João e o Pé de Feijão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

João e o Pé de Feijão é um conto de fadas de origem inglesa. A versão conhecida mais antiga é a de Benjamin Tabart, publicada em 1807 e popularizada por Joseph Jacobs em 1890, com a publicação de English Fairy Tales. A versão de Jacobs é mais comumente publicada atualmente e acredita-se que seja mais próxima e fiel às versões orais do que a de Tabart, porque nesta falta a moral que há naquela.[1]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Certa vez, um menino, chamado João, vai ao mercado a mando de sua mãe com o fim de vender uma vaca. Quando ele chega ao mercado, um estranho lhe propõe cinco feijões mágicos em troca do bovino. Barganha aceita, retorna para casa com os grãos no bolso. Sua mãe se enfurece pela clara instrução de vender a vaca ter sido ignorada. Fora de si, ela joga os feijões pela janela, que caem na terra ao lado da casa deles.

Enquanto João dorme, os feijões nascem e dão origem a gigantes pés de feijão despontando no céu. Ao acordar, o menino escala o colossal feijoeiro e encontra um castelo acima das nuvens, lugar habitado por um gigante que se alimenta de gente.

Protegido pela esposa do grandalhão, João consegue fugir, após surrupiar uma sacola de moedas de ouro. Retorna no dia seguinte para furtar a galinha dos ovos de ouro do gigante e novamente escapa ileso. No terceiro dia, João escala o feijoeiro de novo e tenta roubar uma harpa de ouro. Dessa vez, o gigante persegue João, mas o menino consegue descer o pé de feijão mais rapidamente e o corta com um machado de seu pai lenhador.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Esse conto é marcado por controvérsias porque, na versão original, de Tabart, retrata um herói que, após ser enganado por alguém sórdido, sem poder defender-se, entra escondido na casa de outro homem, ganha a simpatia de sua esposa para assim conseguir roubar-lhes e por fim o mata. Ele não encontra nenhum conflito moral ou punição por seus atos, igualmente a seu algoz.

Na versão reescrita, reinterpretada e popularizada por Jacobs, há todo um desdobramento em direção à moral da história, um desfecho bem demarcado, como demanda a tradicional forma da fábula. Acredita-se que por retratar a moralidade de maneira mais evidente, tenha sido melhor aceita e propagada em meio ao grande público.

Outras mídias[editar | editar código-fonte]

  • Na série The Super Mario Bros. Super Show!, no episódio Mario and the Beanstalk (Mario e o Pé de Feijão), Mario, Luigi, Princesa Toadstool e Toad subiram no pé de feijão do Reino dos Cogumelos, e chegando no topo, acabaram parando num castelo onde mora o Rei Koopa (na versão gigante).
  • Esse conto se refere aos dois episódios do Pica-Pau: Woody the Giant Killer e Woody and the Beanstalk.
  • Num curta-metragem do Mickey Mouse chamado de Giantland, Mickey contou pros ratinhos esse conto que no pensamento dele, ele chegou no topo de um pé de feijão e parou numa terra de gigantes.
  • Outra versão desse conto é o segmento Mickey e o Pé de Feijão, no filme Como é Bom Se Divertir.
  • Na série A Casa do Mickey Mouse, no episódio Donald e o Pé de Feijão, Donald troca seu galinho de estimação com o gigante por um punhado de feijões mágicos. Quando os feijões se tornaram um enorme pé de feijão, ele, Mickey e Pateta partem para o céu resgatar o bichinho de estimação do Donald.
  • Na série As Aventuras de Miau, no episódio Miau e o Pé de Feijão, o gatinho Miau vendeu a Mimosa para o boi da cara preta, que o recompensou com alguns feijões mágicos. No dia seguinte, subiu pelo gigantesco pé de feijão que jogaram na terra e no topo, viu um enorme castelo e resgatou a galinha dos ovos de ouro que ficou presa numa gaiola. Enquanto fugia do gigante, Miau descia rapidamente até chegar o chão, e a galinha derrubou o pé de feijão com um golpe de ninja.
  • A Walt Disney Animation Studios tinha planos para uma nova animação baseada no conto, intitulada "Gigantic", que foi cancelado.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]