Joaquim Ribeiro de Avelar, visconde de Ubá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joaquim Ribeiro de Avelar, visconde de Ubá
Nascimento 12 de maio de 1821
Paty do Alferes
Morte 7 de novembro de 1888 (67 anos)
Cidadania Brasil
Ocupação agricultor, Nobreza do Império do Brasil

Joaquim Ribeiro de Avelar, primeiro e único visconde com grandeza de Ubá (Paty do Alferes, 12 de maio de 18217 de novembro de 1888) foi um fazendeiro e nobre brasileiro.

Filho natural reconhecido, por escritura pública, de Joaquim Ribeiro de Avelar, barão de Capivari, e de uma senhora casada, moradora da vila de Pati do Alferes.

Foi criado sob a orientação do pai e das tias paternas na Fazenda do Pau Grande. Maior de idade, fez uma viagem de instrução à Europa, e no regresso teve o casamento acertado por seu pai.

Casou no ano de 1849 com Mariana Velho da Silva (1827 - 1898), filha do conselheiro José Maria Velho da Silva e Leonarda Maria Velho da Mota, dama de honra da imperatriz. Era ela sobrinha do Visconde de Macaé e da Baronesa de Jacotinga, e prima do barão de Mota Maia. Tiveram dez filhos. Destes, alguns faleceram crianças, e dois adultos, num espaço de dias. Dentre os filhos, Maria José Velho de Avelar, foi a mulher do Barão de Muritiba, e Antônio Ribeiro Velho de Avelar, advogado e deputado estadual.

Libertou, antes de 13 de maio de 1888, todos os escravos de suas fazendas. Foi abastado capitalista e grande fazendeiro, proprietário da Fazenda do Pau Grande e de várias outras propriedades na região de Paty do Alferes e nas cidades do Rio de Janeiro e Petrópolis. A casa de veraneio de Petrópolis que possuía foi o local emprestado onde as princesas Isabel e Leopoldina passaram a lua de mel.

Sua mulher foi uma das principais incentivadora das religiosas francesas da Ordem de Nossa Senhora de Sion terem estabelecido no Brasil, especialmente em Petrópolis, o famoso Colégio Sion.

Era tenente-coronel da Guarda Nacional. Foi visconde com as honras de grandeza por decreto de 14 de março de 1887.

O casal foi enterrado na capela da Fazenda do Pau Grande.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MORAIS, Roberto Meneses de. Os Ribeiro de Avellar na Fazenda Pau Grande (Paty do Alferes). Rio de Janeiro, 1994.