João de Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Question book.svg
Este artigo não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

João Manuel Correia Pires de Carvalho com o nome artístico João de Carvalho[1] (Lisboa, 25 de Fevereiro de 1955) é um actor e encenador português. É filho do actor Ruy de Carvalho e, da sua mulher, já falecida, Rute da Nóbrega Pereira Correia.

Foi aluno do Liceu Camões e do Liceu D. Pedro V, e frequentou posteriormente a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, no Curso de História.

Iniciou a sua carreira de actor na televisão, ainda com a "Noite de Teatro", emitida sempre às segundas-feiras, em directo. Tinha então apenas 4 anos de idade.

Simultaneamente, iniciou-se no Teatro Radiofónico Infantil, com Alice Ogando e Madalena Patacho.

Em 1974, estreou-se profissionalmente junto de Laura Alves, integrando a Companhia de Teatro da RTP no Teatro Maria Matos. Aí, como Actor profissional, o seu primeiro espectáculo foi a peça "Legenda do Cidadão Miguel Lino" de Miguel Franco, a que se seguiram obras de Tchekhov, Brecht, Ibsen, Bernardo Santareno, Manuel da Fonseca, Almeida Garrett ou Ramada Curto. No mesmo teatro veio a participar na fundação e na direcção da Cooperativa Repertório, onde participou em "O Encoberto" de Natália Correia, "O Pato" de Georges Feydeau, "O Crime do Padre Amaro" e "A Tragédia da Rua das Flores" de Eça de Queiroz, "O Avarento" de Molière, "Schweyk na Segunda Guerra Mundial" de Bertolt Brecht, entre muitas outras.

Em 1984, entra para o elenco permanente do Teatro Nacional D. Maria II, onde exerceu vários cargos entre os quais o de Director de Cena. Aí, teve oportunidade de representar peças como "Rei Lear" e "Ricardo II", de William Shakespeare, "O Crime da Aldeia Velha" de Bernardo Santareno, "As Três Irmãs" de Anton Tchekhov, "A Real Caçada ao Sol" de Peter Shaffer, "Mãe Coragem e Seus Filhos" de Bertolt Brecht, "O Leque de Lady Windermere" de Oscar Wilde, "O Fidalgo Aprendiz" de Molière, "Romance de Lobos" de Ramón del Valle-Inclán, de "Germânia II" de Heiner Müller, "Minetti" de Thomas Bernhard, "Zaca-Zaca" de António Torrado, e diversas obras de Gil Vicente, Raul Brandão ou Almeida Garrett.

Como actor e encenador independente, participou em vários espectáculos teatrais, como por exemplo "Dom Juan Regressa da Guerra" de Ödön von Horváth, "Um Inimigo Público" de Henrik Ibsen, "O Urso" de Tcheckov, "Ratos e Homens" de John Steinbeck ou "Palhaço de Mim Mesmo" do seun cunhado Paulo Mira Coelho e onde contracenou com o seu pai, Ruy de Carvalho.

No Teatro Infanto-Juvenil participou em diversos espectáculos, como por exemplo "Zaca-Zaca", "O Aprendiz de Feiticeiro", "Falar Verdade a Mentir" ou "Auto da Índia".

A sua actividade estendeu-se ainda ao Cinema, onde participou em várias longas-metragens, tendo sido a última no filme "Dos Rivales Casi Iguales" (2007), do Realizador Miguel Ángel Calvo Buttini.

Temporariamente abandona a carreira artística para se dedicar à actividade de autarca, tendo sido candidato, pelo PSD, à Câmara Municipal de Vila Franca de Xira nas eleições autárquicas de 2013.

Televisão

Na Televisão participou em vários programas, séries e novelas como "Sabadabadú" (1981), "Vila Faia" (1982), "A Vida É Bela?" (1982), Origens (1983), "Mãe Coragem e os Seus Filhos" (1987), "Passerelle" (1988), "Caixa Alta" (1989), "Lendas e Factos da História de Portugal" (1990), "Grande Noite" (1990), "Sozinhos em Casa" (1993), "Clube Paraíso" (1994), "Os Malucos do Riso, "Gladiadores" (1997), "Médico de Família" (1998), "A Hora da Liberdade" (1999), "A Loja de Camilo" (2000), "O Espírito da Lei" (2001), "Camilo, o Pendura" (2002), "Não Há Pai", "A Minha Família é Uma Animação" (2002/2003), "A Ferreirinha" (2004), "Uma Aventura" (2000/2004), "Maré Alta" (2004/2005), "Malucos na Praia", "Clube das Chaves", "Malucos e Filhos", "Os Malucos nas Arábias" (2005), "7 Vidas", "Bando dos Quatro" (2006), "Floribella" (2007), "Malucos no Hospital" (2008), "Detective Maravilhas" (2008), "Deixa-me Amar" (2008), "Chiquitas" (2008), "Equador" (2009), "Feitiço de Amor" (2009), Laços de Sangue - 2011.

De sua mulher Helena Vieira tem dois filhos, João Ricardo Vieira Correia Pires de Carvalho (16 de Dezembro de 1982) e Diogo Vieira Correia Pires de Carvalho.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Certidão de lista de associadas da Audiogest (pdf). IGAC/Ministério da Cultura (2007-07-25). Arquivado do original em 24 de Dezembro de 2013. Página visitada em 11 de Janeiro de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.