João Maurício Galindo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde Março de 2010). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
João Maurício Galindo
Nascimento 21 de setembro de 1960
São Bernardo do Campo
Nacionalidade brasileira
Ocupação maestro

João Maurício Galindo (São Bernardo do Campo, 21 de setembro de 1960) é um maestro brasileiro.

Foi diretor artístico e regente titular da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo e da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí.

Características[editar | editar código-fonte]

A principal característica da atividade do Maestro Galindo tem sido o seu esforço em desmistificar a música de concerto e levá-la aos mais diferentes públicos.

A maioria dos concertos que dirige são comentados, levando à audiência informações sobre as obras a serem executadas, sempre em linguagem desprovida de termos técnicos. Além disso evita a análise formal ou estilística, contextualizando as obras historicamente, estabelecendo analogias com a vida atual. Com isso procura criar elementos de interesse na audiência, despertando a sua curiosidade.

Sua experiência nessa atividade remonta aos tempos de professor no Centro Experimental de Música do Sesc Consolação de São Paulo, quando criou um curso de apreciação musical para leigos. Neste curso evitava a explanação de teorias, datas e biografias; em vez disso, preferia tocar techos de obras conhecidas, e através de interação com os alunos, desenvolver sua escuta.

Deixou a instituição em 1998, mas continua até hoje em estreita coloboração com ela, atuando em concertos comentados em várias unidades do Sesc no Estado de São Paulo.

Na série de concertos "O Aprendiz de Maestro", criou, junto com a diretora teatral Regina Galdino e os atores Andréa Bassit e Cássio Scapin, um padrão de espetáculo infantil totalmente inovador, combinando concerto e peça teatral de cunho didático e ao mesmo tempo lúdico. A série está em cartaz há vários anos na Sala São Paulo, uma das principais salas de concerto do país.

Na Rádio Cultura FM idealizou o programa radiofônico "Pergunte ao Maestro". Diariamente, em dois minutos, responde perguntas recebidas dos ouvintes por email ou telefone. A idéia é responder todas as perguntas que possam ser de interesse geral e atrair as pessoas para o mundo da música de concerto. O sucesso do programa levou à criação de um outro, o "Encontro com o Maestro", também e cunho didático e informativo.

Conhecedores dos seus programas de rádio, os profissionais da Editora Melhoramentos encomendaram-lhe um livro com características semelhantes: linguagem acessível, voltada para o público jovem, que despertasse a curiosidade e o interesse pela música de diferentes épocas e estilos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

João Maurício Galindo teve sua musicalização aos 9 anos de idade, cantando no coro orfeônico de sua escola. Na adolescência começou a estudar guitarra/jazz, e em seguida viola com o professor Alberto Jaffé. Também foi orientado pelo professor Paulo Bosísio. Foi violista da OSESP - Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, 1º viola da Orquestra Sinfônica de Santo André, e violista da Orquestra de Câmara de Heidelberg, na Alemanha.

De 1983 a 1997 foi professor de violino e viola e regente da Orquestra de Alunos do Centro Experimental de Música do Sesc Consolação de São Paulo de São Paulo.

Em 1985 graduou-se Bacharel em Música (Composição e Regência) pela Unesp. Seus principais professores foram Michel Philippot (Harmonia e Contraponto), Roger Cotte (História da Música e Organologia) e Sérgio de Vasconcellos Corrêa (Composição)

Frequentou cursos livres de regência orquestral com os maestros Claudio Santoro, Lutero Rodrigues e Fábio Mechetti.

Em 1990 foi o único brasileiro escolhido para o 1º Curso Interamericano de Direção Orquestral realizado em Caracas, na Venezuela, patrocinado pela OEA, onde estudou com o maestro argentino Guillermo Scarabino.

Também em 1990 assumiu o posto de Regente Titular da Orquestra Sinfônica Jovem de São Paulo, que ocupa até hoje.

Em 1995 fundou, com mais 16 violoncelistas paulistas, a orquestra de violoncelos "Cello in Sampa", para a qual adaptou várias obras do repertório sinfônico e de câmara. O grupo recebeu Menção Honrosa no Concurso Eldorado de Música de 1996.

Em 1997 mudou-se para Manaus, onde foi Regente Assistente do Maestro Júlio Medaglia à frente da Orquestra Amazonas Filarmônica.

Em 1999, de volta a São Paulo, foi convidado a assumir o cargo de Regente Assistente da Orquestra Sinfônica Municipal de Santos, cujo Titular era o Maestro Luis Gustavo Petri.

Em 2000 recebeu dois convites simultâneos; para o cargo de Regente Titular da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, e de Regente Assistente da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo, optando pelo segundo. Três anos depois passaria a ser o Regente Titular desta Orquestra.

No mesmo ano iniciou a série de concertos infantis beneficentes "O Aprendiz de Maestro", realizada na Sala São Paulo até hoje, produzida pela Tucca - Associacão para Crianças e Adolescentes com Tumor Cerebral.

Também em 2000 concluiu sua pós-graduação em nível de Mestrado pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, orientado pelo Prof. Dr. George Oliver Toni, com o trabalho "O Ensino Coletivo de Instrumentos de Cordas com Arco: a Construção de um Método".

Em 2005 estreou pela Rádio Cultura de São Paulo o programa "Pergunte ao Maestro", em que responde perguntas enviadas pelos ouvintes. Em 2007 estreou pela mesma emissora o programa "Encontro com o Maestro", também de cunho didático.

Ópera[editar | editar código-fonte]

Em 2005 João Maurício Galindo começou sua colaboração com o Opera Studio da ULM - Universidade Livre de Música - da Secretaria de Estado da Cultura, (hoje Emesp), com o qual dirigiu as óperas Cosi fan Tutte, de W.A.Mozart, Albert Herring, de B. Britten, Orfeu no Inferno de J. Offenbach, Viva la Mamma!, de G. Donizetti e Le Domino Noir, de D. Auber, todas montadas no Theatro São Pedro, em São Paulo.

No mesmo teatro dirigiu também Il Matrimonio Segreto, de D. Cimarosa (2007) e Der Freischütz, de C. M. von Weber (2008).

No Conservatório de Tatuí dirigiu as montagens de Orfeu no Inferno de Offenbach, (2011) e Orfeo ed Euridice, de Gluck (2012).

Outras orquestras[editar | editar código-fonte]

No exterior, como convidado, já esteve à frente das seguintes orquestras: Sinfônica do Conservatório Nacional de LIma, Sinfônica de Trujillo, Sinfônica da Provincia de Bari, Sinfônica Regional de Molise, Sinfônica Siciliana, Sinfônica de Roma, Filarmônica de Belgrado, Acadêmica de Ancara, Sinfônica de Liepaja (Letônia).

No Brasil já atuou frente à da Sinfônica do Paraná, Petrobrás Sinfônica, do Rio de Janeiro, Sinfônica de Ribeirão Preto, Sinfônica de Campinas, e Sinfônica de Sergipe.

Também dirigiu a Orquestra Sinfônica de Bolsistas do Festival de Inverno de Campos do Jordão nos anos de 1998, 2000 e 2002.

Produção[editar | editar código-fonte]

No início da carreira João Maurício Galindo dedicou-se à composição. Dentre as obras que compôs destacam-se "Toccata para Piano e Orquestra de Câmara", estreada no Instituto de Artes da Unesp em 1989; "Fantasia para viola e Piano", estreada no Festival Internacional de Música de Teresópolis em 1983; "Duas Bagatelas para Conjunto de Percussão", estreadas pela Orquestra Jovem do Estado em 1994; "Compre", para coro cênico e fagote, inédita.

Em 2009 lançou seu primeiro livro, "Música, Pare para Ouvir", pela Editora Melhoramentos.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

1- Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo

2- Orquestra Jovem do Estado de São Paulo

3- Orquestra Filarmônica de Belgrado 4- Tucca