Jogos Olímpicos de Verão de 2020

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jogos da XXXII Olimpíada
Tóquio 2020
2020 Summer Olympics new logo.svg
Dados
Países participantes + 206 (estimado)
Slogan Unidos pela Emoção
(em japonês: 感情による単位, transl. Kanjō ni yoru tan'i)[1]
País anfitrião  Japão
Atletas 11.092
Eventos 306 (estimado)
Cerimônia de abertura 23 de julho de 2021
Cerimônia de encerramento 8 de agosto de 2021
Abertura oficial Imperador Naruhito
Juramento do atleta Kasumi Ishikawa
Ryota Yamagata
Juramento do árbitro Asumi Tsuzaki
Masakado Kato
Tocha Naomi Osaka
Estádio principal Estádio Olímpico de Tóquio
◄◄ Rio de Janeiro 2016 {{{evento}}} Paris 2024 ►►

Jogos Olímpicos de Verão de 2020 (em japonês: 第三十二回オリンピック競技大会; Dai Sanjūni-kai Orinpikku Kyōgi Taikai?),[2] conhecidos oficialmente como os Jogos da XXXII Olimpíada, mais comumente Tóquio 2020, foi um evento multiesportivo realizado durante o verão de 2021 devido à pandemia de COVID-19, na região metropolitana de Tóquio, Japão. A escolha da sede foi feita durante a 125ª Sessão do Comitê Olímpico Internacional, que aconteceu em Buenos Aires, Argentina, em 7 de setembro de 2013.

A região metropolitana de Tóquio sediou os Jogos Olímpicos de Verão de 1964, Assim, será a primeira cidade a sediar os Jogos Olímpicos duas vezes na Ásia. Além disso, esta foi a quarta edição dos Jogos a serem realizados no Japão. Juntamente com os Jogos de Verão de 1964, o Japão já sediou duas vezes os Jogos Olímpicos de Inverno. A primeira vez foi Sapporo 1972 e a segunda vez foi Nagano 1998.

Os Jogos de 2020 serão a segunda edição de três edições consecutivas no Extremo Oriente, seguindo os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 em Pyeongchang, Coreia do Sul, e posteriormente a esta edição os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, serão realizados em Pequim, capital da China. Os Jogos Olímpicos de 2020, serão a oitava vez que os Jogos serão realizados na região da Ásia-Pacífico.

Os Jogos estavam marcados para o período de 24 de julho a 9 de agosto de 2020, com os primeiros eventos marcados para terem início no dia 22 de julho. Porém, em 24 de março de 2020, os jogos foram adiados para o verão de 2021, como um dos principais efeitos da Pandemia de COVID-19. Este adiamento também afetou as datas dos Jogos Paralímpicos, que também foram adiados para o verão de 2021 (esta será a primeira vez na história que um evento olímpico foi adiado e que também ocorrerá em um ano ímpar, ou seja, fora do ciclo olímpico). Porém mesmo com o adiamento, os Jogos terão seu nome e a sua marca mantidos. Em 30 de março de 2020, foram definidas as novas datas: 23 de julho a 8 de agosto de 2021.[3][4][5][6]

Processo de seleção[editar | editar código-fonte]

O processo de seleção da cidade-sede dos Jogos Olímpicos de Verão de 2020 aconteceu no período de janeiro de 2011 a setembro de 2013, segundo cronograma divulgado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).[7] Em 14 de fevereiro de 2012, um dia antes da data para apresentar as garantias governamentais ao COI, a candidatura de Roma foi reprovada pelo então primeiro-ministro italiano Mario Monti, forçando a desistência da cidade.[8] Ao final do prazo, três cidades europeias (Madrid, Istambul e Bacu) e duas asiáticas (Tóquio e Doha) oficializaram a sua postulação.[9] Após seleção criteriosa do COI, foi anunciado, em 23 de maio de 2012, em um encontro em Quebec, no Canadá, que Istambul, Madri e Tóquio passariam de cidades postulantes para cidades candidatas.[10]

Eleição[editar | editar código-fonte]

O Comitê Olímpico Internacional (COI) convocou a eleição para selecionar a cidade-sede do torneio em 7 de setembro de 2013, durante a 125ª Sessão do Comitê Olímpico Internacional no Hilton Hotel em Buenos Aires, Argentina. Nenhuma cidade atingiu maioria absoluta dos votos no primeiro turno, terminando com Tóquio na primeira colocação, atingindo 45% dos votos válidos, e Madrid e Istambul empataram em segundo lugar com 27,5% dos votos válidos para cada. No turno de desempate, Istambul venceu com 52% dos votos válidos, passando para o segundo turno com Tóquio. Na votação final, Tóquio, foi selecionada com 60 votos favoráveis, correspondendo a 62% dos votos, enquanto Istambul conseguiu 36 votos.

Jogos da XXXII Olimpíada
125ª Sessão do Comitê Olímpico Internacional
7 de setembro de 2013, em Buenos Aires, Argentina.
2020 Olympic bidding nations and cities.png
Cidades que apresentaram alguma candidatura.
Países candidatos 1ª rodada Desempate[st] 2ª rodada
Japão Tóquio 42 (44,68%) 60 (62,5%)
Turquia Istambul 26 (27,66%) 49 (52,13%) 36 (37,5%)
Espanha Madri 26 (27,66%) 45 (47,87%) Eliminada
  • st. ^ Como houve empate entre Istambul e Madri, foi realizada uma votação extra para determinar qual cidade avançaria para a rodada seguinte.

Preparação[editar | editar código-fonte]

Centro Aquático

O governo de Tóquio reservou um fundo de 400 bilhões de ienes (14,2 bilhões de reais; 3,18 bilhões de euros) para cobrir o custo total dos Jogos. O governo japonês estuda a possibilidade de ampliar a capacidade de voos dos dois aeroportos internacionais de Haneda e Narita, para facilitar a circulação de aeronaves. Existem projetos da expansão das linhas que saem da Estação de Tóquio, reduzindo o tempo de viagem da entre a estação de Tóquio e Haneda de 30 para 18 minutos, e entre a estação de Tóquio e Narita de 55 para 36 minutos. Esta linha custaria cerca de quatrocentos bilhões de ienes e seria financiada principalmente por investidores privados. Porém, a East Japan Railway Company (JR-East) já estava planejando uma nova rota partindo da jarda de Minato para o Aeroporto de Haneda.[11] O financiamento também está previsto para acelerar a conclusão da Central Circular Route (C2), da Estação de Gaikan (C3) e da Ken-Ō Expressway (C4), além de reformar outras grandes vias expressas. Há também planos para estender a linha de aerotrem Yurikamome do seu terminal existente na Estação Toyosu para um novo terminal na Estação Kachidoki, passando pela Vila Olímpica.[12]

O Comitê Organizador dos Jogos é chefiado pelo ex-primeiro-ministro Yoshirō Mori.[13] Enquanto existe a Autoridade Pública Olímpica de Tóquio chefiada por Yoshitaka Sakurada.[14]

Respeitando uma das maiores tradições na realização de eventos de repercussão mundial no país, que é a demonstração de novas tecnologias desenvolvidas no país. Isso também aconteceu durante as três edições anteriores dos Jogos Olímpicos realizadas no país. Um outro caso notório foi a realização da Exposição Universal de 1970,que foi realizada em Osaka. Ao rever este histórico a principal empresa de telefonia do Japão, a NTT DoCoMo assinou um acordo com a finlandesa Nokia para a implementação de redes de internet 5G no país exclusivas para o evento.[15][16]

Segurança[editar | editar código-fonte]

Desde a invasão da Vila Olímpica durante os Jogos Olímpicos de Verão de 1972 por terroristas palestinos, a organização de cada uma das edições futuras dos Jogos Olímpicos passou a se preocupar a cada vez mais com a segurança dos atletas e do público em geral que está visitando a cidade-sede durante os Jogos.[17] Esta questão ainda é mais delicada para os japoneses, que guardam diversos traumas desde o ataque com gás sarin ao metrô da cidade em março de 1995 [18]. Como uma das consequências do Ataque em Abqaiq-Khurais de 2019 realizado na Arábia Saudita, em que drones controlados por rebeldes houtis do Iêmen despejaram explosivos em cima da refinaria do mesmo nome,[19] as autoridades japonesas proibiram o uso da tecnologia durante o revezamento da tocha olímpica e também durante os Jogos. A medida também serviu durante o período de realização Copa do Mundo de Rugby Union de 2019.[20]

Voluntários[editar | editar código-fonte]

As inscrições para o programa de voluntariado dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020 foram abertas no dia 26 de setembro de 2018 e foram encerradas no dia 18 de janeiro de 2019. Um total de 204,860 inscrições de todo o mundo foram recebidas pelo Comitê Organizador.[21] A primeira fase do treinamento dos voluntários aconteceu em fevereiro de 2019, enquanto que a fase final do treinamento foi realizada em outubro de 2019.[22] Os voluntários nos locais de competição serão chamados de Field Cast e os voluntários que estarão na cidade serão chamados de City Cast.[23]

Medalhas[editar | editar código-fonte]

Respeitando um das medidas propostas pela Agenda 2020 proposta pelo Comitê Olímpico Internacional em que é solicitado o uso de materiais alternativos para a fabricação de materiais institucionais dos Jogos, o Comitê Organizador de Tóquio anunciou em fevereiro de 2017, que estaria implementando um programa de reciclagem de eletrônicos em parceria com o Centro de Saneamento Ambiental do Japão e a a NTT DoCoMo. Com esta campanha, as empresas estavam solicitando doações de diversos produtos eletrônicos para serem usados como o material base para a produção das medalhas. A meta da campanha era a de conseguir mais de 8 toneladas de celulares. Postos de coletas foram colocados em diversos locais de grande circulação como rodoviárias, shoppings, supermercados, além das principais lojas da operadora.[24] Um concurso nacional foi aberto para a escolha do design das medalhas foi aberto em dezembro de 2017.[25]

Em maio de 2018, o Comitê Organizador anunciou que havia conseguido a quantidade necessária para a manufatura das medalhas de bronze (2,7 toneladas), mas que eles estavam com dificuldade para conseguir a quantidade de prata necessária. Embora a Carta Olímpica determine que as medalhas de prata e bronze sejam totalmente feitas de seus respectivos materiais, ela determina que as medalhas de ouro também sejam feitas de prata, mas banhadas a ouro.[26] A organização também anunciou que apesar das dificuldades de se conseguir a prata, as estimativas colocavam que a quantidade mínima para as medalhas seria atingida em março de 2019.[27]

Em 24 de julho de 2019, durante as celebrações da contagem regressiva de um ano dos Jogos, o design das medalhas foi revelado.[28][29] As medalhas foram desenhadas por Junichi Kawanishi e significam o big bang criado pela energia dos atletas até a sua conquista.[30]

Em 15 de julho de 2021, é anunciado que a entrega das medalhas não será realizada diretamente pelos presidentes de associações ligadas aos eventos presentes. Entre as mudanças na cerimônia do pódio, está a entrega das medalhas em uma bandeja, para que os próprios atletas coloquem em seus pescoços, além do uso obrigatório de máscara e luvas na cerimônia.[31]

Ingressos[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2019, foram anunciados os valores iniciais dos ingressos dos principais eventos dos jogos. Contrariando o que havia acontecido nas edições anteriores, os valores para os eventos masculinos eram maiores do que os valores dos eventos femininos. Os valores mais caros individualmente eram os dos eventos do beisebol/softbol, futebol, rugby, skate e basquetebol, onde as quartas de final masculinas custam até 54 mil de ienes (aproximadamente 2 038 reais; 373 euros), enquanto que no feminino custa até 18 mil ienes (aproximadamente 680 reais; 124 euros). No caso do basquetebol, a final feminina custa menos que a masculina, sendo que o fator principal é a presença confirmada dos astros da NBA. No beisebol/softbol, a diferença chega a 164%, enquanto a variação chega de 50% a 75% no rugby. No skate, o valor das competições femininas varia entre 4 000 a 8 000 ienes (equivalente a R$ 151,00 e R$ 302,00 e de € 27 a € 168), enquanto que no masculino vai de 5 500 a 11 500 ienes (entre R$ 208,00 e R$ 434,00 / € 113 e € 256). Em ambos os casos, os ingressos são válidos para as preliminares e final.[32] Em 15 de janeiro de 2020, o Comitê Organizador, apresentou para o público o visual dos ingressos. Os ingressos respeitam a identidade visual dos Jogos Olímpicos e estão baseados na palheta das cores tradicionais do Japão, chamada de "Kasane no Irome", esta palheta foi desenvolvida durante o Período Heian. Cada uma das cores escolhidas vermelho, azul, verde e roxo representa cada uma das quatro estações e também está relacionada a cada uma das zonas em que as competições serão realizadas.[33][34]

Tocha olímpica[editar | editar código-fonte]

Yoshirō Mori e Shinzō Abe com a tocha olímpica.

A cerimônia de acendimento da tocha olímpica aconteceu no dia 12 de março de 2020, no Templo de Hera, nas ruínas de Olímpia, na Grécia e a primeira fase do revezamento aconteceu por uma semana até o dia 19 de março, quando a fase grega do revezamento terminou no Estádio Panatenaico em Atenas, quando a chama foi entregue aos japoneses. Devido a Pandemia de COVID-19, ambas cerimônias foram realizadas sem público. Esta foi a segunda vez na história em que isto aconteceu. A única vez que isso aconteceu foi no cerimonial relativo aos Jogos Olímpicos de Verão de 1984, devido a divergências entre os membros do Comitê Olímpico Grego (HOC) e os americanos.[35] O roteiro elaborado pelo HOC estipulava que a perna local visitasse 15 prefeituras no país e parasse em 31 cidades, o que acabou não acontecendo,[36][37][38] devido as restrições estipuladas pela pandemia de coronavírus.[39] O cancelamento da parte grega se deu como consequência da aglomeração de pessoas causada pela presença do ator Gerard Butler que foi um dos portadores da tocha, quando ela estava passando pelas ruínas de Esparta.[40] Apesar dos rumores do cancelamento ou adiamento dos Jogos, a tocha tocou o solo japonês na manhã do dia 20 de março na Base Área de Matsushima e logo em seguida passaria uma semana visitando as áreas das prefeituras de Miyagi, Iwate e Fukushima que foram destruídas durante o Sismo e tsunami de Tohoku de 2011 em uma fase que estava sendo chamada de "Chama da Reconstrução". Porém, cinco dias mais tarde, foi anunciada a suspensão do revezamento por tempo indeterminado, motivada pelo adiamento dos Jogos. Mesmo assim, a chama permanecerá acesa na região até a data de reinício do revezamento que será posteriormente anunciada.[41] Os organizadores também anunciaram que a chama permanecerá acesa na cidade de Fukushima até que o revezamento possa recomeçar.[42] Em 25 de março de 2021,o revezamento começou em Fukushima sem a presença do público.[43]

Presença de público[editar | editar código-fonte]

Devido as medidas de restrição por conta da Pandemia de COVID-19, em 20 de março de 2021, a presidente do comitê organizador Seiko Hashimoto, decidiu que o evento não deverá contar com a presença de estrangeiros por conta dos temores quanto as variantes do SARS-COV-2, tendo a presença apenas do público local e de residentes. Quanto aos ingressos adquiridos, será atribuído um sistema de reembolso. O presidente do COI, Thomas Bach, anunciou que a decisão quanto ao número de espectadores nos locais de competição seriam definidos até o dia mais próximo da cerimônia de abertura, ou seja, 23 de julho.[44] No dia 21 de junho, ficou definido que os jogos devem acontecer com apenas 50% da capacidade total das arenas e estádios e um limite de 10 mil pessoas por sede.[45] No entanto, com o crescimento de casos da COVID-19 no Japão e a extensão do estado de emergência em Tóquio até o dia 22 de agosto, o comité organizador anunciou no dia 8 de julho a realização dos jogos sem a presença de espectadores pela primeira vez na história das olimpíadas na era moderna.[46]

Instalações[editar | editar código-fonte]

Durante a candidatura da cidade para os Jogos Olímpicos de Verão de 2016, diversos estudos demonstraram que o histórico Estádio Olímpico de Tóquio, estava defasado para os atuais padrões internacionais de arenas multiuso e havia a necessidade de sua demolição para a construção de um estádio mais moderno e dentro destes padrões, o que acabou não acontecendo, pois a cidade acabou perdendo o processo de seleção para a cidade do Rio de Janeiro, a realização do projeto acabou sendo cancelada em 2009. O plano de demolição do estádio foi reavivado em 2012, quando a cidade anunciou que estaria novamente se candidatando para os Jogos Olímpicos de Verão de 2020, a candidatura foi aceita com sucesso no ano seguinte, e por fim os Jogos Olímpicos voltariam ao Japão.[47] Como resultado da vitória, em janeiro de 2013, foi aberto um novo concurso de arquitetura internacional para o Novo Estádio Nacional. Dez meses depois, em novembro do mesmo ano, o Conselho Superior dos Esportes do Japão anunciou que um projeto da arquiteta iraquiana Zaha Hadid foi o escolhido para ocupar o lugar do estádio histórico.[48] No entanto, durante a fase de licitação para a obra, o primeiro-ministro japonês Shinzō Abe anunciou em julho de 2015 que o projeto de Hadid foi descartado devido aos custos altíssimos e a inviabilidade técnica do projeto, sendo aberto um novo concurso internacional para a escolha do projeto no outono de 2015, o projeto escolhido foi o do arquiteto local Kengo Kuma. No projeto vencedor do concurso o estádio teria arquibancadas modulares que permitiriam a sua capacidade variar entre 60 e 80 mil pessoas, além de ter custos reduzidos e ter características discretas nas quais o "skyline" da cidade não seria alterado. A proposta de Kuma ainda incluía a construção de diversas áreas seguindo os máximos padrões de sustentabilidade internacionais exigidos pela Agenda 2020 do Comitê Olímpico Internacional, como o aquecimento por energia solar e diversas áreas verdes em sua volta, além de 185 grandes ventiladores e oito pulverizadores, com o objetivo em diluir as condições climáticas na instalação. A madeira tratada é uma das principais protagonistas da instalação, onde estão ainda estruturas de mais de 2 000 m³ do material, que foi enviado de todo o Japão em alusão a comemoração de 1 300 anos da construção do Templo de Horyuji.[49] Dos 33 locais de competições planejados, 28 estão localizados a apenas 8 km da Vila Olímpica, enquanto que estão sendo construídos 11 novos locais.[50] A inauguração oficial do estádio aconteceu no dia 1º de Janeiro de 2020.[51]

Os jogos[editar | editar código-fonte]

Cerimônia de abertura[editar | editar código-fonte]

Drones formando o planeta terra durante a cerimônia
Queima de fogos após o acendimento da pira olímpica

A cerimônia teve início ás 20:00 (UTC+9) do dia 23 de julho de 2021 no Estádio Olímpico de Tóquio. O evento fez menção a Pandemia de COVID-19 com homenagens aos profissionais de saúde e as vítimas, relembrando todo o ciclo olímpico de Tóquio, desde a sua escolha até o adiamento dos jogos, com destaque na preparação e no esforço dos atletas. Questões como igualdade, equidade e diversidade foram os destaques na apresentação.[52] Repetindo a estratégia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, houve a apresentação de drones logo após o desfile das delegações, que enviaram um número reduzido de atletas, respeitando os protocolos sanitários.[53] A pira olímpica foi acessa pela atleta de tênis Naomi Osaka.[54]

Cerimônia de encerramento[editar | editar código-fonte]

Desfile das nações durante a cerimônia de encerramento

A cerimônia aconteceu ás 20:00 (UTC+9) do dia 8 de agosto de 2021 no Estádio Olímpico de Tóquio. Entre os eventos estão a apresentação de shows culturais, desfile das delegações, premiação dos atletas da maratona, premiação de destaques dos jogos olímpicos, a passagem da bandeira para o prefeito da próxima sede dos jogos olímpicos que será em Paris, contendo a apresentação da cultura francesa, bem como a execução de seu hino e o hasteamento de sua bandeira, além da extinção da tocha olímpica.[55]

Programa[editar | editar código-fonte]

Com o intuito de revisar o programa olímpico e abrir vaga para um novo esporte, o COI recomendou a exclusão do wrestling do programa previsto para os Jogos de 2020. O fato foi recebido com surpresa, já que a modalidade (que engloba as categorias Livre e Greco-Romana) esteve presente em todas as edições dos jogos modernos, incluindo sua prática nos Jogos Olímpicos da Antiguidade.

No entanto, a luta foi incluída em uma lista com outros sete esportes (beisebol/softbol, caratê, squash, esportes sobre rodas, escalada, wakeboard e wushu) para disputar a vaga restante no programa olímpico. No dia 29 de maio de 2013, o COI anunciou que o wrestling, beisebol/softbol e o squash continuavam como candidatos.[56]

Em 8 de setembro de 2013, na 125ª Sessão do COI, em Buenos Aires, na Argentina, o wrestling foi novamente incluído no programa olímpico não só para os Jogos de 2020, quanto para os de 2024. A modalidade garantiu 49 votos, contra 24 de Beisebol/Softbol e 22 do Squash.[57]

Além destas, em setembro de 2015, o Comitê Organizador dos Jogos apresentou pela primeira vez uma lista de cinco indicações para serem incluídos como esportes opcionais no programa: beisebol/softball, caratê, escalada esportiva, skate e o surf. A lista e a ideia seriam analisadas em uma reunião, que foi realizada dias antes da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016.[58] Assim, esses esportes foram aprovados para serem adicionados ao Programa Olímpico.[59] Em julho de 2017, houve a inclusão de mais um evento nos Jogos, o Basquetebol 3x3[60][61] ao mesmo tempo, também foi incluída mais uma prova ao BMX, o freestyle.[62]

Desta maneira o programa dos Jogos Olímpicos de Verão de 2020 está composto da seguinte forma:

Calendário[editar | editar código-fonte]

Todas as datas estão com a hora de Tóquio (UTC+9).

CA Cerimónia de abertura Competições desportivas 1 Medalhas de ouro EG Exibição de gala CE Cerimónia de encerramento
Julho 21
Qua
22
Qui
23
Sex
24
Sáb
25
Dom
26
Seg
27
Ter
28
Qua
29
Qui
30
Sex
31
Sáb
1
Dom
2
Seg
3
Ter
4
Qua
5
Qui
6
Sex
7
Sáb
8
Dom
Medalhas de ouro
Cerimônias (abertura / encerramento) CA CE
Atletismo 1 3 4 5 6 5 8 8 7 1 48
Badminton 1 1 1 2 5
Basquetebol Basquetebol 1 1 4
3-on-3 basketball pictogram.svg Basquetebol 3×3 2
Beisebol 1 1
Boxe 2 1 1 1 4 4 13
Canoagem Slalom 1 1 1 1 16
Velocidade 4 4 4
Caratê 3 3 2 8
Ciclismo Ciclismo de estrada 1 1 2 22
Ciclismo de pista 1 2 1 2 2 1 3
BMX 2 2
Bicicleta de montanha 1 1
Escalada esportiva 1 1 2
Esgrima 2 2 2 1 1 1 1 1 1 12
Futebol 1 1 2
Ginástica Artística 1 1 1 1 4 3 3 EG 18
Rítmica 1 1
Trampolim 1 1
Golfe 1 1 2
Halterofilismo 1 2 1 2 1 2 1 2 1 1 14
Handebol 1 1 2
Hipismo 2 1 1 1 1 6
Hóquei sobre a grama 1 1 2
Judô 2 2 2 2 2 2 2 1 15
Lutas 3 3 3 3 3 3 18
Natação 4 4 4 5 5 4 4 5 1 1 37
Natação artística 1 1 2
Pentatlo moderno 1 1 2
Polo aquático 1 1 2
Remo 6 4 4 14
Rugby sevens 1 1 2
Saltos ornamentais 1 1 1 1 1 1 1 1 8
Skate 1 1 1 1 4
Softbol 1 1
Surfe 4 2
Taekwondo 2 2 2 2 8
Tênis 1 1 3 5
Tênis de mesa 1 1 1 1 1 5
Tiro 2 2 2 2 2 1 2 2 15
Tiro com arco 1 1 1 1 1 5
Triatlo 1 1 1 3
Vela 2 2 2 2 2 10
Voleibol Voleibol de praia 1 1 4
Voleibol 1 1
Total medalhas ouro 11 18 21 22 23 17 21 21 25 22 24 17 27 23 34 13 339
Total acumulativo 11 29 50 72 95 112 133 154 179 201 225 242 269 292 326 339
Julho 21
Qua
22
Qui
23
Sex
24
Sáb
25
Dom
26
Seg
27
Ter
28
Qua
29
Qui
30
Sex
31
Sáb
1
Dom
2
Seg
3
Ter
4
Qua
5
Qui
6
Sex
7
Sáb
8
Dom
Medalhas de ouro

Participantes[editar | editar código-fonte]

Em 17 de dezembro de 2020, a Corte Arbitral do Esporte (CAS) proibiu a participação da Rússia em todos os eventos esportivos até 2022, após a condenação por manipulação de testes, inclusão de mostras falsas em testes antidoping e destruição de arquivos. Porém, os atletas classificados poderão participar dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, mas sem usar o nome ou o hino do país, sendo tratados como Atletas Olímpicos da Rússia (OAR), nome já usado nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, quando passou a valer a suspensão do país.[63][64]

Em 5 de abril de 2021, a Coreia do Norte anunciou que não irá enviar seus atletas aos Jogos de Tóquio, devido aos temores quanto a saúde dos atletas por conta da COVID-19. Inclusive, 16 atletas já haviam sido classificados. De acordo com a agência de notícias Reuters, a decisão foi tomada em uma reunião do Comitê Olímpico da Coreia do Norte em 25 de março, com a presença do ministro de esportes Kim Il Guk, segundo o site Joson Sports. Essa é a terceira vez na história que o lado norte coreano anuncia boicote a uma edição das olimpíadas, já que o mesmo também boicotou junto com Cuba a edição de 1988 que aconteceu em Seul e a edição de 1984 em Los Angeles, junto com países do lado soviético, em resposta ao boicote dos jogos de 1980 em Moscou, que ficava na então União Soviética.[65]

Em 22 de julho de 2021, foi a vez da Guiné anunciar que não irá mais participar dos Jogos por conta de casos positivos de COVID-19 entre membros de sua delegação, além da preocupação com os protocolos locais.[66]

Lista de equipes participantes (quantidade de atletas)

Mascotes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Miraitowa e Someity

Foi se aberto um concurso para a escolha dos mascotes e ambos deveriam contar com algum aspecto cultural do Japão. Durante o período da postulação, diversos personagens de anime foram escolhidos como embaixadores, sendo os mais notáveis: Doraemon, Pikachu e Goku. Quando Tóquio se tornou oficialmente uma cidade-candidata, este papel foi assumido por Doraemon. Em 7 de Dezembro de 2017, o Comitê Organizador anunciou que seria um casal de mascotes, um para os Jogos Olímpicos e outro para os Jogos Paralímpicos. Diferentemente das ações realizadas para os Jogos Olímpicos de Verão de 2016, eles foram escolhidos apenas por estudantes da educação básica. Dos 2.042 inscritos, foram selecionados 3 finalistas: o primeiro par, eventualmente escolhido, foi o de dois robôs na estética “ichimatsu” (mais conhecidos como os robôs das séries de super sentai) cuja pintura tem o mesmo padrão quadriculado presente na logomarca dos Jogos. O segundo era inspirado no maneki neko, o gato da boa sorte, e uma raposa comumente vista em santuários xintoístas. O terceiro representava uma raposa e um cachorro com um laço de ouro nas costas. Os mascotes foram anunciados em 28 de Fevereiro de 2018.[67] O designer Ryo Taniguchi desenvolveu dois super-heróis, nas cores azul e rosa, sendo caracterizados pela hospitalidade, com o azul baseado na cor azul (Konjō-iro) que simboliza a fidelidade, mascote dos Jogos Olímpicos, enquanto o baseado na cor rosa (Kōbai-iro) simboliza primavera, juventude e boa saúde, para os Jogos Paralímpicos.[68] Em 22 de Julho de 2018 foram revelados os nomes dos mascotes: o azul se chama Miraitowa e o rosa Someity[69] Miraitowa é a aglutinação das palavras "futuro" e "eternidade" em japonês.[69] Segundo os criadores, o personagem tem um forte senso de justiça e um super poder que o torna capaz de se mover para qualquer lugar instantaneamente. A mascote das Paralimpíadas, Someity, teve o nome derivado de "Someiyoshino", a principal espécie de cerejeira japonesa e uma adaptação da frase em inglês “I'm so mighty” (eu sou poderoso). Descrita como calma, mas forte quando necessário, ela tem como principal característica a telecinese.[69]

Quadro de medalhas[editar | editar código-fonte]

     País sede destacado

 Ordem  País    Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze GoldSilverBronze medals.svg Ordem
por total
1 Estados UnidosUSA Estados Unidos 39 41 33 113 1
2 ChinaCHN China 38 32 18 88 2
3 JapãoJPN Japão 27 14 17 58 5
4 Grã-BretanhaGBR Grã-Bretanha 22 21 22 65 4
5 ROCROC ROC 20 28 23 71 3
6 AustráliaAUS Austrália 17 7 22 46 6
7 Países BaixosNED Países Baixos 10 12 14 36 9
8 FrançaFRA França 10 12 11 33 10
9 AlemanhaGER Alemanha 10 11 16 37 8
10 ItáliaITA Itália 10 10 20 40 7
12 BrasilBRA Brasil 7 6 8 21 12
56 PortugalPOR Portugal 1 1 2 4 47
Outros países 129 143 196 468
TOTAL 340 338 402 1 080
Os demais países lusófonos não conquistaram medalhas.

Destaques[editar | editar código-fonte]

  • Pelo tiro com arco, a sul-coreana San An obteve 680 pontos, batendo o recorde no esporte que pertencia a ucraniana Lina Herasymenko, registrado nos Jogos Olímpicos de Verão de 1996. No remo, os franceses Hugo Boucheron e Matthieu Androdias fizeram o melhor tempo da história da competição com 6min10s45, porém foram superados pelos holandeses Melvin Twellaar e Stef Broenink com 6min08s38.[70]
  • No futebol feminino, os Países Baixos fizeram a maior goleada da história das olimpíadas num jogo contra a Zâmbia com um placar de 10 a 3 na estreia.[71] Este placar, porém, não é o de maior diferença de gols do vencedor para o perdedor na história olímpica. Este recorde ainda pertence à goleada de 8 a 0 da Alemanha sobre a China nos Jogos de 2004[72].
  • A delegação de Turcomenistão conquistou a primeira medalha da história desta nação. Coube à levantadora de peso Polina Guryeva, que logrou uma medalha de prata, esse feito[75].
  • No surfe, na categoria masculina, os primeiros medalhistas foram Ítalo Ferreira, Kanoa Igarashi e Owen Wright e pelo feminino foram Carissa Moore, Bianca Buitendag e Amuro Tsuzuki.[78] No entanto, a semifinal masculina virou alvo de controvérsias por parte de telespectadores e especialistas esportivos brasileiros e do próprio Gabriel Medina devido a uma nota dada ao japonês Kanoa Igarashi em uma das manobras na água, já que o adversário teria tocado na prancha e tirado 9.33, superando a nota de Medina que era de 9.00 pontos e teria feito a mesma manobra sem ter tocado na prancha.[79][80] O diretor técnico do surfe, Erik Krammer, negou qualquer tipo de fraude na rodada.[81]
  • Supostas denúncias de favorecimento a adversários, principalmente do Japão, começaram a circular nas redes sociais, sobretudo em rodadas decisivas do judô, boxe, surfe e skate. Além disso, a expulsão de Douglas Luiz aos 13 minutos de jogo no primeiro tempo contra a Costa do Marfim também foi questionada.[82]
  • A ginástica nessa edição ficou marcada pela desistência de Simone Biles, que decidiu focar em sua saúde mental, além de ter feito performances razoáveis. O tema passou a ser discutido frequentemente em vários esportes.[83]
  • Rebeca Andrade se torna a primeira ginasta brasileira a conquistar duas medalhas em uma mesma edição das olimpíadas, sendo uma prata no individual geral e o ouro nos saltos.[84]
  • A neerlandesa Sifan Hassan pegou uma queda durante a prova classificatória dos 1500m rasos no atletismo e surpreendeu ao conseguir terminar a prova em primeiro lugar.[85]
  • No Skate Park, as primeiras medalhistas na categoria feminina foram Sakura Yosozumi, Kokona Hiraki e Sky Brown.[86] No masculino, os primeiros medalhistas foram Keegan Palmer, Pedro Barros e Cory Juneau.[87]
  • A medalhista de prata no arremesso de peso Raven Saunders realizou um gesto usando os dois braços em forma de x, significando o encontro de todas as pessoas oprimidas. Tal ato foi visto como motivação política pelo Comité Olímpico Internacional (COI), que proibiu qualquer tipo de manifestação durante a cerimônia do pódio, passando a investigar a atleta e estudar uma punição.[88]
  • Quinn se torna a primeira medalhista transsexual da história dos Jogos Olímpicos após a inédita vitória do Canadá no futebol feminino.[89]
  • O italiano Gianmarco Tamberi e o quatariano Mutaz Essa Barshim decidiram dividir a medalha de ouro no salto em altura, após ambos empatarem com 2m37 na prova e errarem na primeira tentativa na rodada de desempate. Durante a premiação, a bandeira dos dois países foram hasteadas juntas no pódio e também houve a execução dos dois hinos. A medalha de bronze ficou com o Belarusso Maskim Nedasekau. A cena comoveu o mundo. Apenas nos Jogos Olímpicos de Verão de 1912 chegou a ter uma divisão da medalha de ouro, através dos atletas Jim Thorpe dos Estados Unidos e Ferdinand Bie da Noruega no pentatlo.[90]

Direitos de transmissão[editar | editar código-fonte]

A Torre de Conferência Big Sight de Tóquio que é usada como o complexo de imprensa

Nos Estados Unidos, os Jogos Olímpicos de Verão de 2020 serão novamente transmitidos pela NBC. Como parte de um acordo de 4,38 bilhões de dólares, que começou nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 e irá até os Jogos Olímpicos de Verão de 2032.[91] A entidade também fez uma versão do mesmo acordo para os direitos de televisão para o Brasil, no qual os Jogos terão transmissão exclusiva pelo Grupo Globo, como parte de um acordo que será vigente também até os Jogos Olímpicos de Verão de 2032.[92] No dia 4 de outubro de 2019, o Grupo Bandeirantes de Comunicação anuncia a aquisição dos direitos das transmissões das olimpíadas de Tóquio, porém através de um acordo de sub-licenciamento. A cobertura, no entanto, será realizada pelo canal de televisão por assinatura BandSports.[93]

Na Europa, estes serão os primeiros Jogos Olímpicos de Verão sob o recém criado acordo de direitos exclusivos pan-europeus do COI com a Discovery Communications, que se iniciou nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018. Este acordo irá cobrir quase toda a área da União Europeia de Radiodifusão, excluindo: Alemanha, Espanha, França, Itália, Reino Unido e a Rússia. A Discovery terá a cobertura de sub-licença para canais em sinal aberto em cada território. No Reino Unido, estes serão os últimos Jogos cujos direitos são integralmente pertencentes a BBC, embora, exista um acordo de sub-licenciamento que foi estendido Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 e aos Jogos Olímpicos de Verão de 2024, a Discovery detém os direitos de televisão paga exclusivamente para estes Jogos.[94][95][96][97]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Suborno e corrupção[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2016, a segunda parte de um relatório da Comissão da Agência Mundial Antidopagem (WADA) sobre corrupção incluiu uma nota de rodapé detalhando uma conversa entre Khalil Diack, filho da antiga Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) Presidente Lamine Diack e funcionários turcos do Istambul. Em julho e outubro de 2013 (antes e depois da premiação dos Jogos), Tóquio fez dois pagamentos bancários, totalizando uma empresa sediada em Cingapura conhecida como Black Tidings. A empresa está ligada a Papa Massata Diack, filho de Lamine Diack, que trabalhou como consultor de marketing para a IAAF, e está sendo perseguido pelas autoridades francesas sob alegações de suborno, corrupção e lavagem de dinheiro.[98] Em 19 de março de 2019, a Takeda renunciou ao JOC.[99] Em novembro de 2019, foi relatado que os documentos contábeis do comitê olímpico de Tóquio, detalhando mais de 900 milhões de ienes.[100]

Identidade visual[editar | editar código-fonte]

Logótipo do Teatro de Liège

O primeiro logotipo dos Jogos foi apresentado pelo Comitê Organizador numa cerimônia em Tóquio em julho de 2015. Criada pelo designer gráfico Kenjiro Sato, segundo os organizadores ela "refletia a natureza vibrante da cidade assim como o espírito acolhedor de seus habitantes".[101] Algumas acusações de plágio, porém, surgiram após a apresentação, especialmente do artista belga Olivier Debie, que afirmou que o desenho teria sido "plagiado" de uma criação anterior sua para o Teatro de Liége, na Bélgica, em 2013. Centrado numa grande letra "T" e com um círculo vermelho representando um coração batendo e similar à bandeira japonesa, o trabalho acabou sendo publicamente rejeitado em setembro, juntamente com as denúncias de possível plágio, pelo diretor-geral do Comitê Organizador, Toshio Muto, que anunciou que um novo projeto estava sendo desenvolvido.[102]

Em 24 de novembro de 2015, o Comitê Organizador, criou uma comissão para o novo projeto gráfico para os Jogos e um novo concurso foi aberto para todos os cidadãos japoneses residentes no país com mais de 18 anos, com a data limite de envio até 7 de dezembro do mesmo ano. O ganhador iria receber a quantia de um milhão de ienes, juntamente com os primeiros ingressos para as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020.[103][104][105] Em 8 de abril de 2016, uma nova lista de logótipos para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos foram revelados pela Comissão de Seleção;[103]

Os novos logotipos dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020 foram revelados em 25 de abril de 2016; desenhados por Asao Tokolo. Os dois assumem as formas de um anel em um padrão de xadrez com a cor índigo. Os desenhos "expressam a refinada elegância e sofisticação que representam o Japão".[106]

Pandemia de COVID-19 e os impactos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Pandemia de COVID-19

No dia 1º de dezembro de 2019, na cidade de Wuhan na República Popular da China surgiu uma doença, até então sem nome, ligada a um grupo de vendedores ambulantes que trabalhavam no Mercado de Frutos do Mar de Huanan. Neste mercado também eram vendidos diversos tipos de animais vivos.[107][108]

Nas investigações por parte de cientistas chineses, foi isolado o novo coronavírus. No dia 5 de fevereiro de 2020, os primeiros casos fora da China foram confirmados, sendo que o Japão confirmou 10 novos casos, aumentando o número total para 33 casos, advindos de um navio de cruzeiros que estava perto do Porto de Yokohama. Existiam mais de 3500 pessoas para fazer os testes relacionados a esta doença[109] No entanto, o número de casos de japoneses infectados pela doença foi aumentando de uma forma muito rápida dentro de um outro navio, o Diamond Princess, culminando na confirmação da primeira morte no país no dia 13 de fevereiro de 2020.[110] No mesmo dia, também foi confirmada a morte de uma mulher com idade aproximada de 80 anos, em um dos subúrbios de Tóquio, além da confirmação de dois taxistas infectados.[111] O aumento repentino no número de casos, levou a grande número de eventos com grande aglomeração de pessoas a serem imediatamente cancelados no país.[112] Com a repercussão internacional dos casos da doença, o candidato a prefeito de Londres, Shaun Bailey, argumentou que Londres seria uma boa opção para sediar os Jogos Olímpicos de 2020, caso acontecesse uma eventual desistência japonesa. Contrariada, a governadora de Tóquio, Yuriko Koike criticou o comentário de Bailey, sob a alegação de ser "inapropriado".[113][114] Mesmo assim, com crescentes boatos de cancelamento e de um eventual adiamento dos jogos devido a pandemia, as datas previstas para os Jogos foram mantidas.[115]

Alguns dias mais tarde em 12 de março, aconteceu conforme o planejado pelas autoridades gregas a cerimônia de acendimento da tocha olímpica nas ruínas do Templo de Hera, em Olímpia, na Grécia. Porém, ao contrário dos anos anteriores, o público de diversas partes do mundo não estava presente devido a proibição da realização de eventos com grande público no país. Cabe ressaltar, que esta foi apenas a segunda vez na história em que apenas as autoridades e um grupo reduzido de jornalistas estavam no local. Até então apenas a cerimonia relativa aos Jogos Olímpicos de Verão de 1984, havia sido realizada desta forma, como resultado de uma desavença entre o Comitê Olímpico Grego e as autoridades americanas[116][35] Com isso, a parte grega do revezamento aconteceria por uma semana até o dia 19 de março, quando a cerimônia da entrega aconteceu no Estádio Panatenaico em Atenas.[117] O roteiro elaborado pelo Comitê Olímpico Grego estipulava que a perna local visitasse 15 prefeituras no país e parasse em 31 cidades, o que não aconteceu,[118][119][120] devido as restrições estipuladas pela pandemia de coronavírus.[121] O cancelamento da parte grega se deu como consequência da aglomeração de pessoas causada pela presença do ator Gerard Butler que foi um dos portadores da tocha, quando ela estava passando pelas ruínas de Esparta.[40]

Em 20 de março de 2020, a Confederação dos Esportes e Comitê Olímpico e Paralímpico Norueguês enviou uma carta ao Comitê Olímpico Internacional solicitando o adiamento dos Jogos Olímpicos para 2021, já que existe a possibilidade que até lá a pandemia esteja controlada. Pedidos de adiamento também vieram dos Comitês Olímpicos Nacionais da Espanha e da Itália, sob as alegações de que os seus atletas não estariam em condições de competir em igualdade com os de outros países.[122] Outros pedidos também vieram do Brasil, além das Federações de Atletismo e Natação dos EUA. Dois dias mais tarde foi a vez do Comitê Olímpico Canadense (COC) anunciar que caso os Jogos Olímpicos fossem realizados em suas datas iniciais, o país iria boicotar o evento. Também no mesmo dia foi revelado que o Comitê Olímpico da Austrália (AUSOC) estava adiantando a preparação de atletas para o evento em 2021[123] No mesmo dia, a Associação Olímpica Britânica também anunciou que também boicotaria os Jogos, sob os mesmos argumentos dos canadenses.[124] A pressão também veio por parte de diversos Comitês Paralímpicos Nacionais como foi o caso do Comitê Paralímpico Brasileiro que enviou uma solicitação do adiamento dos jogos para o Comitê Paralímpico Internacional (IPC).[125]

Na noite do dia 23 de março de 2020, o membro mais antigo do COI, o advogado canadense Dick Pound, revelou de forma informal que a decisão sobre o adiamento dos Jogos, já havia sido tomada.[126]

Na manhã do 24 de março de 2020, por meio de um comunicado oficial expedido de forma conjunta pelo COI e pelo primeiro-ministro japonês, Shinzō Abe, que os Jogos Olímpicos de Verão de 2020 estavam sendo adiados para no máximo o verão de 2021. Abe alegou que acabou cedendo a pressão internacional e comunicou a decisão ao presidente do COI, o alemão Thomas Bach em uma videoconferência, a Bach, coube apenas acatar a decisão.[127] Quanto ao nome do evento, ele não sofrerá nenhuma alteração, sob os termos dos contratos de patrocínio assinados tanto pela organização do evento quanto o COI.[128] Por coincidência, os Jogos Olímpicos de Verão de 1940 também aconteceriam em Tóquio, mas devido a tensão antes da Segunda Guerra Mundial entre Japão e China através de uma luta armada entre os dois países, os jogos foram transferidos para Helsinque na Finlândia, até serem cancelados.[129]

Em 21 de janeiro de 2021, uma reportagem do jornal britânico The Times, teria dito que o governo japonês pretende abrir mão da realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos em julho por conta da alta no número de casos da COVID-19 e que estaria pensando em se candidatar para sediar os jogos em 2032.[130] Em uma pesquisa recente divulgada pela emissora NHK, 77% da população japonesa defende um novo adiamento ou cancelamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, enquanto que apenas 16% da população defende a realização dos jogos.[131]

Após a publicação da reportagem do The Times, o membro brasileiro do COI, o medalhista do vôlei Bernard Rajzman, disse que na pauta da reunião do dia 22 não está nenhuma decisão de cancelamento das Olimpíadas e sim da forma que elas serão realizadas em julho. Ele também disse que as Olimpíadas acontecerão "de qualquer jeito". Mais cedo, em entrevista ao jornal Kyodo News, o presidente do COI Thomas Bach disse que "não há um plano B". Também não foram descartadas a ideia das competições acontecerem sem a presença do público.[132][133] Em carta aberta na reunião com os 206 Comités Olímpicos Nacionais (CONs), o presidente Yusuhiro Yamashita garante a realização das Olimpíadas, seguindo todos os protocolos de segurança necessários.[134]

Em 2 de fevereiro de 2021, o então presidente do Comitê Organizador Tóquio 2020, Yoshiro Mori, disse que as olimpíadas irão acontecer "independentemente do cenário da Pandemia", como uma tentativa de encerrar os boatos sobre o cancelamento dos jogos, previstos para julho. A declaração foi dada no mesmo dia que o governo japonês prorrogou o estado de emergência em Tóquio e em dez cidades japonesas. O primeiro ministro do Japão, Yoshihide Suga, afirmou que o governo pretende vacinar a população em meados de fevereiro.[135] Em 14 de fevereiro, o Japão aprova o uso emergencial da vacina Tozinameran, da Pfizer com a BioNTech.[136] No dia 17, é iniciada a campanha de vacinação, sendo o último país desenvolvido a começar a vacinar sua população contra a COVID-19, começando com os profissionais de saúde, seguindo com idosos de 65 anos ou mais.[137]

Em 11 de março de 2021, o presidente do COI, Thomas Bach, afirmou que a República Popular da China ofereceu vacinas para todos os atletas e organizadores, tanto dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2021, quanto para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Inverno de 2022, que serão em Pequim, capital chinesa. As doses, não informadas, estarão disponíveis até o dia 7 de abril, que é comemorado o Dia Mundial da Saúde.[138] Países como a Coreia do Sul também deram início a vacinação com atletas.[139]

Em 17 de maio de 2021, sob mais oposição a realização dos jogos, a Associação de Praticantes Médicos de Tóquio lançou uma petição em carta aberta data no dia 14 de maio, pressionando o governo japonês a cancelar as olimpíadas, reunindo mais de 350 mil assinaturas em esfera global.[140] Outras pressões também vieram por meio de empresários japoneses, pedindo o cancelamento.[141] Apesar do crescente movimento contrário a realização das olimpíadas, o COI anunciou no dia 22, que os jogos acontecerão, mesmo que Tóquio entre em estado de emergência.[142]

Em 26 de maio de 2021, o jornal japonês e principal patrocinador dos Jogos Olímpicos, o periódico Asahi Shimbun, publicou um editorial pedindo o cancelamento da realização dos jogos após o crescimento de movimentos de oposição e pela preocupação quanto ao número de casos de COVID-19 pelo mundo.[143] O líder do sindicato dos médicos do Japão, Naoto Ueyama, anunciou em entrevista no dia 27, que a realização dos jogos, mesmo em estado de emergência, poderia ocasionar num surgimento de uma nova variante do SARS-CoV-2, chamada de variante olímpica, já que o evento costuma reunir mais de 200 milhões de pessoas. Até então, existem quatro linhagens responsáveis pelo maior número de infecções em curso, sendo elas a B.1.1.7 (originada no Reino Unido), 501.V2 (originada na África do Sul), P.1 (originada no Brasil) e B.1.617 (originada na Índia).[144]

Declarações polêmicas de organizadores[editar | editar código-fonte]

Durante uma reunião no dia 3 de fevereiro de 2021, o então presidente do Comitê Organizador Yoshiro Mori, disse que as mulheres competem em reuniões para falar mais e que são irritantes. Ele também teria dito que tem oito mulheres no Comitê Organizador, mas que "elas sabem ficar no seu lugar". A fala foi registrada pelo jornal japonês Asahi Shimbun e gerou grande repercussão negativa por órgãos internacionais e dos principais patrocinadores dos jogos de Tóquio, sendo eles da Toyota e Panasonic.[145] No dia 11 de fevereiro, a TV japonesa NHK informou que Mori pediu renúncia do cargo de presidente, após a fala polêmica na reunião do dia 3,[146] sendo confirmado pelo Comitê Olímpico Internacional e pelo então ministro no dia 12 em uma coletiva de imprensa. Com a renúncia de Mori, um dos nomes mais cotados pela sua sucessão na presidência é a da Ministra dos Jogos Olímpicos de Tóquio e medalhista olímpica Seiko Hashimoto. A escolha da ex-ciclista e ex-patinadora, seria uma resposta as falas machistas de Mori, segundo a organização.[147][148]

Em 18 de fevereiro, Seiko aceita o convite e é confirmada como a nova presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio. Ela concorria com o ex-presidente da Associação Japonesa de Futebol, Saburo Kawabuchi.[149]

Em 17 de março de 2021, novamente a organização dos jogos é alvo de polêmicas. Desta vez, o diretor-executivo de criação dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, Hiroshi Sasaki, anunciou renuncia do cargo após um comentário polêmico sobre a famosa atriz e humorista japonesa Naomi Watanabe. De acordo com a revista Shukan Bunshun, o diretor teria proposto uma ideia de que a atriz desceria do céu durante a cerimônia de abertura vestida de porco, além de mostrar a língua. A ideia seria fazer um trocadilho com a palavra "Olympics", que seria satirizada como "Olympig". O comentário gerou um mal estar entre a organização dos jogos.[150]

Em 26 de maio, o assessor do primeiro-ministro Yoshihide Suga, Yoichi Takahashi, pediu demissão após zombar de movimentos contrários a realização das olimpíadas. Em uma postagem no Twitter, no dia 8, o professor comparou o crescimento de casos de COVID-19 no Japão a "uma ondulação".[151]

Na véspera da cerimônia oficial de abertura, no dia 22 de julho de 2021, o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio anunciou a demissão do diretor artístico Kentaro Kobayashi, após ser divulgado pela mídia local um vídeo de 1998 do diretor em um programa de televisão fazendo piada com o holocausto, além de ridicularizar apresentadores infantis. Três dias antes, o compositor de uma das canções de abertura Keigo Oyamada, pediu demissão por admitir que fez piada envolvendo deficientes físicos quando ainda era estudante.[152]

Problemas com o simbolismo japonês[editar | editar código-fonte]

O governo da Coreia do Sul pediu ao Comitê Olímpico Internacional, para banir a Bandeira do Sol Nascente,um dos principais símbolos nacionais do país, sob a alegação de que ela é o símbolo do passado imperialista do Japão. Os sul-coreanos estavam argumentando que a bandeira é o equivalente asiático a suástica.[153][154][155]

Novamente, autoridades sul-coreanas contestaram o mapa do revezamento da tocha no site oficial dos Jogos, que mostrava os Rochedos de Liancourt, que pertence ao mar territorial da Coreia do Sul. As reclamações também vieram por parte das autoridades russas, com a exibição no mesmo mapa das Ilhas Kurilas, território perdido pelo Japão no final da Segunda Guerra Mundial, desde então pertencente ao Oblast de Sacalina.[156]

Preocupações com o clima[editar | editar código-fonte]

Durante o processo de candidatura a cidade minimizou as suas condições climáticas durante o período escolhido para os Jogos "Com muitos dias de clima ameno e ensolarado, esse período fornece um clima ideal para os atletas terem o melhor desempenho". No entanto, se esperava que Tóquio 2020 fosse a Olimpíada mais quente de todos os tempos, superando as temperaturas registradas durante os Jogos Olímpicos de Verão de 2004, realizados em Atenas e os Jogos Olímpicos de Verão de 1992, realizados em Barcelona. Segundo cientistas, as altas temperaturas seriam registradas, devido as ilhas de calor urbano registradas na cidade e também pelas mudanças climáticas somadas ao fato do Japão ser um país de clima temperado.[157][158]

Em outubro de 2019, o Comitê Olímpico Internacional anunciou que existiam planos para a transferência das provas da marcha atlética e da maratona para a cidade de Sapporo, localizada a mais de 800 quilômetros ao norte de Tóquio, em uma tentativa de evitar o calor. A cidade está localizada em uma das zonas que anualmente registram as maiores quantidades de neve do mundo a cada ano e também foi a primeira cidade do país a sediar os Jogos Olímpicos de Inverno em 1972. Contrariado com a decisão, o governo metropolitano de Tóquio se opôs fortemente à decisão do COI, sugerindo que a maratona tivesse a largada marcada para as 5h da manhã, enquanto os cidadãos de Tóquio ficaram bravos com a decisão, os habitantes de Sapporo estavam comemorando. Em outubro de 2019, o deputado japonês, Shigefumi Matsuzawa, enviou uma carta pública para o COI, sob a alegação de que o Kasumigaseki Golf Club, também teria condições extremas de calor durante o período dos Jogos. O local está localizado a apenas 50km de Tóquio. Na carta, Matsuzawa também pedia a transferência do local para a ilha de Hokkaido para evitar a situação.[159][160][161]

A preocupação com as temperaturas dentro dos locais de competição foi evidente. Um exemplo claro disto foi o projeto do Novo Estádio Nacional de Tóquio que foi construído sem ar-condicionado. Todavia, a área coberta do estádio atinge todas as cadeiras.[162]

Qualidade da água[editar | editar código-fonte]

Uma das reclamações mais constrangedoras foi a da qualidade da água localizada na jarda de Odaiba, local das provas de triatlo. Em testes prévios aos eventos-testes foram registradas quantidades altíssimas de coliformes fecais.[163][164]

Em 17 de agosto de 2019, uma das provas da Copa do Mundo de Triatlo que estava marcada para a região foi cancelada, devido a uma alta concentração de bactérias Escherichia coli na água. No mesmo mês alguns triatletas que competiram no evento mundial de revezamento misto de triatlo no parque reclamaram do mau cheiro da água, dizendo que "cheirava a um banheiro". Os cientistas também pediram aos organizadores olímpicos que abandonassem o local. No mesmo mês, reclamações também vieram dos atletas que estavam competindo em uma das etapas da Copa do Mundo de Maratona Aquática também realizada na região, encabeçados pelo campeão olímpico Oussama Mellouli expressaram suas preocupações com a temperatura, o odor e a clareza da água. A temperatura da água durante o evento foi de 30,9 °C (87,6 °F), quase dentro da faixa aceitável para competições oficiais da FINA: 16–31 °C (61–88 °F).[165]

Em dezembro de 2019, a treinadora da equipe olímpica de águas abertas dos Estados Unidos, Catherine Kase, e a Associação Americana de Treinadores de Natação (ASCA) pediram de forma formal a transferência das provas de maratona aquática para "águas mais tranquilas". No pedido existe a alegação de que os atletas "não estão se sentindo confortáveis em Odaiba", a equipe americana pediu ainda um "plano B" para organizadores. Segundo alguns membros da equipe, as reclamações não foram ouvidas por parte dos organizadores.[166]

Presença de amianto nos locais de competição[editar | editar código-fonte]

Em 2017, altos índices de amianto, uma substância proibida em diversos países do mundo, foram registrados no teto do Centro Internacional de Natação de Tatsumi, que servirá como sede secundária dos torneios de polo aquático.[167][168] Logo em seguida, o Governo Metropolitano de Tóquio minimizou a situação, argumentando que uma pequena quantidade do material foi queimada durante um dos testes de segurança contra incêndios no teto da arena da natação, situada ao lado. Porém, em 2019, quantidades maiores do material foram registradas e os organizadores decidiram tomar medidas de segurança no local.

Direitos trabalhistas[editar | editar código-fonte]

Em 2017, foi registrado o suicídio de um operário que trabalhava na construção do novo estádio olímpico ,segundo os investigadores da polícia de Tóquio, a principal causa seria o "overwork" na construção do estádio[169] Os registros trabalhistas do homem de 23 anos, que era encarregado do controle de qualidade dos materiais em um dos canteiro de obras do estádio registraram 211 horas e 56 minutos de horas extras em um mês antes de se matar em março.[169][170] No final de setembro, os fiscais do trabalho, encontraram excesso de horas extras ilegais em trabalhadores de 40 empresas contratadas, em 18 destas existiam funcionários com horas extras registradas que passavam de mais de 80 horas mensais, e vários deles excedendo 150 horas.[169] De acordo com um relatório da International and Wood Workers (IBW) sobre segurança do trabalhador, existe a argumentação de que tanto tempo de trabalho pode causar "padrões perigosos". Os fiscais ainda encontraram casos de trabalho por 28 dias consecutivos, além de diversos imigrantes ilegais trabalhando nas obras. Durante o processo de investigação, foram colhidos diversos relatos de que os estrangeiros foram coagidos a não denunciar as condições extremas de trabalho, e que alguns deles foram forçados a comprar seu material de segurança pessoal.[171]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Olympic flag.svg

Portal dos Jogos Olímpicos

Referências

  1. «Tóquio revela o slogan dos Jogos Olímpicos». Globoesporte.com. 17 de fevereiro de 2020. Consultado em 16 de maio de 2021. Intuito do slogan é mostrar que o esporte tem o poder de conectar diferentes pessoas na era digital. Tenista japonesa Naomi Osaka foi a estrela do vídeo de divulgação 
  2. (em francês: Jeux de la XXXIIème olympiade)
  3. «Em decisão inédita, Jogos Olímpicos de Tóquio são adiados para 2021». Folha de S.Paulo. 20 de julho de 2020. Consultado em 15 de julho de 2021. Cópia arquivada em 20 de março de 2020 
  4. «Jogos Olímpicos: Japão e COI anunciam adiamento para 2021». O Globo. Consultado em 15 de julho de 2021. Cópia arquivada em 20 de março de 2020 
  5. «Japão e COI acertam adiar Jogos Olímpicos por um ano». Valor. Consultado em 15 de julho de 2021. Cópia arquivada em 20 de março de 2020 
  6. «Olimpíadas de Tóquio têm nova data: 23 de julho a 8 de agosto de 2021». Globo Esporte. Consultado em 15 de julho de 2021 
  7. «2020 Bid Process launched» (em inglês). Comitê Olímpico Internacional (COI). Consultado em 28 de maio de 2011 
  8. «Governo italiano não apóia candidatura olímpica de Roma». Paraná Online. Consultado em 14 de fevereiro de 2012 
  9. «Com Tóquio e Madri, COI anuncia candidatos à sede dos Jogos de 2020». Terra Brasil. Consultado em 3 de agosto de 2011 
  10. «COI anuncia cidades candidatas às Olimpíadas de 2020». BBC Brasil. Consultado em 12 de junho de 2012 
  11. «羽田・成田発着を拡大、五輪へインフラ整備急ぐ». 日本経済新聞. 10 de setembro de 2013. Consultado em 10 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2013 
  12. «五輪で東京に1000万人 過密都市ゆえの課題多く». 日本経済新聞. 10 de setembro de 2013. Consultado em 10 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2013 
  13. PST (24 de janeiro de 2014). «Mori heads Tokyo 2020 organizing committee». Sports.yahoo.com. Consultado em 4 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2014 
  14. «List of Ministers (The Cabinet) | Prime Minister of Japan and His Cabinet». japan.kantei.go.jp (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2018 
  15. «Nokia, NTT DoCoMo prepare for 5G ahead of Tokyo Olympics launch». 2 de março de 2015. Consultado em 20 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2018 – via Reuters 
  16. «Nokia wins 5G business with Japan's NTT DoCoMo - FierceWireless». www.fiercewireless.com. Consultado em 20 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2018 
  17. «Israelenses mortos no atentado de Munique em 1972 são homenageados». 14 de agosto de 2016. Consultado em 15 de julho de 2021 
  18. G1 > Mundo - NOTÍCIAS - Japão condena à forca mentor de ataque com gás no metrô Obtido em 25 de outubro de 2009 (em português)
  19. Said, Summer; Malsin, Jared; Donati, Jessica (14 de setembro de 2019). «U.S. Blames Iran for Attack on Saudi Oil Facilities» (em inglês). The Wall Street Journal. Consultado em 14 de setembro de 2019 
  20. Diamond, James (15 de dezembro de 2018). «Japanese Government announce ban on drones near venues during Tokyo 2020». Inside the Games. Consultado em 15 de julho de 2021 
  21. «More than 200,000 applications received for Tokyo 2020 Volunteer Programme». Olympics. Consultado em 15 de julho de 2021 
  22. «Tokyo 2020: 180,000 apply to be volunteers». 9 de junho de 2019. Consultado em 15 de julho de 2021 
  23. «Volunteer names unveiled for Tokyo 2020». 30 de janeiro de 2019. Consultado em 15 de julho de 2021 
  24. Palmer, Dan (1 de fevereiro de 2017). «Tokyo 2020 urge public to help create recycled medals». Inside the Games. Consultado em 15 de julho de 2021 
  25. Etchells, Daniel (22 de dezembro de 2017). «Tokyo 2020 launches Olympic and Paralympic medal design competition». insidethegames.biz. Consultado em 10 de fevereiro de 2019 
  26. «Japan struggles for silver for Tokyo 2020 medals». insidethegames.biz. Consultado em 10 de fevereiro de 2019 
  27. Pavitt, Michael (25 de novembro de 2018). «Bach donates to project recycling metals for Tokyo 2020 medals». insidethegames.biz. Consultado em 10 de fevereiro de 2019 
  28. «Tokyo 2020 Olympic medal design unveiled». 24 de julho de 2019. Consultado em 15 de julho de 2021 
  29. «Tokyo 2020 Olympic Medal Design». Consultado em 15 de julho de 2021 
  30. Hitti, Natashah (25 de julho de 2019). «Olympic committee unveils 2020 medals made from recycled smartphones». Dezeen. Consultado em 26 de julho de 2019 
  31. «Significant changes to Olympic Games Tokyo 2020 Victory Ceremonies to respect COVID-19 countermeasures - Olympic News». International Olympic Committee (em inglês). 15 de julho de 2021. Consultado em 15 de julho de 2021 
  32. «Toquio-2020 cobra menos para ingressos de provas femininas». Folha de S.Paulo. 21 de setembro de 2019. Consultado em 17 de janeiro de 2020 
  33. «Tóquio revela visual dos ingressos das Olimpíadas de 2020». Globoesporte.com. Consultado em 17 de janeiro de 2020 
  34. «Tóquio 2020 apresenta ingressos olímpicos inspirados em kimonos». Terra. Consultado em 17 de janeiro de 2020 
  35. a b «Official Report of the Games of the XXIII Olympiad, Los Angeles, 1984» (PDF). Los Angeles Olympic Organizing Committee. 8 de outubro de 2013 
  36. «Olympics: Tokyo Games flame to pass historic landmarks in Greece». Kyodo News. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 16 de maio de 2021 
  37. Kampouris, Nick (25 de fevereiro de 2020). «Tokyo 2020: Details of Olympic Flame Ceremonies in Greece Revealed». Greek Reporter. Consultado em 16 de maio de 2021 
  38. «Αρχισε το ταξίδι της Ολυμπιακής Φλόγας». hoc.gr. 12 de março de 2020. Consultado em 16 de maio de 2021 
  39. «Olympic torch relay in Greece suspended due to virus fears». Kyodo News. 14 de março de 2020. Consultado em 16 de maio de 2021 
  40. a b El-Mahmoud, Sarah (13 de março de 2020). «Watch Gerard Butler Go Full On 300 In Sparta». CINEMABLEND. Consultado em 16 de maio de 2021 
  41. «Com Olimpíadas e Paralimpíadas em 2021, revezamento da tocha olímpica é adiado no Japão». globoesporte.com. Consultado em 25 de março de 2020 
  42. «IOC PRESIDENT: "THE OLYMPIC FLAME CAN BECOME THE LIGHT AT THE END OF THIS DARK TUNNEL"». olympic.org. Consultado em 25 de março de 2020 
  43. «Após adiamento, Revezamento da Tocha Olímpica para os Jogos de Tóquio inicia nesta quinta - Surto Olímpico». www.surtoolimpico.com.br. Consultado em 24 de março de 2021 
  44. «Olimpíadas de Tóquio não terão espectadores do exterior devido à pandemia de Covid-19». noticias.uol.com.br. Consultado em 21 de março de 2021 
  45. «Olimpíada de Tóquio terá limite de 10 mil espectadores por sede». www.uol.com.br. Consultado em 22 de junho de 2021 
  46. «Japão bate o martelo e Olimpíadas não terão público - 08/07/2021 - UOL Olimpíadas». www.uol.com.br. Consultado em 8 de julho de 2021 
  47. «Super Bowl Ads; Japan National Stadium Upgrade; Contador Banned» 
  48. «Notice». Consultado em 19 de agosto de 2016. Arquivado do original em 19 de abril de 2013 
  49. Himmer, Alastair (17 de julho de 2015). «Japan rips up 2020 Olympic stadium plans to start anew». news.yahoo.com. AFP. Consultado em 17 de julho de 2015 
  50. «Tokyo 2020 candidature file – section 8 – Sports and Venues» (PDF). Tokyo 2020. Consultado em 10 de setembro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 5 de abril de 2013 
  51. País, El (25 de dezembro de 2019). «Galeria de fotos: O novo estádio olímpico de Tóquio para os Jogos de 2020, em imagens». EL PAÍS. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  52. Nunes', 'Maíra. «Cerimônia de Abertura das Olimpíadas de Tóquio foca em mais um recomeço». Esportes. Consultado em 23 de julho de 2021 
  53. «Jogos de Tóquio são abertos com dignidade e elegância que a pandemia exige». VEJA. Consultado em 23 de julho de 2021 
  54. «Pira olímpica é acesa, e Olimpíada de Tóquio está oficialmente aberta». R7.com. 23 de julho de 2021. Consultado em 23 de julho de 2021 
  55. «Quando acaba as Olimpíadas 2021: veja a data da cerimônia final». DCI. 30 de julho de 2021. Consultado em 31 de julho de 2021 
  56. Estadão (12 de fevereiro de 2013). «Comitê Olímpico Internacional retira luta dos Jogos de 2020 - Information for the Media». Consultado em 10 de setembro de 2013 
  57. Terra (12 de fevereiro de 2013). «Luta Olímpica volta aos Jogos de 2020 - Information for the Media». Consultado em 10 de setembro de 2013 
  58. «Tóquio-2020 recomenda lista que inclui surfe e skate na Olimpíada». Veja. Consultado em 28 de setembro de 2015 
  59. O Tempo (12 de fevereiro de 2013). «Cinco novas modalidades serão incluídas nas Olimpíadas em Tóquio 2020». Consultado em 3 de agosto de 2016 
  60. «Basquete 3x3 é incluído nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 - Gazeta Esportiva». www.gazetaesportiva.com. Consultado em 4 de fevereiro de 2018 
  61. «Basquete 3x3 é confirmado na Olimpíada de Tóquio-2020». globoesporte.com 
  62. «COI inclui basquete 3x3 e BMX freestyle nos Jogos de Tóquio-2020». Folha de S.Paulo 
  63. «Rússia é banida da Olimpíada de Tóquio e da Copa do Mundo de 2022». Poder360. 17 de dezembro de 2020. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  64. «CASDECISION IN THE ARBITRATION WADAV.RUSADA» (PDF). Corte Arbitral do Esporte (CAS). 17 de dezembro de 2020 
  65. «Coreia do Norte anuncia que não vai participar das Olimpíadas de Tóquio, diz agência». Globoesporte.com. 5 de abril de 2021. Consultado em 11 de abril de 2021 
  66. «Guiné desiste de participar dos Jogos em Tóquio por causa da pandemia da COVID-19». IstoÉ. 22 de julho de 2021. Consultado em 22 de julho de 2021 
  67. «Tóquio 2020 divulga mascotes finalistas; estudantes vão definir dupla oficial». Globoesporte 
  68. «Elegidos por estudantes, mascotes dos Jogos de 2020 são anunciados no Japão». GazetaEsportiva.com. 28 de fevereiro de 2018. Consultado em 23 de julho de 2018 
  69. a b c «Tóquio revela nomes oficiais de mascotes dos Jogos Olímpicos de 2020». Estadão. 22 de julho de 2018. Consultado em 23 de julho de 2018 
  70. «Olimpíadas 2020: Recorde pulverizado, calor e protestos». CNN Brasil. Consultado em 25 de julho de 2021 
  71. «Holanda estreia nas Olimpíadas com goleada histórica sobre a Zâmbia». bolavip.com. Consultado em 25 de julho de 2021 
  72. Próxima adversária do Brasil, Holanda estreia nas Olimpíadas com goleada histórica sobre Zâmbia: 10 a 3
  73. «Kelvin Hoefler é prata no skate e conquista primeira medalha do Brasil em Tóquio 2020». Olympics. Consultado em 25 de julho de 2021 
  74. «Rayssa Leal brilha e leva medalha de prata na final do skate feminino». UOL. Consultado em 26 de julho de 2021 
  75. Weightlifter Guryeva wins Turkmenistan’s 1st Olympic medal
  76. «Atleta do levantamento de peso se emociona com primeiro ouro da história olímpica de Filipinas». ge.com. Consultado em 26 de julho de 2021 
  77. «Triatlo tem ouro histórico de Bermudas; Brasil é 28º e 32º». Terra. Consultado em 26 de julho de 2021 
  78. «Italo Ferreira conquista primeiro ouro do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio». ge. Consultado em 27 de julho de 2021 
  79. «Foi roubado? Especialistas analisam manobras semelhantes de Gabriel Medina e Igarashi; compare em vídeo». Lance. Consultado em 27 de julho de 2021 
  80. «Juiz brasileiro diz que não teve roubo, mas acha que Medina ganhou bateria». UOL. Consultado em 27 de julho de 2021 
  81. «Olimpíada: Diretor técnico do surfe diz que Medina não foi prejudicado na semifinal: 'Resultado está certo'». O Globo. Consultado em 27 de julho de 2021 
  82. «Injustiçado? Torcedores reclamam de arbitragem nos Jogos Olímpicos de Tóquio». Lance. Consultado em 28 de julho de 2021 
  83. «Simone Biles explica sua desistência em Tóquio: 'Realmente não consigo compreender como girar'». Lance. Consultado em 1 de agosto de 2021 
  84. «Rebeca ganha ouro no salto e crava nome na história da ginástica do Brasil». UOL 
  85. «Sifan Hassan (HOL) cai no meio da bateria, levanta e ainda ganha a classificatória dos 1500m rasos - Olimpíadas de Tóquio». ge. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  86. Povo, O. (4 de agosto de 2021). «Japão apresenta grande domínio no skate, com três medalhas de ouro». Olimpíadas. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  87. «Pedro Barros leva a prata no skate park nas Olimpíadas de Tóquio; australiano é ouro». ge. Consultado em 5 de agosto de 2021 
  88. «O que significa gesto de norte-americana no pódio e por que o COI investiga». CNN Brasil. Consultado em 5 de agosto de 2021 
  89. «Canadá vence Suécia nos pênaltis e conquista seu 1º ouro no futebol feminino». GZH. 6 de agosto de 2021. Consultado em 6 de agosto de 2021 
  90. «A história mais bonita da Olimpíada de Tóquio | VEJA». veja.abril.com.br. Consultado em 6 de agosto de 2021 
  91. McCarthy, Michael (7 de junho de 2011). «NBC wins U.S. TV rights to four Olympic Games through 2020». USA Today 
  92. «IOC reaches agreement for broadcast rights in Brazil with Grupo Globo through to 2032». International Olympic Committee. Olympic.org. 10 de dezembro de 2015. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  93. Vaquer, Gabriel (4 de outubro de 2019). «BandSports confirma oficialmente transmissão das Olimpíadas de Tóquio 2020». Observatório da Televisão 
  94. «Olympics coverage to remain on BBC after Discovery deal». The Guardian. Consultado em 7 de junho de 2016 
  95. «IOC awards European broadcast rights to SPORTFIVE». ESPN. 18 de fevereiro de 2009. Consultado em 13 de agosto de 2013 
  96. «Discovery Lands European Olympic Rights Through '24». Sports Business Journal. Consultado em 1 de julho de 2015 
  97. «BBC dealt another blow after losing control of TV rights for Olympics». The Guardian. Consultado em 30 de junho de 2015 
  98. «Tokyo 2020 Games: Japan Olympics chief 'investigated in French corruption probe'» (em inglês). 11 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de maio de 2021. The head of Japan's Olympic Committee is being formally investigated in France for alleged corruption in the awarding of the 2020 Games to Tokyo, a French judicial source has said. 
  99. Wharton, David. «Embattled head of Japan's Olympic committee resigns ahead of 2020 Summer Games». Los Angeles Times. Consultado em 19 de março de 2019 
  100. Tanaka, Ryuji; Fukushima, Sachi; Oka, Daisuke (18 de novembro de 2019). «Tokyo Olympic bid committee's docs on huge consultancy fees missing». The Mainichi. Consultado em 3 de dezembro de 2019 
  101. «Tokyo 2020 Olympic logo unveiled - but not everyone's impressed». Daily Mirror. Consultado em 29 de setembro de 2015 
  102. «Tokyo 2020 Olympics logo scrapped amid plagiarism claim». BBC. Consultado em 29 de setembro de 2015 
  103. a b «Japan unveils final four candidates for Tokyo 2020 Olympics logo». Japan Times. 8 de abril de 2016. Consultado em 11 de abril de 2016 
  104. «Tokyo 2020 Emblems Committee relax competition rules ahead of search for new logo». InsideTheGames.biz. Consultado em 26 de outubro de 2015 
  105. «Tokyo Games organizers decide to scrap Sano emblem». NHK World. 1 de setembro de 2015. Consultado em 1 de setembro de 2015. Arquivado do original em 4 de setembro de 2015 
  106. «Checkered pattern by artist Tokolo chosen as logo for 2020 Tokyo Olympics». Japan Times. Consultado em 25 de abril de 2016 
  107. «柳叶刀披露首例新冠肺炎患者发病日期,较官方通报早7天» (em chinês). BJ News. 27 de janeiro de 2020. Consultado em 1 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2020 
  108. «《柳叶刀》刊文详解武汉肺炎 最初41案例即有人传人迹象» (em chinês). Caixin. 26 de janeiro de 2020. Consultado em 1 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2020 
  109. «10 confirmed infected on ship near Yokohama | NHK WORLD-JAPAN News». NHK WORLD (em inglês). 4 de fevereiro de 2020. Consultado em 4 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2020 
  110. «Japan confirms its first COVID-19 death: Health minister». CNA (em inglês). Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  111. «Japan records first coronavirus death, two taxi drivers test positive». Reuters (em inglês). 13 de fevereiro de 2020 
  112. «Japan's Biggest Cosplay Event Canceled Due to COVID-19 Coronavirus». Anime News Network (em inglês). Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  113. Silvester, Andy (18 de fevereiro de 2020). «Exclusive: Bailey calls for London to host Olympics if coronavirus forces Tokyo move». City AM. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  114. «Tokyo Governor Criticizes Suggestion That London Could Host 2020 Olympics». The New York Times. 21 de fevereiro de 2020 
  115. «"Vamos sediar as Olimpíadas sem problemas, conforme planejado"». Olimpíada Todo Dia. 14 de março de 2020 
  116. «Tocha olímpica é acesa em cerimônia quase sem público na Grécia». Jornal do Comércio. 12 de março de 2020 
  117. «Olympic flame leaves for Japan amid coronavirus fears». Kyodo News. 20 de março de 2020. Consultado em 16 de maio de 2021 
  118. «Olympics: Tokyo Games flame to pass historic landmarks in Greece». Kyodo News. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 16 de maio de 2021 
  119. Kampouris, Nick (25 de fevereiro de 2020). «Tokyo 2020: Details of Olympic Flame Ceremonies in Greece Revealed». Greek Reporter. Consultado em 16 de maio de 2021 
  120. «Αρχισε το ταξίδι της Ολυμπιακής Φλόγας». hoc.gr. 12 de março de 2020. Consultado em 16 de maio de 2021 
  121. «Olympic torch relay in Greece suspended due to virus fears». Kyodo News. 14 de março de 2020. Consultado em 16 de maio de 2021 
  122. «Dirigentes do esporte na Itália pedem que COI adie Olimpíadas: "Vida vale muito mais"». globoesporte.com. Consultado em 25 de março de 2020 
  123. Rafael Monteiro (23 de março de 2020). «Coronavírus: Canadá anuncia que não vai participar das Olimpíadas». Agência Brasil. Consultado em 16 de maio de 2021 
  124. «Grã-Bretanha também pretende boicotar as Olimpíadas se não houver adiamento». Globoesporte.com. Consultado em 25 de março de 2020 
  125. «Pressão por Tóquio-2021 começa a tornar Olimpíada em 2020 insustentável». UOL. 21 de março de 2020 
  126. «Membro do COI diz que decisão de adiar as Olimpíadas já foi tomada "Não começarão em 24 de julho». globoesporte.com. Consultado em 23 de março de 2020 
  127. «Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 estão adiados para ano que vem». Estado de Minas. Consultado em 24 de março de 2020 
  128. «Por que a Olimpíada seguirá chamando Tóquio-2020 mesmo em 2021». UOL 
  129. «COI só cancelou as Olimpíadas de 1940 meses depois de a 2ª Guerra Mundial ter começado». globoesporte.com. Consultado em 12 de abril de 2020 
  130. «Japan looks for a way out of Tokyo Olympics because of Covid». The Times (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  131. «Em enquete, 77% defendem cancelamento ou adiamento dos Jogos de Tóquio». NHK. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  132. «Brasileiro membro do COI diz que Olimpíadas de Tóquio vão acontecer: "Não se fala em cancelamento"». globoesporte.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  133. «Possibilidade de Olimpíadas sem público pode custar mais de R$ 125 bilhões ao Japão». globoesporte.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  134. «Em carta a cartolas de 206 nações, presidente do Comitê japonês garante realização das Olimpíadas». globoesporte.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  135. «Comitê diz que Olimpíada vai ocorrer 'independentemente da pandemia'». G1. Consultado em 7 de fevereiro de 2021 
  136. «Japão aprova primeira vacina visando início das Olimpíadas». TecMundo. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  137. «Japão inicia vacinação contra Covid-19 na 'primeira etapa' para a Olimpíada». CNN Brasil. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  138. «Thomas Bach afirma que China ofereceu vacinas a atletas que vão às Olimpíadas de Tóquio». globoesporte.com. Consultado em 11 de março de 2021 
  139. «Atletas da Coreia do Sul serão vacinados para as Olimpíadas de Tóquio». CNN Brasil. Consultado em 11 de março de 2021 
  140. «Médicos de Tóquio pedem cancelamento dos Jogos Olímpicos devido à Covid-19». CNN Brasil. Consultado em 22 de maio de 2021 
  141. «Empresários japoneses questionam realização das Olimpíadas». globoesporte.com. Consultado em 22 de maio de 2021 
  142. «COI diz que Olimpíadas serão realizadas mesmo com Tóquio em estado de emergência». globoesporte.com. Consultado em 22 de maio de 2021 
  143. «Parceiro oficial de Tóquio-2020, diário Asahi Shimbun pede o cancelamento dos Jogos». O Globo. Consultado em 27 de maio de 2021 
  144. «Líder do sindicato de médicos alerta que Jogos podem provocar uma "Variante Olímpica"». globoesporte.com. Consultado em 3 de junho de 2021 
  145. «Presidente do Comitê Tóquio 2020 faz declarações machistas sobre presença feminina em reuniões». globoesporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  146. «Chefe da Olimpíada de Tóquio renunciará após fala machista, diz TV japonesa». CNN Brasil. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  147. «Pressionado, presidente do Comitê Tóquio 2020 renuncia após comentários machistas». globoesporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  148. «Sete Olimpíadas, medalha e anos na política: possível sucessora de Mori é lenda do esporte japonês». globoesporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  149. «Seiko Hashimoto aceita convite e será a nova presidente do Comitê Tóquio 2020, diz agência». globoesporte.com. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  150. «Após comentários gordofóbicos, diretor artístico das Olimpíadas de Tóquio renuncia ao cargo». globoesporte.com. Consultado em 18 de março de 2021 
  151. «Conselheiro do governo japonês se demite após zombar de apelos contra as Olimpíadas». globoesporte.com. Consultado em 27 de março de 2021 
  152. «Jogos de Tóquio: diretor da abertura é demitido na véspera da cerimônia». Veja. Consultado em 22 de julho de 2021 
  153. «Tokyo 2020: Why some people want the rising sun flag banned». BBC News. Consultado em 3 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2020 
  154. «South Korea formally requests Japan's 'rising sun' flag be banned at 2020 Olympics». The Independent. 11 de setembro de 2019. Consultado em 13 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2019 
  155. «South Korea asks IOC to ban Japan's use of 'Rising Sun' flag at Olympics». Reuters. 11 de setembro de 2019. Consultado em 13 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2019 
  156. «Russia accuses Tokyo of politicizing games». BusinessMirror. 13 de agosto de 2019 
  157. Branch, John; Rich, Motoko (10 de outubro de 2019). «Tokyo Braces for the Hottest Olympics Ever». The New York Times. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  158. Tarrant, Jack (7 de agosto de 2019). «Olympic concern as soaring temperatures in Japan kill 57 people». The Independent (em inglês). Consultado em 23 de outubro de 2019 
  159. «Tokyo 2020: Olympic marathon and race walks set to move to Sapporo over heat fears». BBC. 16 de outubro de 2019. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  160. «【独自】東京都「スタート時間変更」を提案 五輪マラソンでIOCに». FNN Prime (em japonês). 21 de outubro de 2019. Consultado em 23 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2019 
  161. «Sapporo mayor welcomes IOC announcement». NHK World (em inglês). 17 de outubro de 2019. Consultado em 23 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2019 
  162. «【新国立競技場】冷房取りやめ、熱中症は大丈夫? 総工費1550億円 当初の観客数6万8000人». 産経ニュース (em japonês). 28 de outubro de 2015. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  163. Tarrant, Jack (5 de outubro de 2018). «Water quality still clouding Olympic swimming venue». Reuters. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  164. Kershaw, Tom (22 de outubro de 2018). «Tokyo 2020's worrying water quality a concerning issue that threatens to rain over Olympic parade». The Independent. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  165. «TRIATHLON/ E. coli in water forces Tokyo to cancel swimming at Paratriathlon». The Asahi Shimbun. 18 de agosto de 2019. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  166. Lord, Craig (4 de dezembro de 2019). «Catherine Kase Leads USA Safety Plea For Change In Tokyo 2020 Swim Marathon Venue». Swimming World News. Consultado em 10 de dezembro de 2019 
  167. «Toxic threat: Tokyo 2020 organizers to take emergency measures after asbestos found at Olympics venue». RT (em inglês). https://www.rt.com/sport/477104-tokyo-games-asbestos-swimming-center/. 30 de dezembro de 2019. Consultado em 31 de dezembro de 2019 
  168. «Tokyo 2020 to take 'emergency measures after asbestos found' at Olympic venue». Reuters (em inglês). 30 de dezembro de 2019. Consultado em 31 de dezembro de 2019 – via The Independent 
  169. a b c Associated Press (11 de outubro de 2017). «Tokyo Olympic stadium worker's death follows 190 hours of overtime in month». The Guardian. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  170. Watanabe, Kazuki (20 de julho de 2017). «五輪・新国立競技場の工事で時間外労働212時間 新卒23歳が失踪、過労自殺». BuzzFeed Japan (em japonês). Consultado em 19 de setembro de 2019 
  171. «Report: Tokyo Olympics construction workers are being overworked». Free Industrial Safety & Hygiene News. 17 de junho de 2019. Consultado em 19 de setembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Rio de Janeiro
Jogos Olímpicos
Tóquio

XXXII Olimpíada (2020)
Sucedido por
Paris