de Christiane Santarelli (Ática)
  • 2008: Do caos à criação publicitária: processo criativo, plágio e ready-made na publicidade (Saraiva)
  • 2004: Razão e sensibilidade no texto publicitário: como são feitos os anúncios que contam histórias (Saraiva)
  • 2003: Redação publicitária: estudos sobre a retórica do consumo (Saraiva)
  • 1999: A evolução do texto publicitário: a associação de palavras como elemento de sedução na publicidade (Saraiva)
Obras publicadas no exterior
  • 2015 - A sept et à quarante ans. Tradução de Paula Anacaona. Editora Anacaona, França. ISBN: 978-2-918799-56-6
  • 2014 - Le football au Brésil, (contos) Editora Anacaona, França. ISBN: 978-2-918799-48-1
  • 2011 - Je suis favela, (contos) Editora Anacaona, França. ISBN: 978-2-918799-01-6

Prêmios[editar | editar código-fonte]

2020

46º Prêmio FNLIJ, categoria Jovem Hors-concours (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil - FNLIJ) - Com a publicação Caleidoscópio de vidas (FTD).[36]

2019

Prêmio Catedra 10, categoria Seleção (Cátedra Unesco de Leitura, BLLIJ - PUC-Rio) - Com a publicação Caleidoscópio de vidas (FTD).[37]

2018

44ª Prêmio FNLIJ, categoria Jovem - Com a publicação Catálogo de perdas.[38]

Prêmio Orígenes Lessa, categoria o melhor para o jovem (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil - FNLIJ) - Com a publicação Catálogo de perdas.[39]

2017

24ª Prêmio Literário Biblioteca Nacional,[40] Prêmio Glória Pondé - Com a publicação Tempo justo (Edições SM).[41]

2016

Rumos Itaú Cultural 2015-2016 - com livro Catálogo de perdas (Sesi-SP Editora). Realizado com o apoio do programa Rumos Itaú Cultural.[42]

2015

Prêmio Livro Juvenil Altamente Recomendável, categoria criança (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil) - Com a publicação Vendedor de sustos (FTD).[43]

57º Prêmio Jabuti, categoria romance (Câmara Brasileira do Livro) - Com a publicação Caderno de um ausente (Cosac Naify).[23]

2014

Prêmio Orígenes Lessa, categoria o melhor para o jovem - Com a publicação Aos 7 e aos 40.[39]

Rumos Itaú Cultural 2013-2014 - Produção do livro Linha única.[44]

2013

55º Prêmio Jabuti, categoria contos e crônicas - Com a publicação Aquela água toda.[45]

Prêmio Orígenes Lessa – categoria o melhor para o jovem - Com a publicação Aquela água toda.[39][46]

2012

Prêmio APCA, categoria contos - Com a publicação Aquela água toda.[47]

2007 - 49ª Prêmio Jabuti, categoria Contos e Crônicas - Com a publicação O volume do silêncio (Cosac Naify).[48]

2000 - Prêmio Eça de Queiroz - Especial do Júri, categoria contos (UBE Rio de Janeiro) - Com a publicação O vaso azul.[8]

1996 - Prêmio VI Projeto Nascente, categoria texto (USP/Editora Abril) - Com a publicação Oito moradas (depois intitulado O vaso azul).[8]

1993 - Prêmio Guimarães Rosa (Radio France Internationale-Paris) - Com o conto O vaso azul.

1992 - Prêmio no XIV Concurso Nacional de Contos do Paraná - Com a publicação Vias de aprendizagem (depois intitulado Hotel solidão).[8]

Referências

  1. a b c Instituto Itaú Cultural (13 de março de 2015). «João Anzanello Carrascoza». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 19 de julho de 2021 
  2. «João Luís Anzanello Carrascoza | ECA - Escola de Comunicações e Artes». ECA-USP. Consultado em 20 de julho de 2021 
  3. Moraes, Layse (19 de agosto de 2013). «Aos 7 e aos 40 - Tpm». Trip. Consultado em 19 de julho de 2021 
  4. «João Anzanello Carrascoza, écrivain brésilien». Editions Anacaona : littérature brésilienne, féminisme et diversité (em francês). Consultado em 20 de julho de 2021 
  5. NEVES, RÔMULO (2 de agosto de 2017). «Leia Carrascoza, escritor brasileiro de obra inclassificável». Metrópoles. Consultado em 13 de setembro de 2021 
  6. CARRASCOZA, J. A. (2012). «Entrevista». revistas UFG. Comunicação & Informação: p. 102–109. doi:10.5216/c&i.v13i1.19316. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  7. «Livros - Empresas e Negócios - Razão e Sensibilidade no Texto Publicitário». Livraria 30 porcento. Consultado em 14 julho 2021 
  8. a b c d e Carrascoza, João Anzanello (janeiro 2005). «Memorial: João Anzanello Carrascoza» (PDF). Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo ECA/USP. Consultado em 12 de julho de 2021 
  9. «Currículo Lattes - João Carrascoza». CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. 2 de julho de 2021. Consultado em 2 de julho de 2021 
  10. a b Minas, Juliana Galvão Marques (2017). «Do fim ao recomeço: um estudo do conto "O vaso azul", de João Anzanello Carrascoza» (PDF). Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Consultado em 21 de julho de 2021 
  11. «Encontro com os escritores recebe João Anzanello Carrascoza». Editora Unesp. 9 de outubro de 2019. Consultado em 19 de julho de 2021 
  12. Agência Riff. «João Anzanello Carrascoza». Agência Riff. Consultado em 12 de julho de 2021 
  13. Carrascoza, João Anzanello (janeiro 2005). «Memorial: João Anzanello Carrascoza» (PDF). Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo ECA/USP. Consultado em 12 de julho de 2021 
  14. «João Luis Anzanello Carrascoza». CRP - Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo. Consultado em 20 de julho de 2021 
  15. «ESPM - Professores - João Luiz Anzanello Carrascoza • ESPM». ESPM. Consultado em 19 de julho de 2021 
  16. Molinero, Bruno (27 de maio de 2019). «João Carrascoza costura relações familiares em novos livros». Folha de S.Paulo. Consultado em 12 de julho de 2021 
  17. Oliveira, André de (26 de agosto de 2019). «Dualidade criativa». Quatro Cinco Um: a revista dos livros. Consultado em 19 de julho de 2021 
  18. AJZENBERG, Bernardo (26 de julho de 1998). «Folha de S.Paulo - Novos autores: O mundo incerto - 26/07/98». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 20 de julho de 2021 
  19. PAES, João Paulo (10 de outubro de 1998). «Vislumbres epifânicos». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de julho de 2021 
  20. Rubens Paiva, Marcelo (20 de julho de 2002). «Folha de S.Paulo - "Duas Tardes": Carrascoza explora a rotina em contos - 20/07/2002». Folha de S. Paulo - Ilustrada. Consultado em 20 de julho de 2021 
  21. a b SILVA, Deborah Couto e (11 de agosto de 2013). «O passado segue em frente». O TEMPO. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  22. Ambrósio, Ícaro (20 de setembro de 2017). «João Anzanello Carrascoza na Fundação Torino». O Contorno de BH. Consultado em 12 de julho de 2021 
  23. a b «Prêmio Jabuti: Premiados 2015 - romance». www.premiojabuti.com.br. 2015. Consultado em 21 de julho de 2021 
  24. Tania Mariza Kuchenbecker Rösing (Org.); Paulo Becker (Org.) (2013). «Caderno de Atividades VI: 2013» (PDF). Jonadas Literárias - UPF. Consultado em 21 jul. 2021 
  25. PublishNews (11 de julho de 2017). «Sesi-SP relança antologia premiada de Carrascoza». PublishNews. Consultado em 22 de julho de 2021 
  26. «5 Finalistas | 63º Prêmio Jabuti». www.premiojabuti.com.br. Consultado em 21 de julho de 2021 
  27. Casarin, Rodrigo (19 de junho de 2020). «Página Cinco - Podcast P5: A relevância de Saramago hoje e o novo livro de Carrascoza». UOL - SPLASH. Consultado em 21 de julho de 2021 
  28. Chiarelli, Stefania (2 de julho de 2021). «Novo livro de contos reafirma a potência terna de João Carrascoza». Estado de Minas. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  29. Balbo, André (22 de agosto de 2019). «As influências de João Anzanello Carrascoza – REVISTA LAVOURA». Revista Lavoura. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  30. Ballarine, Ricardo (1 de outubro de 2014). «João Anzanello Carrascoza: "O silêncio é a linguagem perfeita"». Capítulo Dois. Consultado em 13 de setembro de 2021 
  31. Zelnys de Almeida, Geruza (2018). «Manual do professor - Aos 7 e aos 40» (PDF). Companhia das Letras. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  32. Silva, Dinair de Fonte (30 de dezembro de 2018). «Silêncio que transborda: a prosa de João Anzanello Carrascoza». Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea (20): 45 p. ISSN 1984-7556. doi:10.35520/flbc.2018.v10n20a22855. Consultado em 13 de setembro de 2021 
  33. «Entrevista: João Carrascoza e "A velocidade da luz"». Blog da TAG. 25 de janeiro de 2019. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  34. CARRASCOZA, JOÃO ANZANELLO (1994). «Folha de S.Paulo - Ilustrissima - Afeto arcaico - 01/07/2012». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 13 de setembro de 2021 
  35. Câmara, Márwio (6 de maio de 2017). «A eternidade movediça do tempo nos contos de João Anzanello Carrascoza». Jornal Opção. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  36. PublishNews (11 de setembro de 2020). «FNLIJ divulga seus premiados de 2020». PublishNews. Consultado em 21 de julho de 2021 
  37. «Premiados 2019». BLLIJ - Biblioteca de Leitura e Literatura Infantil e Juvenil. Consultado em 22 de julho de 2021 
  38. «Prêmio FNLIJ 2018 – Produção 2017». www.fnlij.org.br. 2018. Consultado em 22 de julho de 2021 
  39. a b c Souza, Danilo Fernandes Sampaio (2019). Literatura juvenil premiada: diálogos entre pesquisas acadêmicas, crítica especializada, escola e adolescentes leitores. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo 
  40. «Biblioteca Nacional divulga os vencedores do Prêmio Literário». 28 de novembro de 2017. Consultado em 21 de julho 2021 
  41. Estadão Conteúdo (27 de novembro de 2017). «João Paulo Cuenca e Carrascoza vencem prêmios da Fundação Biblioteca Nacional». ISTOÉ Independente. Consultado em 21 de julho de 2021 
  42. «Rumos 2015-2016: O osso da saudade». Itaú Cultural. 23 de janeiro de 2017. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  43. «Livros recebem Selo Altamente Recomendável». FTD Educação. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  44. «Rumos 2013/2014: Literatura de uma Linha Só». Itaú Cultural. Consultado em 3 de agosto de 2021 
  45. «Premiados 2013 | 55º Prêmio Jabuti». Prêmio Jabuti. Consultado em 3 de agosto de 2021 
  46. «PRÊMIO FNLIJ 2013 - PRODUÇÃO 2012». FUNDAÇÃO NACIONAL DO LIVRO INFANTIL E JUVENIL - FNLIJ. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  47. «Ricardo Lísias vence Prêmio APCA 2012 – Rascunho». Rascunho. 11 de dezembro de 2012. Consultado em 19 de agosto de 2021 
  48. «Premiados 2007 - Contos e Crônicas». www.premiojabuti.com.br. Consultado em 21 de julho de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Currículo Lattes de João Carrascoza

Produção intelectual de João Carrascoza cadastrada no Repositório da Produção USP

Encontros de Interrogação (2011, Itaú Cultural) - João Anzanello Carrascoza. [Depoimento]

CONDE, Miguel (2011). A escrita comovida de João Anzanello Carrascoza. Brasília: Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, nº. 34. Brasília, julho-dezembro de 2009.

FRANÇA, Thyago Madeira (2020). Reflexões sobre a trajetória estética de João Anzanello Carrascoza e a formação de leitores literários. Rio de Janeiro: Caderno Seminal. v.35, nº35.

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikidata Base de dados no Wikidata