João Ricardo Lopes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
João Ricardo Lopes
Joao Ricardo Lopes 2021.jpg
Nascimento 21 de junho de 1977 (45 anos)
Azurém, Guimarães, (PT)
Prémios Prémio Revelação de Poesia Ary dos Santos (2001)

Prémio Nacional da Vila de Fânzeres (2001)
Prémio de Conto Irene Lisboa (2009)

Género literário poesia, crónica, conto
Movimento literário Pós-modernismo
Página oficial
https://www.joaoricardolopes.com

João Ricardo Lopes (Azurém, Guimarães, 21 de junho de 1977) é um poeta, cronista e contista português. Publicou oito livros (poesia, de crónicas (português europeu) ou crônicas (português brasileiro) e contos), integrando a nova geração de escritores portugueses, cuja estreia literária ocorreu no novo milénio (português europeu) ou milênio (português brasileiro).

Participou em diversas revistas literárias. A sua obra poética conheceu já traduções para castelhano, inglês e servo-croata, tendo sido incluída em diversas antologias.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em 21 de junho de 1977, em Azurém (concelho de Guimarães) Guimarães, residindo na vila de Arões São Romão (concelho de Fafe) Fafe. Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas (Estudos Portugueses) pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, tendo sido bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian Fundação Calouste Gulbenkian, entre 1996 e 1999. Pós-graduou-se em Teoria da Literatura pelo Instituto de Línguas e Ciências Humanas, na Universidade do Minho.

Leciona a disciplina de Português no ensino básico e secundário, tendo sido docente de Literatura Infantojuvenil na Escola Superior de Educação do Porto e no Instituto de Estudos Superiores de Fafe.

Estreou-se literariamente em [[2001] com a obra a pedra que chora como palavras, galardoada com o Prémio Revelação de Poesia Ary dos Santos. No mesmo ano venceu o XII Prémio Nacional da Vila de Fânzeres com o livro além do dia hoje [1]

Em 2002, publicou contra o esquecimento das mãos [2], conjunto de 84 poemas organizado em sete quadros.

Foi incluído na seleção de novíssimos poetas portugueses, na coletânea Anos 90 e Agora, das Quasi Edições, publicada em 2005, segundo a organização de Jorge Reis-Sá. Sobre essa antologia, escreveu o crítico literário Eduardo Pitta uma importante recensão. [3].

No mesmo ano, deu à estampa o seu quarto poemário, dias desiguais[4]. Também em 2005 teve a sua primeira tradução, para servo-croata, por Tatjana Tarbuk, integrando um conjunto de dezassete poetas portugueses dados a conhecer no separador Nova portugalska poezija : [antologija] da revista "Europski Glasnik" da Društvo hrvatskih književnika.[5]

Em 2007 reuniu e publicou o seu volume primeiro de crónicas, intitulado Dos Maus e Bons Pecados [6], acerca do qual dissertou o escritor Cláudio Lima. [7]

No ano de 2008, o poeta e tradutor Jesús Losada verteu para língua castelhana um poema do autor, integrado no volume 9 de 9. Poesía actual portuguesa, editado pelo Centro de Estudios Literarios y de Arte de Castilla y León (Celya). [8]

Assinalando a primeira década da sua carreira literária, publicou reflexões à boca de cena / onstage reflections, obra bilingue, traduzida por Bernarda Esteves. [9]

Depois de um hiato de sete anos, João Ricardo Lopes fez publicar em 2018 O Moscardo e Outras Histórias, um volume de 86 contos, com prefácio de Paula Morais, para quem “estes contos presenteiam o leitor com uma visão crítica e reflexiva da existência humana, como se fossem fotogramas, quadros, telas vivas que o instigam a uma autorreflexão contínua, a indagar e a exorcizar o seu próprio quotidiano.”[10]

Em 2021, assinalando o vigésimo aniversário da sua vida literária, João Ricardo Lopes publicou Eutrapelia [11], conjunto de 50 poemas, com que o autor apresenta notas de viagens e diversos diálogos com a pintura, música, cinema e literatura.

Desta obra foram traduzidos e divulgados em língua castelhana diversos poemas, por Alfredo Pérez Allencart [12] e por Santiago Landero Aguaded. [13]

Obra[editar | editar código-fonte]

  • 2001 - a pedra que chora como palavras
  • 2002 - além do dia hoje
  • 2002 - contra o esquecimento das mãos
  • 2005 - dias desiguais
  • 2007 - Dos Maus e Bons Pecados
  • 2011 - reflexões à boca de cena / onstage reflections
  • 2018 - O Moscardo e Outras Histórias
  • 2021 - eutrapelia

Distinções[editar | editar código-fonte]

  • 2001 – Prémio de Revelação de Poesia Ary dos Santos
  • 2001 – XII Prémio Nacional de Poesia da Vila de Fânzeres
  • 2009 – Prémio de Conto Irene Lisboa

Referências

  1. «Além do Dia Hoje». https://bibliografia.bnportugal.gov.pt//  in Biblioteca Nacional de Portugal outubro de 2002. Consultado em 14 de junho de 2022]] }}
  2. «Contra o esquecimento das mãos». https://bibliografia.bnportugal.gov.pt//  in Biblioteca Nacional de Portugal novembro de 2002. Consultado em 14 de junho de 2022]] }}
  3. Pitta, Eduardo (2010). Anos 90 e Depois, em 2004 in Aula de Poesia. Lisboa: Quetzal. pp. 159–163. ISBN 978-972-564-844-5 
  4. «Dias desiguais». https://bibliografia.bnportugal.gov.pt//  in Biblioteca Nacional de Portugal junho de 2005. Consultado em 14 de junho de 2022]] }}
  5. «João Ricardo Lopes». https:// katalog-iz.gkc-pula.hr//  in Skupni Katalog knjižnica Istarske županije outubro de 2005. Consultado em 14 de junho de 2022]] }}
  6. «Dos Maus e Bons Pecados». https://bibliografia.bnportugal.gov.pt//  in Biblioteca Nacional de Portugal outubro de 2007. Consultado em 14 de junho de 2022]] }}
  7. Lima, Cláudio (2011). Dos Maus e Bons Pecados - Crónicas de João Ricardo Lopes in Os meus amores – Letras do Minho. Braga: Calígrafo. pp. 71–76. ISBN 978-989-8466-04-4 
  8. «Una publicación bilingüe recopila de nueve jóvenes poetas portugueses». https://www.elnortedecastilla.es/  in El Norte de Castilla junho de 2008. Consultado em 14 de junho de 2022]] }}
  9. «Reflexões à boca de cena». https://bibliografia.bnportugal.gov.pt//  in Biblioteca Nacional de Portugal maio de 2011. Consultado em 14 de junho de 2022]] }}
  10. Lopes, João (2018). O Moscardo e Outras Histórias. Amarante: Edição de Autor. pp. 263–268. ISBN 978-989-20-8942-3 
  11. «Eutrapelia». https://bibliografia.bnportugal.gov.pt//  in Biblioteca Nacional de Portugal julho de 2021. Consultado em 14 junho de 2022]] }}
  12. «Tres poemas de 'Eutrapelia', del português João Ricardo Lopes (en castellano)». https://salamancartvaldia.es///  in Salamanca RTV Al Día 3 de setembro de 2021. Consultado em 14 junho de 2022]] }}
  13. «Poemas ibéricos (29) João Ricardo Lopes». https://aspectus-online.com///  in Aspectus – Revista de Arte & Ciência 10 de março de 2022. Consultado em 14 junho de 2022]] }}

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]