Joaquim Falcão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joaquim Falcão Academia Brasileira de Letras
Nascimento 10 de setembro de 1943 (77 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Cidadania Brasil
Alma mater Universidade de Genebra, Universidade Harvard, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Ocupação advogado, escritor

Joaquim Falcão (Rio de Janeiro, 10 de setembro de 1943[1]) é um advogado e escritor brasileiro. Foi eleito, no dia 19 de abril de 2018, o sexto acadêmico da cadeira 3 da Academia Brasileira de Letras.[2][3] Assumiu a cadeira em 23 de novembro de 2018.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Graduado em direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio),[5] é mestre em direito pela Universidade Harvard e doutor em educação pela Universidade de Genebra. É professor titular da Fundação Getúlio Vargas.

Dirigiu a Fundação Roberto Marinho na década de 1980 até 2000. Foi um dos responsáveis pela criação do Globo Ecologia e do Futura, além do Telecurso 2000. Também atuou no Conselho Nacional de Justiça e colaborou na modernização do Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.[6]

É autor dos livros “A favor da democracia” (2004), “Mensalão: Diário de um julgamento” (2013) e “Reforma eleitoral no Brasil” (2015).[7]

Referências


Precedido por
Carlos Heitor Cony
Olivenkranz.png ABL - sexto acadêmico da cadeira 3
2018— atual
Sucedido por


Ícone de esboço Este artigo sobre um advogado(a) ou jurista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.