João Goulart Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Vicente Goulart
Em discurso no Plenário do Congresso Nacional em 2015
Deputado estadual do Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 1982
até 31 de janeiro de 1986
Dados pessoais
Nascimento 22 de novembro de 1956 (61 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Progenitores Mãe: Maria Thereza Fontella
Pai: João Goulart
Cônjuge Verônica Theml Fialho Goulart
Filhos
Partido PDT (1979—2017)
PPL (2017—atualmente)
Profissão filósofo
escritor

João Vicente Fontella Goulart (Rio de Janeiro, 22 de novembro de 1956), também chamado de João Goulart Filho, é um filósofo e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do ex-presidente da República João Goulart e de Dona Maria Thereza, viveu sua infância e adolescência do exílio no Uruguai ao lado dos pais. Foi um dos fundadores do Partido Democrático Trabalhista, ao lado do seu tio Leonel Brizola.[1]

É fundador e atual presidente do Instituto João Goulart, que tem objetivo voltado à pesquisa histórica e à reflexão sobre o processo político brasileiro em prol da soberania nacional.[2]

Exerceu ao longo da vida um mandato de deputado na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, em 1982, eleito pelo PDT.[1] Em 2002, se candidatou a deputado federal pelo PGT,[3] partido que se fundiu ao Partido Liberal juntamente com o PST, em 2003,[4] Voltou para o PDT, onde permaneceu até o início de 2017, em oposição ao apoio dado pelo partido ao governo Rodrigo Rollemberg (PSB), no Distrito Federal, após o governador barrar a construção do Memorial da Liberdade e Democracia Presidente João Goulart.[5]

Campanha presidencial em 2018[editar | editar código-fonte]

Foi lançado pelo Partido Pátria Livre (PPL) candidato à presidência do Brasil para as eleições de 2018, sendo Léo da Silva Alves candidato à vice-presidência,[6] Sua campanha teve como proposta a retomada das reformas trabalhistas e sociais que, segundo o candidato, "vinham sendo desenvolvidas e o processo foi interrompido com o golpe militar de 1964".[7] Após o pleito, ficou em último lugar, obtendo 30 176 votos (0,03% dos votos válidos) em sufrágio universal.[8]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Jango e eu: Memórias de um exílio sem volta - 2016, pela editora Civilização Brasileira, finalista do Prêmio Jabuti.[9][10]
  • Entre Anjos e Demônios/poemas do exílio - 2018, pela editora Recanto das Letras.[11]

Referências

  1. a b «Pátria Livre lança filho de João Goulart como candidato a presidente». 2017. Consultado em 26 de dezembro de 2017. 
  2. «Instituto João Goulart». 2017. Consultado em 26 de dezembro de 2017. 
  3. Candidatos a Deputado Federal
  4. «PL se funde com PST e PGT e garante tempo na TV». Folha Online. 11 de fevereiro de 2003. Consultado em 11 de fevereiro de 2003. 
  5. «Filho de Jango deixa o PDT». O Globo. 2017. Consultado em 26 de dezembro de 2017. 
  6. «Filho de Jango, deposto pela ditadura, pode disputar a Presidência». VEJA. 2017. Consultado em 26 de dezembro de 2017. 
  7. «PPL lança João Goulart Filho candidato a presidente». BOL Notícias. 5 de agosto de 2018. Consultado em 3 de novembro de 2018.. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2018 
  8. «João Goulart Filho 54». Eleições 2018. Consultado em 3 de novembro de 2018. 
  9. Civilização Brasileira, ed. (2016). Jango e eu: Memórias de um exílio sem volta. Rio de Janeiro: [s.n.] 350 páginas. ISBN 9788520013243 
  10. «Jango e eu: Memórias de exílio sem volta». Rádioweb UFPA. 25 de dezembro de 2017 
  11. Recanto das Letras, ed. (2018). Entre Anjos e Demônios/poemas do exílio. [S.l.: s.n.] 74 páginas. ISBN 9788569943655 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.