Joanna de Ângelis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Joanna de Ângelis.

Joanna de Ângelis é uma entidade ou espírito, tratada pelo médium espírita brasileiro Divaldo Franco como sua guia espiritual. À entidade é atribuída a autoria da maior parte das obras psicografadas pelo médium.

A obra atribuída a Joanna de Ângelis é composta por dezenas de livros, muitos deles traduzidos para diversos idiomas, versando sobre temas existenciais, filosóficos, religiosos, psicológicos e transcendentais.

Dentre as obras atribuídas à entidade, destacam-se as da Série Psicológica, composta por mais de uma dezena de livros, nos quais a entidade estabelece uma ponte entre a Doutrina Espírita e as modernas correntes da Psicologia, em especial a transpessoal e junguiana.

As encarnações de Joanna de Ângelis[editar | editar código-fonte]

Juana de Asbaje.

Segundo Divaldo Franco, em sua primeira manifestação, a 5 de dezembro de 1945, Joanna de Ângelis se apresentou com o epíteto "um Espírito amigo", que por muitos anos teria sido um pseudônimo utilizado por ela.

Na obra A veneranda Joanna de Ângelis (Salvador: LEAL, 1987), os autores Celeste Santos e Divaldo Franco defendem que esse Espírito teria sido, em uma de suas encarnações, Joana de Cusa - uma das mulheres que acompanhavam Jesus no momento da crucificação.(Vide também: Boa Nova - Humberto de Campos/Chico Xavier, FEB)

Atribuem-se ainda a ela as seguintes personalidades históricas, conforme anota o psicólogo e escritor Cezar Braga Said em seu livro "Joanna e Jesus: Uma história de amor" (FEP - 2010):

Resumo histórico[editar | editar código-fonte]

No século I vivera como Joana de Cusa, uma das maiores colaboradoras da obra de Jesus, inclusive citada no evangelho como uma das mulheres piedosas, tendo sido queimada viva ao lado de seu único filho, juntamente com outros cristãos no Coliseu de Roma.

Em 12 de novembro de 1651 nascia no México Sór Juana Inés de La Cruz, tendo sido a maior poetisa da língua hispânica; muito competente em teologia, medicina, direito canônico e astronomia. Foi teatróloga, musicista, pintora e poliglota. Falava e escrevia, fluentemente, seis idiomas.

Em 11 de dezembro de 1761 nascia em Salvador-Bahia Sóror Joana Angélica de Jesus que posteriormente tornou-se freira. Em 1822, em defesa da honra das jovens do seu Convento, foi assassinada por um soldado português, tornando-se mártir da independência do Brasil.

Joanna de Ângelis também vivera no século XIII (De 16 de julho de 1194 à 11 de agosto de 1253). Chiara d'Offreducci foi fundadora da ordem feminina Franciscana. Mais tarde, em 15 de agosto de 1255 foi canonizada pelo papa Alexandre IV, agora conhecida como Santa Clara de Assis.(Clara de Assis)

Hoje, vivendo na espiritualidade e assumindo o nome de Joanna de Ângelis, é um dos guias espirituais da humanidade, realizando uma experiência educativa e evangélica de altíssimo valor, inclusive publicando diversas obras literárias, milhares de mensagens, traduzidas em diversos idiomas, transcritas em braile, reproduzidas em áudio, e todas distribuídas por vários países do mundo.

Principais obras[editar | editar código-fonte]

Dentre os livros psicografados por Divaldo Franco, que trazem a assinatura de Joanna de Ângelis, sobressaem:

  • Messe de Amor - 1964 (mensagens, dedicadas ao centenário de O Evangelho Segundo o Espiritismo)
  • Dimensões da Verdade - 1965 (conceitos evangélicos e doutrinários)
  • Leis Morais da Vida - 1976 (análises sobre as Leis Divinas)

Da sua Série Psicológica:

  • Jesus e Atualidade- 1989
  • O Homem Integral- 1990
  • Plenitude - 1991
  • Momentos de Saúde e Consciência - 1992
  • O Ser Consciente- 1993
  • Autodescobrimento: Uma Busca Interior - 1995
  • Desperte e seja feliz- 1996
  • Vida: Desafios e Soluções - 1997
  • Amor, imbatível amor- 1998
  • O Despertar do Espírito- 2000
  • Jesus e o evangelho a luz da psicologia profunda- 2000
  • Triunfo Pessoal - 2002
  • Conflitos Existenciais - 2005
  • Encontro com a paz e a Saúde - 2007
  • Em Busca da Verdade - 2009
  • Psicologia da Gratidão - 2011

Ressalta-se também a "Série Momentos", com temas sobre alegria, meditação, saúde, felicidade entre outros.

Fatos e controvérsias[editar | editar código-fonte]

  • A teoria da reencarnação é bastante discutida na atualidade, embora essa teoria sempre esteve presente na história de muitas civilizações, inclusive da própria igreja católica, professando-a até o chamado Concílio de Nicéia, quando então a reencarnação saiu dos preceitos Cristãos. Historiadores do mundo inteiro, como Joseph Gudel, Robert Bowman e Dan Schlesinger consensualmente comprovaram este fato.
  • No século XIX, experiências como as das mesas girantes realizadas pelo professor pedagogo Hippolyte Léon Denizard Rivail, tira a reencarnação do campo teológico e a leva para o meio científico, comprovando pelos seus experimentos a existência do espírito e de suas sucessivas vidas, deixando vários acadêmicos do mundo inteiro sem possibilidade de refutação, baseando-se no axioma de que negar não é provar nada.
  • Mais recentemente, experiências realizadas no Reino Unido, por cientistas da Society for Psychical Research, geraram “O Relatório Scole”. Dentre muitos experimentos realizados, podem ser destacados, como por exemplo, o transporte de objetos, levitações, materializações, luzes paranormais, voz direta, transcomunicação experimental em áudio e vídeo, entre outras. Tudo realizado sob fortes controles por parte da equipe de cientistas que presenciavam os experimentos. O trabalho todo rendeu um livro, "O Experimento Scole - Evidências Científicas sobre a Vida após a Morte", lançado em 1999 e disponível no Brasil, pela editora Madras, em português.
  • O espiritismo científico, nascido como uma doutrina científica-filosófica, conforme assevera o próprio codificador do espiritismo, Allan Kardec em seu livro "O que é espiritismo", tem sido muito confundido com religiões dogmáticas, sendo a chamada "religiosidade espírita", mera consequência da junção entre a ciência e a filosofia espírita, que culminam em aspectos éticos e morais.
  • Atualmente, organizações como a OMS reconhecem a diferença entre patologias clínicas e obsessão espiritual, conforme registrado no código internacional de doenças, o CID 10, item F.44.3

Links Relacionados[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]