Joel Barcelos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Joel Barcellos)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Joel Barcellos
Nome completo Joel Dias Barcellos
Outros nomes Joel Martins
Nascimento 27 de novembro de 1936
Vitória, ES
Nacionalidade brasileiro
Morte 10 de novembro de 2018 (81 anos)
Rio das Ostras, RJ
IMDb: (inglês)

Joel Dias Barcellos, mais conhecido como Joel Barcelos (Vitória, 27 de novembro de 1936Rio das Ostras, 10 de novembro de 2018[1]), foi um ator brasileiro, tendo atuado também como roteirista e diretor. Em alguns filmes, foi creditado como Joel Martins.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Mudou-se aos três anos para o Rio de Janeiro. Enquanto cursava a faculdade de Agronomia, na década de 1940, participava do Teatro Rural dos Estudantes. Estreou nos palcos em Eles Não Usam Black-Tie, de Gianfrancesco Guarnieri, no Teatro de Arena.

O cinema veio em 1955 — Trabalhou Bem, Genival! —, uma carreira que já se estende por mais de cinquenta anos.

Em 1969, a ditadura militar o obrigou a exilar-se na Itália, de onde só retornaria em 1975.

Mesmo não gostando de televisão, aceitou convite para participar da telenovela Estúpido Cupido, de Mário Prata, mas não aguentou o ritmo das gravações.[2] Só aceitaria novo convite em 1993, desta vez para o remake que a TV Globo fez de Mulheres de Areia, de Ivani Ribeiro. Depois disso, fez ainda algumas minisséries.

Morreu em Rio das Ostras, no estado do Rio de Janeiro.[1]

Susto após mergulho e falsa notícia de morte[editar | editar código-fonte]

Em 16 de dezembro de 2012, o ator passou mal após após um mergulho em Rio das Ostras. O jornal Extra chegou a noticiar um suposto acidente vascular cerebral, que o teria levado à morte,[3] que foi desmentida no dia seguinte.[4]

Atuação no cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
2012 Rua Aperana, 52
A Dama do Estácio Funcionário da funerária[5]
1997 O Homem Nu
1996 Olhos de Vampa Vampa
1990 Beijo 2348/72 Arquivista
1989 Sonhei com Você
Jardim de Alah Danilo[6]
1988 Presença de Marisa
1987 Exu-Piá, Coração de Macunaíma Mitavaí
Fronteira das Almas
1984 Amenic - Entre o Discurso e a Prática
1982 O Segredo da Múmia
Luz del Fuego Canário
Rio Babilônia Marciano
Insônia
1981 Corações a Mil
1980 Crônica à Beira do Rio Pescador
1978 Agonia Antena
A Batalha dos Guararapes Conselheiro
1977 Paraíso no Inferno (roteirista e diretor) Brasa
Anchieta, José do Brasil
A Virgem da Colina
Parada 88 - O Limite de Alerta Joaquim Porfírio
1976 Encarnação Estrangeiro
Feminino Plural
1974 France société anonyme o brasileiro
Ovelha Negra, uma Despedida de Solteiro João
1973 O Pica-pau Amarelo Visconde de Sabugosa
Sagarana, o Duelo Turíbio Todo
1971 O Rei dos Milagres (diretor) Pescador
Rua Descalça
1970 Jardim de Guerra
1969 Tropici Miguel
Memória de Helena André
Um Homem e Sua Jaula Delegado
1968 Viagem ao Fim do Mundo
Copacabana Me Engana Macalé
1967 Garota de Ipanema Paquera
Proezas de Satanás na Vila do Leva-e-Traz Caçador de Almas
1966 A Grande Cidade Inácio Loiola
1965 Mitt hem är Copacabana
A Falecida Funcionário da funerário
O Desafio Carlos
1964 Os Fuzis Vaqueiro
1962 Cinco Vezes Favela Trabalhador
Os Mendigos
1955 Trabalhou Bem, Genival

Trabalhos na televisão[editar | editar código-fonte]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Festival de Brasília (1968)

  • Vencedor (troféu Candango) de melhor ator por sua atuação em Jardim de Guerra

Referências

  1. a b Cruz, Felipe Branco (10 de novembro de 2018). «Joel Barcelos, o Chico Belo de "Mulheres de Areia", morre aos 81 anos». UOL. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  2. Arquivo Veja, 6 de outubro de 1976
  3. «Morre Joel Barcelos, aos 76 anos». Extra (jornal). 16 de dezembro de 2012. Consultado em 16 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 31 de maio de 2014 
  4. O Globo
  5. «A Dama do Estácio». Porta Curtas. Consultado em 26 de maio de 2018 
  6. «Jardim de Alah». Cinemateca Brasileira. Consultado em 25 de maio de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Paulo José
por Edu, Coração de Ouro
Troféu Candango de Melhor Ator
por Jardim de Guerra

1968
Sucedido por
Grande Otelo
por Macunaíma
Precedido por
Álvaro Freire
por Minas-Texas
Emmanuel Cavalcanti
por Uma Avenida Chamada Brasil
Troféu Candango de Melhor Ator Coadjuvante
por Beijo 2348/72

1990
Sucedido por
José Lewgoy
por Perfume de Gardênia
Roberto Bomtempo
por A Maldição do Sanpaku
Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.