João Paulo Lima e Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Paulo Lima e Silva
João Paulo Lima e Silva
44.º Prefeito do Recife
Período 1º de janeiro de 2001
a 1º de janeiro de 2008
Antecessor Roberto Magalhães
Sucessor João da Costa
Deputado federal por Pernambuco
Período 1º de fevereiro de 2011
a 1º de fevereiro de 2015
Deputado estadual de Pernambuco
Período 1º de fevereiro de 1991
a 1º de fevereiro de 1999
1° de fevereiro de 2019
a em exercício
Vereador do Recife
Período 1º de janeiro de 1989
a 1º de fevereiro de 1991
Dados pessoais
Nascimento 31 de outubro de 1952 (68 anos)
Olinda, PE
Partido PT (1980-2018)
PCdoB (2018-presente)
Profissão sindicalista

João Paulo Lima e Silva (Olinda, 31 de outubro de 1952) é um político brasileiro filiado ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

Foi o primeiro presidente da CUT Pernambuco em 1988, e também vereador do Recife no mesmo ano. Eleito três vezes deputado estadual por Pernambuco em 1990, 1994 e 1998. No ano de 2000 foi eleito o primeiro prefeito do Recife pelo Partido dos Trabalhadores, sendo reeleito em 2004. Foi deputado federal de 2010 a 2015. Nas eleições de 2014, disputou a vaga de senador, mas não saiu vitorioso. Em julho de 2015, assumiu a superintendência da Sudene. Em 2016, concorreu como candidato á prefeitura do Recife, classificando-se ao segundo turno com 23,76% dos votos e perdeu para Geraldo Júlio, tendo 40% dos votos. Em 2020, se candidatou à Prefeitura de Olinda pela coligação Olinda das Pessoas (PCdoB, PT, PSB, MDB, PP e PV), tendo como principal oponente o candidato à reeleição Professor Lupércio, porém não conseguiu ser eleito, contando com apenas 23,32% dos votos.[1]

Foi eleito deputado estadual nas eleições de 2018 com 29.442 votos.[2]

Vida[editar | editar código-fonte]

João Paulo Lima e Silva, nascido em 31 de outubro de 1952 em Olinda, Pernambuco, foi primeiro prefeito operário[3] e também o primeiro a ser reeleito na história do Recife. De família humilde, é filho do cobrador de ônibus Manoel Messias de Lima e Silva e da dona de casa Maria de Lourdes Lima e Silva, já falecidos. É casado com Luzia Jeanne com quem tem três filhos (João Paulo Filho, Élder e Pedro) e três netos (Ana, Júlio, Louis e Hugo). Com formação superior no curso de Economia[4] (Faculdade de Boa Viagem - FBV) é também técnico em Edificações e Mecânica (Escola Técnica Estadual Professor Agamenon Magalhães – Etepam).

Carreira Política[editar | editar código-fonte]

Em 1978, João Paulo, operário metalúrgico, foi incentivado por Paulo Freire a intensificar os seus estudos nos campos político e social e, por meio de uma bolsa concedida pelo Centro de Estudos da América Latina, participou de cursos de capacitação em política sindical na França, Itália, Espanha e em Portugal. Na volta ao Brasil, João Paulo se engajou no movimento sindical, na época em grande efervescência política com as manifestações do ABC paulista. E ainda militou na clandestinidade no Partido Comunista Revolucionário (PCR)

Engajamento no PT e na política[editar | editar código-fonte]

Em 1979, João Paulo ajudou a criar o Partido dos Trabalhadores no Estado. Enfrentou sua primeira disputa eleitoral em 1986, como candidato a deputado estadual. Mesmo obtendo 10 mil votos, não conseguiu se eleger porque o PT não atingiu o quórum suficiente. Em 1988, foi eleito o primeiro vereador do PT no Recife, com 2.723 votos. Dois anos depois, ele conquistou o mandato de deputado estadual, com 11 mil votos. Em 1992, disputou sua primeira eleição para o Executivo, candidatando-se a prefeito de Jaboatão dos Guararapes. Ficou na terceira colocação, mas foi a sua participação naquele pleito que levou a eleição para o segundo turno.

Em 1994, ele saiu das urnas como o deputado estadual mais votado da História de Pernambuco, com 48.892 votos. Em 1996, foi candidato a prefeito do Recife, ficando em terceiro lugar na disputa com 105.160 votos. Dois anos depois, disputou uma nova vaga no Legislativo estadual, sendo, novamente, o candidato mais votado de Pernambuco, ultrapassando os 50 mil votos. Na Assembleia Legislativa de Pernambuco, teve destacada atuação como deputado e presidente da Comissão de Defesa da Cidadania.

Prefeitura do Recife[editar | editar código-fonte]

Nas eleições municipais de 2000, João Paulo foi o candidato da Frente de Esquerda do Recife, tendo como seu vice, o médico Luciano Siqueira (PCdoB). Numa disputa muito acirrada, João Paulo foi eleito, no segundo turno, tornando-se o primeiro prefeito operário da História do Recife, com 382.988 votos.[5] Em 2004, candidatou-se novamente e venceu no primeiro turno, com 56,11% dos votos válidos, sendo vitorioso em todas as zonas eleitorais da cidade.[6] Foi primeira reeleição de um prefeito no Recife.

Na disputa de 2008, João Paulo fez o seu sucessor na Prefeitura do Recife, eleito em primeiro turno, com 51% dos votos válidos. Com isso, quebrou mais um tabu de prefeito não eleger o seu sucessor na capital. Também foi o único prefeito do Brasil em fim de mandato a conseguir fazer o seu sucessor naquele ano.

Frente Nacional de Prefeitos[editar | editar código-fonte]

A trajetória do ex-prefeito João Paulo também é marcada pela sua eleição para a presidência da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), em 2005, entidade que congrega prefeituras de capitais e cidades de grande e médio porte das Regiões Metropolitanas do país. Em 2007, ele foi reeleito para o cargo. Nas duas gestões, João Paulo conduziu a Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios e na articulação e defesa dos interesses municipais junto ao Governo Federal e ao Congresso Nacional. Como presidente da FNP, João Paulo integrou o Conselho Deliberativo da Sudene.

Volta ao Legislativo[editar | editar código-fonte]

Em 2010, o ex-prefeito do Recife disputou uma vaga para Câmara dos Deputados e saiu das urnas como o deputado mais votado do PT no Brasil, com 264.250 mil votos. Também foi o deputado federal mais votado da História do Recife, obtendo, na capital, mais de 150 mil votos.

Nas eleições municipais de 2012, João Paulo foi chamado pelo PT para compor a chapa majoritária na condição de vice-prefeito, ao lado do senador Humberto Costa, candidato a prefeito do Recife. Numa eleição tumultuada e marcada pelo início de rompimento político do PSB com o PT, sua legenda perdeu a disputa e deixou de governar o Recife.[7]

Disputa para o Senado[editar | editar código-fonte]

Em 2014 disputou o senado na chapa que tinha como candidato ao governo do estado Armando Monteiro Neto (PTB) numa coligação que envolvia também o PDT. No entanto, João Paulo obteve apenas 34,8% dos votos ante 64, 34% obtidos por Fernando Bezerra Coelho (PSB), então candidato do grupo político de Eduardo Campos, sendo, assim, derrotado naquele pleito[8].

Eleições municipais de 2016[editar | editar código-fonte]

Em 2016, no momento eleitoral mais difícil da história do PT em razão do impeachment de Dilma Rousseff, João Paulo voltou a disputar a prefeitura do Recife. Tinha como vice, naquela ocasião, o então deputado estadual Sílvio Costa Filho e contava com o apoio do PTB do ex-senador Armando Monteiro Neto.

A candidatura de João Paulo mostrou-se competitiva, muito em razão da boa memória da população de suas gestões a frente da prefeitura, e chegou ao segundo turno mas acabou derrotado para o candidato Geraldo Júlio (PSB) que tentava a reeleição[9].

Saída do PT, ingresso no PC do B e eleição para deputado estadual[editar | editar código-fonte]

Em 2018, João Paulo anunciou sua saída do PT e ingresso no PC do B[10] partido com o qual sempre teve boa relação, tendo tido como vice durante os anos de 2001 e 2008 o comunista Luciano Siqueira.

Em 2018 João Paulo disputou pelo PC do B uma vaga na Assembleia Legislativa de Pernambuco e foi eleito com 29.442 votos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Professor Lupércio, do Solidariedade, é reeleito prefeito de Olinda». G1 Pernambuco. Consultado em 21 de novembro de 2020 
  2. «Senadores e deputados federais/estaduais eleitos: Apuração e resultado das Eleições 2018 PE - UOL Eleições 2018». UOL Eleições 2018. Consultado em 11 de outubro de 2018 
  3. Veras, Lia (25 de junho de 2012). «Recife elege operário». PE-AZ 
  4. «Conheça os Deputados». Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  5. «Abstenção cresceu no segundo turno». 3 de março de 2016. Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  6. «Resultados das Eleições 2004». www.tse.jus.br. Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  7. «Biografia de João Paulo». Secretaria de Gestão Estratégica e Relações Internacionais do Recife. Consultado em 1 de janeiro de 2017 
  8. «Resultado das Apurações dos votos das Eleições 2014 em Pernambuco para Governador, Senador, Deputados Federais e Deputados Estaduais». Eleições 2014 em PE. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  9. PE, Thays EstarqueDo G1 (30 de outubro de 2016). «'Essa foi uma grande vitória política', diz João Paulo após derrota no Recife». Eleições 2016 em Pernambuco. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  10. Pernambuco, Diario de; Pernambuco, Diario de (6 de abril de 2018). «João Paulo troca PT por PCdoB». Diario de Pernambuco. Consultado em 2 de setembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre João Paulo Lima e Silva

Precedido por
Roberto Magalhães
Prefeito do Recife
2001–2008
Sucedido por
João da Costa Bezerra Filho
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.