João Carlos, Príncipe da Beira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2018). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
João Carlos
Príncipe da Beira
Príncipe da Beira
Período 6 de março de 1821 - 4 de fevereiro de 1822
Antecessor(a) D. Miguel de Bragança
Sucessor(a) D. Maria da Glória
 
Casa Bragança
Nome completo
João Carlos Pedro Leopoldo Borromeu de Bragança
Nascimento 6 de março de 1821
  Rio de Janeiro, Brasil
Morte 4 de fevereiro de 1822 (0 ano)
  Rio de Janeiro, Brasil
Enterro Convento de Santo Antônio, Rio de Janeiro
Pai D. Pedro I do Brasil
Mãe D. Leopoldina

João Carlos Pedro Leopoldo Borromeu de Bragança (Rio de Janeiro, 6 de março de 1821 - Rio de Janeiro, 4 de fevereiro de 1822) foi o terceiro filho de D. Pedro de Alcântara, herdeiro da coroa portuguesa, primeiro imperador do Brasil como D. Pedro I e Rei de Portugal como D. Pedro IV, e de sua primeira esposa D. Maria Leopoldina de Habsburgo, arquiduquesa da Áustria.

Sendo o primeiro varão do herdeiro da Coroa portuguesa, recebeu o título de Príncipe da Beira que até aí pertencia à sua irmã mais velha, D. Maria da Glória. Por sua morte, com pouco menos de um ano, retomou o título de Princesa da Beira a sua irmã, que viria a tornar-se a Rainha D. Maria II de Portugal. Sua morte não pode ser atribuída à maldição dos Braganças, pois seu irmão mais velho, D. Miguel de Bragança, Infante de Portugal, considerado por muitos autores como Príncipe da Beira (nascido e morto a 24 de abril de 1820, ao morrer carregou consigo o castigo associado à Maldição dos Bragança.

D. Leopoldina, grávida de D. Januária (que nasceu em 11 de março de 1822) e acompanhada dos dois filhos (a infanta D. Maria da Gloria e o Príncipe da Beira D. João Carlos), teve que abandonar rapidamente a cidade com destino à Fazenda Real de Santa Cruz para se protegerem da sanha do General d'Avilez, Comandante das tropas portuguesas acantonadas no Rio de Janeiro, para que o D. Pedro, na altura Príncipe Real Regente do Reino do Brasil, retornasse a Lisboa. Este acto veio a dar origem ao chamado Dia do Fico, de 9 de janeiro de 1822 [1] e D. Leopoldina nunca perdoou ao general português, pois por causa dessa fuga veio a falecer no dia 4 de fevereiro de 1822, o pequenino Príncipe da Beira, D. João Carlos, nascido a 6 de março de 1821, portanto com 11 meses e dois dias.  

Foi sepultado no mausoléu do Convento de Santo Antônio, no Rio de Janeiro.


Precedido por
D. Miguel de Bragança
Príncipe da Beira
1821 - 1822
Sucedido por
D. Maria da Glória

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Kaiser, Glória, Dona Leopoldina, Editora Nova Fronteira, 1997

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kaiser, Gloria - Dona Leopoldina, Editora Nova Fronteira, 1997


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.