Joel Neto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Joel Neto
Nascimento 3 de março de 1974 (47 anos)
Angra do Heroísmo
Cidadania Portugal
Ocupação escritor, colunista
Prémios Grande Prémio APE de Literatura Biográfica

Joel Neto (n. Angra do Heroísmo, 1974) é um escritor e cronista português. Escreveu nos mais diferentes géneros e atingiu os tops de vendas nacionais com Arquipélago (romance, 2015), A Vida no Campo (diário, 2016), Meridiano 28 (romance, 2018) e A Vida no Campo: Os Anos da Maturidade (diário, 2019), igualmente aplaudidos pela crítica. Ganhou o Grande Prémio APE de Literatura Biográfica 2016-2018[1][2][3] com A Vida no Campo, livro que também foi levado ao teatro, com encenação de Luísa Pinto, e protagonizou um documentário de rádio da autoria de Fernando Alves. Foi co-autor (com Ana Margarida de Carvalho) da Carta Aberta dos Escritores de Língua Portuguesa Contra o Racismo, a Xenofobia e o Populismo e Em Defesa de Uma Cultura e de uma Sociedade Livres, Plurais e Inclusivas, subscrita por mais de 300 escritores da lusofonia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu na Ilha Terceira, arquipélago dos Açores[4], e começou a escrever para a imprensa aos 15 anos, no jornal Diário Insular. Mudou-se para Lisboa aos 18 anos, para estudar Relações Internacionais no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, mas o jornalismo manteve-se a sua principal actividade.

Durante década e meia, trabalhou em jornais e revistas, na televisão e na rádio, nas qualidades de repórter, editor, chefe de redacção, autor de conteúdos e apresentador[5]. Diário de Notícias, Grande Reportagem, Volta ao Mundo, NS', Focus, Jornal de Notícias e O Jogo são apenas algumas das publicações a que ligou o seu nome.

Na estação pública açoriana de televisão, RTP/Açores, os seus programas Choque de Gerações (2004-2005) e História da Minha Vida (2005-2007) atingiram alguma notoriedade. Foi colaborador da TSF-Rádio Notícias, integrou o painel de comentadores de golfe da estação desportiva SportTV e ganhou os prémios José Roquette, Gazeta de Reportagem, Jornal da Praia e Atlante.

Voltou à Ilha Terceira em 2012, determinado a dedicar-se inteiramente à literatura. Vive desde então no lugar dos Dois Caminhos, freguesia da Terra Chã, onde cuida de um jardim, um pomar e três cães. É um dos protagonistas do agregador "Notáveis dos Açores" e membro do Conselho Regional de Cultura da Região Autónoma açoriana[6].

Foi co-autor (com Ana Margarida de Carvalho) da Carta Aberta dos Escritores de Língua Portuguesa Contra o Racismo, a Xenofobia e o Populismo e Em Defesa de Uma Cultura e de uma Sociedade Livres, Plurais e Inclusivas, subscrita por mais de 300 destacados escritores da lusofonia e integrou o grupo de 46 autores de Bode Inspiratório/Escape Goat, folhetim colectivo que marcou a reacção da literatura portuguesa à pandemia da Covid-19, e que foi traduzido para sete línguas e editado em Portugal, pela editora Relógio d'Água, em versão bilingue (português/inglês).

Percurso literário[editar | editar código-fonte]

Autor, entre outros, dos títulos Arquipélago ou O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas, Joel Neto publicou no jornal Diário de Notícias a coluna A Vida No Campo, série de relatos sobre o seu próprio regresso à Terra Chã. O diário daí resultante, A Vida no Campo (ed. Marcador, Maio de 2016), chegou ao mercado já em segunda edição, reunindo os elogios de alguns dos principais críticos portugueses e vindo a ganhar, em 2019, o Grande Prémio APE de Literatura Biográfica. Foi continuado no volume A Vida no Campo: Os Anos da Maturidade (ed. Cultura, Maio de 2019).

Antes disso, o romance Arquipélago tivera a sua primeira edição esgotada em apenas duas semanas.[7] Aplaudido pela crítica e finalista do Prémio Fernando Namora 2015, chegara à quarta em menos de três meses. Antes ainda, O volume de contos O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas fora adoptado como leitura obrigatória pela Universidade dos Açores e (com o título Nunca Mais Roubei Gravatas) editado no Brasil, coisa que aliás acontecera também com o romance Os Sítios Sem Resposta (com o título Os Lugares Sem Resposta); e a biografia José Mourinho, o Vencedor fora traduzida em Inglaterra e na Polónia.

Meridiano 28, o mais recente romance, foi editado na Primavera de 2018, com a chancela da Cultura Editora, e não tardou a chegar aos tops de vendas também. «Será difícil, e talvez inútil, rotulá-lo quanto à sua filiação literária, tanto nos Açores como no continente», escreveu João de Melo, autor de Gente Feliz Com Lágrimas e O Meu Mundo Não É Deste Reino. «A única evidência, e sobretudo a mais natural, é a da sua pertença à grande literatura portuguesa. Ponto final.» Em Janeiro de 2020, Joel Neto anunciou a criação de um podcast com a leitura integral do livro, destinada à celebração do 75º aniversário do fim da II Guerra Mundial e da instauração da paz na Europa. Os episódios passaram a ser disponibilizados semanalmente em todas as plataformas de podcast.

O Terceiro Servo, Os Sítios Sem Resposta, Arquipélago e Meridiano 28, além do díptico A Vida no Campo, integram o Plano Regional de Leitura dos Açores, sendo que o primeiro faz parte também do programa da área de Estudos Açorianos da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, no Brasil, e o terceiro do da área correspondente no Department of Portuguese and Brazilian Studies da Brown University, nos Estados Unidos.[8]

Joel Neto foi, em 2017, o autor do Manifesto Pela Poesia que marcou as celebrações do Dia Mundial da Poesia[9], sucedendo na função a escritores como Gonçalo M. Tavares e José Luís Peixoto. Em 2019, a agência Pinto Lopes Viagens, sediada na cidade do Porto, anunciou a criação de um roteiro turístico especial pelas ilhas açorianas centrado nos seus livros.

Além dos romances e dos contos que o representam em antologias e edições especiais em Portugal, Espanha, Itália, Brasil ou Coreia do Sul, mantém, enquanto cronista, colaboração com diferentes jornais portugueses, açorianos e da diáspora portuguesa nos Estados Unidos e no Canadá. Em 2019, a Companhia de Teatro Narrativensaio-AC fez circular pelo país o espectáculo A Vida no Campo, baseado na obra homónima (e com dramaturgia do próprio autor e de Catarina Ferreira de Almeida).

É formador de diferentes cursos de escrita criativa, nomeadamente nas áreas da crónica, do romance e da não ficção.

Obra publicada[editar | editar código-fonte]

ROMANCE:

  • 2000 - O Terceiro Servo (2ª edição)
    • edição especial 20º aniversário (2020)
  • 2012 - Os Sítios Sem Resposta
    • edição brasileira: Os lugares sem resposta
  • 2015 - Arquipélago (6ª edição)
    • finalista do Prémio Literário Fernando Namora 2015
  • 2018 - Meridiano 28

DIÁRIO:

  • 2016 - A Vida no Campo (3ª edição)
    • Grande Prémio APE de Literatura Biográfica 2019
  • 2019 - A Vida no Campo: Os Anos da Maturidade

CONTO:

  • 2002 - O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas
    • edição brasileira: Nunca mais roubei gravatas
  • 2019 - Só Tinha Saudades de Contar Uma História

FOLHETIM:

  • 2020 - Bode Inspiratório (obra colectiva)

CRÓNICAS:

  • 2003 - Al-Jazeera, Meu Amor
  • 2007 - Todos Nascemos Benfiquistas – Mas Depois Alguns Crescem
  • 2011 - Banda Sonora Para Um Regresso a Casa

TEATRO:

  • 2019 - A Vida no Campo (com Catarina Ferreira de Almeida; encenação original pela Companhia Narrativensaio)
  • 2021 - Eu Nunca Vi Um Helicóptero Explodir (com Catarina Ferreira de Almeida; encenação original pela Companhia Narrativensaio)

OUTROS:

  • 2004 - José Mourinho, O Vencedor (biografia)
    • edição britânica: Mourinho, the true story
  • 2008 - Crónica de Ouro do Futebol Português (obra colectiva) - autoria do primeiro volume, "A Equipa de Todos Nós" (história)
  • 2011 - Bíblia do Golfe (divulgação)
  • 2020 - Muito Mais do Que Saudade (reportagem/exercício semiótico em co-autoria com Catarina Ferreira de Almeida)
  • 2020 - Uma História de Amor-Para um retrato dos portugueses da Base das Lajes e das relações de afecto que o tempo deixou para trás (retrato)

DOCUMENTÁRIO:

  • 2019 - O Caminho de Casa (produção e co-autoria com Catarina Ferreira de Almeida e o realizador Arlindo Horta)

PODCAST:

  • 2019-20020 – O Fio da Meada (RDP-Antena 1)
  • 2020 – Meridiano 28
  • 2021 – Palavra de Honra (RDP-Antena 1, com Raquel Varela)

Antologias e revistas literárias (principais participações):

  • 2020 - Para Tão Longo Amor Tão Curta A Vida (Prima) - conto
  • 2020 - Segunda Oportunidade (Grotta, Letras Lavadas) - discurso
  • 2019 - Averiguação do Leitor (Avenida Marginal, Artes & Letras) - conto
  • 2019 - Enviado Especial (Jornal de Letras, Artes & Ideias) - conto
  • 2017 - Metade Do Mundo/Half The World (revista Egoísta) - conto
  • 2017 - Quanto Mais Em Nuvem Me Desfaço (Fundação Inatel) - manifesto do Dia Mundial da Poesia 2017
  • 2016 - Jaca (Uma Dor Tão Desigual, Ordem dos Psicólogos/Teorema) - conto
  • 2015 - A Cor Mais Forte do Arco-Íris (O Conto Literário de Temática Açoriana, Mónica Serpa Cabral/Companhia das Ilhas) - conto
  • 2013 - Tudo o Que Eu Devo ao Futebol (Correntes D’Escritas 2013 , CM Póvoa de Varzim) - ensaio
  • 2010 - Democracias Modernas (Desafios dos Açores Para O Século XXI, Expresso Das Nove/Tinta da China) - ensaio
  • 2008 - Montanha Abaixo (Comboio Com Asas, CM Funchal) - conto
  • 2007 - Parati (Contos de Algibeira, Casa Verde-Brasil) - conto
  • 2006 - Porto de Leixões, 27 de Agosto de 2002 (Cartas a Deus, Pena Perfeita) - conto
  • 2006 - Al di là del frangiflutti c’era um pesce (Lusitânia Express – 20 storie per um film portughese, Scritturapura Editore-Itália) - conto
  • 2005 - Pequeno Ensaio Sobre Homens e Mulheres de Quarenta Anos (Ou Como Eu os Vejo Daqui, À Distância de uma Vida Quase Toda) (Quarenta Anos de Dom Quixote, Dom Quixote) - conto
  • 2004 - Luísa (Alta Velocidad – Nueva Literatura Portuguesa, Lengua de Trapo-Espanha) - novela
  • 2003 - O Meu Homem de Bem (Antes da Meia-Noite, Dom Quixote) - conto
  • 2002 - Capítulo Um (Setembro, Fonte de Letras) - conto

Referências

  1. Maria João Costa. «Joel Neto vence prémio da Associação Portuguesa de Escritores». Renascença. Consultado em 9 de julho de 2019 
  2. Lusa (3 de Julho de 2019). «A Vida no Campo, de Joel Neto, vence Grande Prémio de Literatura Biográfica». Consultado em 9 de julho de 2019 
  3. «Governo dos Açores felicita Joel Neto por prémio da Associação Portuguesa de Escritores». RTP. Consultado em 9 de julho de 2019 
  4. «Biografia - Porto Editora». Consultado em 9 de julho de 2019 
  5. Projecto Vercial.
  6. «Conselho Regional da Cultura reúne em Angra do Heroísmo». Angra do Heroísmo: Governo dos Açores. 10 de Abril de 2018. Consultado em 9 de julho de 2019 
  7. Osvaldo Cabral (3 de junho de 2015). «Primeiro romance de Joel Neto esgotado em duas semanas». Diário dos Açores. Consultado em 9 de julho de 2019 
  8. «Please join us for a luncheon lecture with novelist Joel Neto». Brown University. 13 de outubro de 2016. Consultado em 9 de junho de 2019 
  9. «Abrantes: Joel Neto apresenta o livro "A Vida no Campo"». Antena Livre. 24 de maio de 2017. Consultado em 10 de junho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]