João Garcia Leal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

João Garcia Leal (Santa Cruz de Goiás, 1759São Bento Abade, 1802) foi um fazendeiro mineiro cujo cruel assassinato deu início à vingança de Januário Garcia Leal, seu irmão.

Filho de Pedro Garcia Leal e Josefa Cordeiro Borba, casou-se em 24 de junho de 1783, em Lavras, com Maria Joaquina do Espírito Santo, filha de Nicolau Martins Saldanha e Inácia Maria de Barros.

Vivendo na região do atual município de São Bento Abade, onde tomava conta de terras do sogro, Nicolau Martins Saldanha, nas proximidades do Rio Verde, envolveu-se em uma disputa com a família de um certo Francisco da Silva, o qual, mal intencionado, insistia em invadir com suas cercas as terras de João Garcia Leal, roubando área da propriedade deste.

Após João Garcia Leal ter-lhe corrigido por esse motivo, Chico Silva ordenou que seus sete filhos o matassem em uma emboscada. Assim o fizeram, mas com grande crueldade. Ataram João Garcia Leal a uma figueira e retiraram toda a pele de seu corpo enquanto ele ainda se encontrava vivo. Isto ocorreu no lugar que ficou conhecido como "Tira Couro" na estrada que vai de Três Corações para Carmo da Cachoeira. A figueira onde João Garcia Leal foi imolado existe até hoje.

Devido a esse crime, Januário Garcia Leal, irmão de João, abandonou tudo para levar a cabo um plano de vingança contra os assassinos do irmão, colecionando a orelha de cada um que matava. Assim, recebeu o apelido de Sete Orelhas, fugindo finalmente para Santa Catarina onde faleceu em 1808.

A existência ou não do personagem Sete Orelhas é abordada no artigo Januário Garcia Leal, o Sete Orelhas[1].

Quanto aos filhos de João Garcia Leal, uma vez nomeado um deles, o Capitão José Garcia Leal, delegado do Governo para a exploração dos sertões, abandonaram Minas Gerais na década de 1830, transferindo-se para o leste do atual estado de Mato Grosso do Sul. Tal local era ainda somente habitado por tribos indígenas. Lá, foram pioneiros desbravadores e, com seus descendentes, fundadores de várias cidades, entre elas Paranaíba e Três Lagoas. Foram eles:

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

  • D'ALESSANDRO, LUCIANO. O Sete Orelhas ou a história das perseguições aos descendentes dos colonos de origem flamenga no Brasil. Andrelândia, Editora Mormannese Eireli, 2012. [S.l.: s.n.]