João Gil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde fevereiro de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
João Gil
João Gil Ao Vivo com Filarmónica Gil.jpg
João Gil ao vivo em Sacavém, 2005
Informação geral
Nome completo João Manuel Gil Lopes
Origem Covilhã
País  Portugal
Género(s) Pop-rock
Afiliação(ões) Trovante
Ala dos Namorados
Filarmónica Gil
Cabeças no ar
Baile Popular

João Manuel Gil Lopes, mais conhecido por João Gil, nascido na Covilhã, é um guitarrista e compositor português e um dos fundadores de grupos como Trovante e Ala dos Namorados.

Biografia[editar | editar código-fonte]

João Gil nasceu na Covilhã.[carece de fontes?] Gil iniciou a sua carreira musical, juntamente com Artur Costa no grupo de música de intervenção, Soviete do Areeiro em 1975. Em 1976, com Luís Represas, João Nuno Represas e Manuel Faria, forma o Trovante, grupo que alcançou um êxito significativo.

Verifica-se a dissolução do Trovante em 1991. Em 1992, sempre com Artur Costa e com Alex Cortez dos Rádio Macau, funda os Moby Dick.

Em 1993, com João Monge, Manuel Paulo, José Moz Carrapa e Nuno Guerreiro, funda a Ala dos Namorados.

Participou no projecto Rio Grande com Rui Veloso, Vitorino, Tim e Jorge Palma em 1996.

Em 2001 realiza no Centro Cultural de Belém um espectáculo que serviu para comemorar 25 anos de carreira. É lançada a colectânea "Perdidamente" com alguns dos temas que gravou para outros.

Em 2002 forma os Cabeças no Ar com Rui Veloso, Jorge Palma e Tim, para cantar letras de Carlos Tê.

Abandona a Ala dos Namorados em 2006 já após ter formado a Filarmónica Gil com Rui Costa (Silence 4) e Nuno Norte, que tinha vencido da primeira época do concurso Ídolos em 2003,[1].

Em 2008 lança o primeiro disco a solo que contou com a participação de Dany Silva, Rui Veloso e António Zambujo. A produção foi de Rui Costa (Silence 4, Filarmónica Gil). João Monge assina quatro canções e há ainda colaborações com Sam The Kid ("Atalhos") e a sua irmã Margarida Gil ("Aquela gente").

Ana Sofia Varela dá voz ao projecto Fados de Amor e Pecado de João Gil e João Monge.

Em 2010 juntou-se a João Pedro Pais e Rita Redshoes, como porta voz da Associação Fonográfica Portuguesa no combate à pirataria na Internet.[2][3]

O projecto Baile Popular é formado por João Gil, Mário Delgado, Alexandre Frazão, Miguel Amado e Paulo Ribeiro e por elementos dos Adiafa (Zé Emídio, João Paulo e Luís Espinho). O álbum homónimo foi lançado no dia 21 de Junho de 2010 tendo como single a música "Rosa à Janela", composta por João Gil e Rui Veloso.

Grava um disco com Luís Represas em 2011. Em 2012 forma o Quinteto Lisboa. É lançada uma missa da sua autoria.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Página oficial da primeira temporada de Ídolos Portugal Ídolos 2003
  2. Ana Ramos dos Santos (21 de dezembro de 2010). «PSD jura combate a piratas». Correio da Manhã. Consultado em 21 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 29 de julho de 2012 .
  3. Susana Almeida Ribeiro (20 de janeiro de 2011). «Indústria Fonográfica Internacional saúda crescimento dos downloads legais mas lamenta pirataria digital». Jornal Público. Consultado em 21 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2012 .

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Accordrelativo20060224.png Este artigo sobre um(a) músico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.