João Gumes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Gumes
João Gumes, em 1920
Nome completo João Antônio dos Santos Gumes
Nascimento 10 de maio de 1855
Caetité
Morte 29 de abril de 1930 (74 anos)
Caetité
Nacionalidade brasileiro(a)
Progenitores Mãe: Anna Luíza das Neves Gumes
Pai: João Antônio dos Santos Gumes
Cônjuge Antônia Dulcina Pinto Gumes (1884-1922)
Ocupação Jornalista, escritor, pesquisador
Principais trabalhos A Penna; O Sampauleiro
Religião espírita

João Antônio dos Santos Gumes (Caetité, 10 de maio de 185529 de abril de 1930) foi um escritor, rábula, jornalista e pesquisador brasileiro. Por sua produção de época e ideias inovadoras, é objeto de vários estudos acadêmicos e o jornal que fundou no final do século XIX constitui-se em importante acervo a registrar os primeiros anos da república, no interior do país.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho do professor que lhe era homônimo João Antônio dos Santos Gumes e de Anna Luíza das Neves Gumes. Dentre os alunos do seu pai destacam-se Joaquim Manoel Rodrigues Lima, Plínio de Lima, as filhas do Barão de Caetité, dentre outros. Neste ambiente culto cresceu o jovem João Gumes.[1]

Não tendo condições materiais de, como os filhos das famílias abastadas, encetar estudos fora da cidade, já aos dezoito anos atua como professor e rábula. Em 1896 realiza sua primeira publicação, uma poliantéia em honra ao dr. Rodrigues Lima, que retornava à cidade após seu mandato como primeiro governador eleito da Bahia, intitulada "O Caetiteense".[1]

Depois de muito esforço, consegue realizar o sonho de dotar sua terra natal de um prelo, onde lança seu jornal e ainda diversas outras publicações.[2] Foi casado com a prima, Antônia Dulcina Pinto Gumes, em 1884, com quem teve dezesseis filhos; ela faleceu em 1922.[2]

Junto ao conterrâneo Aristides Spínola, funda, em 1905, o Centro Psychico de Caeteté, atual Centro Espírita Aristides Spínola, da qual foi o diretor até sua morte; ali ainda existe um dos quadros que pintou, este retratando Allan Kardec.[2]

Apesar de auto-didata, foram de sua autoria os projetos do "Teatro Centenário" e do mercado público da cidade - belas construções já demolidas.[2]

Jornal A Penna[editar | editar código-fonte]

A 5 de Março de 1897 funda o jornal A Penna - primeiro jornal do Sertão e segundo do interior baiano. Surgiu inicialmente em quatro páginas, depois ampliadas para seis, que eram compostas pelo editorial, artigos de fundo, editais, coluna social, notas diversas, etc. Seu tamanho era standard.[3]

No começo do século XX ficou algum tempo sem circular, sendo novamente publicado a partir de 15 de dezembro de 1911, e dali até depois de sua morte, sendo seguido no trabalho por dois de seus filhos: Sadi e Huol Gumes.[3]

Em 1917 Gumes se envolveu, nas páginas do periódico, em acerba polêmica com o bispo da diocese de Caetité, dom Manuel Raimundo de Melo, acerca do apoio dado pelo jornal ao Colégio Americano, entidade presbiteriana do pastor Henry John McCall.[3]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • A vida Campestre
  • A Abolição
  • Intriga Doméstica
  • Origem do Nome Caeteté
  • Seraphina
  • A Sorte Grande
  • Pelo Sertão
  • Sampauleiros
  • Os Analphabetos.

Análise da obra[editar | editar código-fonte]

Para Maria Lúcia Porto Silva Nogueira a obra literária de Gumes possibilita ao leitor conhecer a virada do século XIX para o XX e entrever "os pormenores do público-privado numa dinâmica impregnada pelos valores morais dominantes no período e afinados com forte tradição conservadora."[4]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

João Gumes é Patrono nas Academias Caetiteense, Conquistense e Guanambiense de Letras.

Quando de sua morte, sendo Presidente da Academia Brasileira de Letras Afrânio Peixoto, a entidade decretou luto em 10 de maio de 1930.[5]

Referências

  1. a b SILVA, Pedro Celestino da. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia - n.58 "Notícias Históricas e Geográficas do Município de Caetité" - IGHB, Salvador, 1932
  2. a b c d Helena Lima Santos (1996). Caetité, pequenina e ilustre 2ª ed. Brumado: Tribuna do Sertão. p. 144-146 
  3. a b c Jeremias Macário (2005). "A imprensa no sudoeste a partir de João Gumes" in: A Imprensa e o Coronelismo no Sertão do Sudoeste. Vitória da Conquista: UESB. p. 51 e seg. 
  4. Maria Lúcia Porto Silva Nogueira (2010). «A norma dos "bons costumes" e as resistências femininas nas obras de João Gumes (Alto Sertão Baiano, 1897-1930)» (PDF). Sapientia (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Consultado em 9 de novembro de 2016 
  5. FERNANDES, Sylvio Gumes. Caderno de Cultura Caetiteense, vol. 11, Caetité, 2003.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Biografia in: Veredas da História, por Maria de Fátima Novaes Pires.