Joel Barcelos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Joel Barcellos)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde setembro de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Joel Barcellos
Nome completo Joel Dias Barcellos
Outros nomes Joel Martins
Nascimento 27 de novembro de 1936 (80 anos)
Vitória, ES
Nacionalidade brasileiro
IMDb: (inglês)

Joel Dias Barcellos, mais conhecido como Joel Barcelos (Vitória, 27 de novembro de 1936), é um ator brasileiro, tendo atuado também como roteirista e diretor.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Mudou-se aos três anos para o Rio de Janeiro. Enquanto cursava a faculdade de Agronomia, na década de 1940, participava do Teatro Rural dos Estudantes. Estreou nos palcos em Eles Não Usam Black-Tie, de Gianfrancesco Guarnieri, no Teatro de Arena.

O cinema veio em 1955Trabalhou Bem, Genival! —, uma carreira que já se estende por mais de cinquenta anos.

Em 1969, a ditadura militar o obrigou a exilar-se na Itália, de onde só retornaria em 1975.

Mesmo não gostando de televisão, aceitou convite para participar da telenovela Estúpido Cupido, de Mário Prata, mas não aguentou o ritmo das gravações.[1] Só aceitaria novo convite em 1993, desta vez para o remake que a TV Globo fez de Mulheres de Areia, de Ivani Ribeiro. Depois disso, fez ainda algumas minisséries.

Em alguns filmes, foi creditado como Joel Martins.

Susto após mergulho e falsa notícia de morte[editar | editar código-fonte]

Em 16 de dezembro de 2012, o ator passou mal após após um mergulho em Rio das Ostras. O jornal Extra chegou a noticiar um suposto acidente vascular cerebral, que o teria levado à morte[2], que foi desmentida no dia seguinte.[3]

Atuação no cinema[editar | editar código-fonte]

Trabalhos na televisão[editar | editar código-fonte]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Festival de Brasília (1968)

  • Vencedor (troféu Candango) de melhor ator por sua atuação em Jardim de Guerra

Referências

  1. Arquivo Veja, 6 de outubro de 1976
  2. «Morre Joel Barcelos, aos 76 anos». Extra (jornal). 16 de dezembro de 2012. Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  3. O Globo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Paulo José
por Edu, Coração de Ouro
Troféu Candango de Melhor Ator
por Jardim de Guerra

1968
Sucedido por
Grande Otelo
por Macunaíma
Precedido por
Álvaro Freire
por Minas-Texas
Emmanuel Cavalcanti
por Uma Avenida Chamada Brasil
Troféu Candango de Melhor Ator Coadjuvante
por Beijo 2348/72

1990
Sucedido por
José Lewgoy
por Perfume de Gardênia
Roberto Bomtempo
por A Maldição do Sanpaku
Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.