Joana D'Arc Félix de Souza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joana D'Arc Félix de Souza
Nascimento 22 de outubro de 1963 (55 anos)
Franca, São Paulo, Brasil
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade Estadual de Campinas
Instituições Escola Técnica Estadual (ETEC) Prof. Carmelino Corrêa Júnior
Campo(s) Química

Joana D'Arc Félix de Souza (Franca, 22 de outubro de 1963) é uma química, professora e cientista brasileira. Ganhadora de 82 prêmios na carreira, com destaque para o prêmio Kurt Politizer de Tecnologia de "Pesquisadora do Ano" em 2014.

É docente e pesquisadora na Escola Técnica Estadual (ETEC) Prof. Carmelino Corrêa Júnior, em Franca, cidade do interior de São Paulo. Atua em pesquisas envolvendo reaproveitamento e aplicação de couro e pele suína entre outros.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida em Franca, cidade do estado de São Paulo, filha de empregada doméstica e de um profissional de curtume, aprendeu a ler aos 4 anos. Concluiu o ensino médio na Escola Estadual Torquato Caleiro. Influenciada pelo trabalho do pai, optou pelo curso de Química, sendo admitida na USP, Unicamp e Unesp com 14 anos de idade.[2]

Ingressou na Unicamp, onde cursou graduação, mestrado e doutorado, este último concluído em 1994.[3] Publicou artigos sobre a síntese de fármacos e devido a esse trabalho foi convidada a realizar um estágio de pós-doutorado em uma das instituições mais prestigiadas do mundo, a Universidade Harvard, nos Estados Unidos.

Desde 1999 atua como docente e pesquisadora na Escola Técnica Prof. Carmelino Corrêa Júnior, em Franca, onde desenvolve pesquisas cimento ósseo, que usa o colágeno do couro e a hidroxiapatita extraída da escama de peixes além a em soluções para que os resíduos do couro não afetem o meio ambiente.[4]

Foi agraciada com o Kurt Politizer de Tecnologia em 2014, da Associação Brasileira da Indústria Química (Abquim), como reconhecimento aos projetos de inovação tecnológica na área, especialmente a pesquisa que desenvolveu a aplicação da pele suína em transplantes de pele em seres humanos.[5][6][7]

Referências

  1. Eduardo Carneiro (23 de maio de 2017). «PhD em Harvard, brasileira supera fome e preconceito e soma 56 prêmios na carreira». Consultado em 10 de outubro de 2017 
  2. [1]
  3. Tainá Manna (23 de maio de 2017). «'Passei fome, mas tracei meta de conseguir vencer', diz mulher que enfrentou preconceitos e se tornou cientista». Consultado em 10 de outubro de 2017 
  4. G1 (2 de agosto de 2015). «Jovem é premiado por criar fertilizante a partir de resíduos de couro em SP». Consultado em 10 de outubro de 2017 
  5. Giovana Girardi (31 de outubro de 2012). «Pele artificial é criada com derme de porco». Consultado em 10 de outubro de 2017 
  6. Veja (6 de maio de 2016). «Brasileira cria pele artificial com tecido de porco». Consultado em 10 de outubro de 2017 
  7. CRQ4 (2014). «Reconhecimento - Empresas querem investir em trabalho ganhador do Prêmio CRQ-IV». Consultado em 10 de outubro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]