Joaquim Falcão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joaquim Falcão Academia Brasileira de Letras
Nascimento 1943 (75 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasileiro
Ocupação Advogado e escritor

Joaquim Falcão (Rio de Janeiro, 1943) é um advogado e escritor brasileiro. Foi eleito, no dia 19 de abril de 2018, o sexto acadêmico da cadeira 3 da Academia Brasileira de Letras.[1][2] Assumiu a cadeira em 23 de novembro de 2018.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Graduado em direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio),[4] é mestre em direito pela Universidade Harvard e doutor em educação pela Universidade de Genebra. É professor titular da Fundação Getúlio Vargas.

Dirigiu a Fundação Roberto Marinho na década de 1980 até 2000. Foi um dos responsáveis pela criação do Globo Ecologia e do Futura, além do Telecurso 2000. Também atuou no Conselho Nacional de Justiça e colaborou na modernização do Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.[5]

É autor dos livros “A favor da democracia” (2004), “Mensalão: Diário de um julgamento” (2013) e “Reforma eleitoral no Brasil” (2015).[6]

Referências


Precedido por
Carlos Heitor Cony
Olivenkranz.png ABL - sexto acadêmico da cadeira 3
2018— atual
Sucedido por
Vago


Ícone de esboço Este artigo sobre um advogado(a) ou jurista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.