João I de Monferrato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2014)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
João I de Monferrato
Marquês de Monferrato
1296 - 1305
Morte 9 de janeiro de 1305 (28 anos)

João I de Monferrato (em italiano: Giovanni I del Monferrato, 1277 - 9 de janeiro de 1305) foi marquês de Monferrato de 1296 a 1305.

Era o único filho de sexo masculino de Guilherme VI de Monferrato e da sua segunda mulher Beatriz de Castela, filha de Afonso X de Castela. Morreu sem herdeiros, pelo que lhe sucedeu seu sobrinho Teodoro I de Monferrato, iniciador da dinastia paleóloga de Monferrato.

Biografia[editar | editar código-fonte]

João I foi o último marquês de Monferrato e senhor de Ivrea pertencente à família dos Aleramici, descendentes de Guilherme I de Monferrato. Quando jovem, foi posto sob a tutela do marquês Tomás I de Saluzzo, que tinha assumido a defesa do território de Monferrato depois que Gulherme VII havia sido capturado pelos inimigos.

Com a morte de Guilherme, o território foi envolvido nas guerras entre as várias comunas piemontesas. Para a defesa da Marca de Monferrato interveio então Carlos II de Anjou, Rei de Nápoles, interessado, depois do conflito com o pai de Guilherme, a instaurar um relacionamento de vassalagem no Piemonte.

Ao lado de Carlos II e de Tomás de Saluzzo, que renovaram algumas investiduras sobre certos territórios piemonteses, entre os quais Dogliani, combateu contra Asti e Alexandria para retomar o território que fora de seu pai, mas encontrou-se diante de uma situação dramaticamente mudada depois da morte do pai: muitos, demasiados inimigos tentavam apossar-se de Monferrato. Milão e os Saboia em primeiro lugar, que viam o possível renascimento do território monferrino como um atentado à sua política expansionista. Em particular Filipe I de Saboia temia que João tivesse um desejo de reconquista de Collegno, Grugliasco, Turim e Pianezza, importantes centros de poder que estiveram sob o controle de Monferrato na época de Guilherme VII.

Em 23 de março de 1296 desposou Margherita (? - 6 de julho de 1339 ou 6 agosto 1349), filha de Amadeu V de Saboia. Sua primeira mulher foi Sibylle de Baugé, Dama de Miribel, sem descendência.[1]

Senhor de Novara (1299-1301) e Senhor de Asti (1303-1304).[2]

A liga capitaneada por João de Monferrato contra Mateus Visconti teve sucesso inicialmente, conseguindo expulsá-lo da cidade em 1302. Em 1303, João obteve a submissão de Asti. Enquanto estava projetando outras campanhas contra os Saboia, adoeceu grravemente em janeiro de 1305. Morreu poucos dias depois de ter expresso testamento, no qual deixava a gestão das terras da marca de Monferrato à comuna de pavia.

João foi sepultado com seus avós na abadia de Santa Maria de Lecedio.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Raoul Molinari (a cura di), La Marca Aleramica. Storia di una regione mancata, Umberto Soletti Editore, Baldissero d'Alba, 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Guilherme VII de Monferrato
Armoiries Montferrat.png
Marquês de Monferrato

1296 — 1305
Sucedido por
Teodoro I de Monferrato
Ícone de esboço Este artigo sobre História da Itália é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.