Jogos Sul-Americanos de 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
XI Jogos Sul-Americanos
Cocha 2018
Logo cocha2018.jpg
Logo oficial dos Jogos.
Dados
Países participantes 14 CON's
País anfitrião  Bolívia
Cerimônia de abertura 26 de maio
Cerimônia de encerramento 8 de junho
Estádio principal Estadio Félix Capriles
◄◄ Santiago 2014 Chile {{{evento}}} Paraguai Assunção 2022 ►►

Jogos Sul-Americanos de 2018, oficialmente XI Jogos Sul-Americanos (em espanhol: XI Juegos Sudamericanos, em inglês: 11th South American Games), foi a décima primeira edição do evento multi-desportivo no qual se fazem presentes atletas das nações filiadas à Organização Desportiva Sul-Americana (ODESUL).

Pela segunda vez na história, este evento teve como país-sede a Bolívia. A primeira ocasião foi em 1978, na sua capital La Paz.

Eleição da cidade-sede[editar | editar código-fonte]

Vista da região central da cidade.

Os comitês olímpicos de Bolívia, Venezuela e Peru registraram o seu interesse perante a ODESUR, para sediar os Jogos Sul-Americanos de 2018. Lima (capital peruana) e Puerto La Cruz (cidade venezuelana) se candidataram para receber os Jogos.

Algum tempo antes do fim do processo de escolha, as duas citadas cidades desistiram de receber o evento. Com isso, em dezembro de 2013, a boliviana Cochabamba foi aclamada como sede dos Jogos Sul-Americanos de 2018.[1]

Organização[editar | editar código-fonte]

Estadio Félix Capriles, durante a abertura dos Jogos Sul Americanos, em 26 de maio de 2018.

Em 2015, a possibilidade de Cochabamba perder o direito de sediar o evento foi levantada, em virtude dos atrasos nas obras.[2] A ODESUL, desta forma, deu como prazo o dia 30 de outubro de 2015 para confirmar a permanência do evento na cidade.[3]

A construção de 11 locais de competição, bem como o master plan dos Jogos, foram anunciados em janeiro de 2016.[4]

A 29ª Assembleia Ordinária Geral da ODESUL, realizada em 21 de maio de 2016, ratificou Cochabamba como sede da competição de 2018. Nesta ocasião, foi relatada a expectativa desta edição alcançar o recorde de participação de atletas (passando a marca de 4 mil competidores). Pela primeira vez na história dos Jogos Sul-Americanos, foram disputadas as 28 modalidades obrigatórias presentes no programa olímpico, incluindo o pentatlo moderno.[5]

Comitê Organizador[editar | editar código-fonte]

Em 23 de outubro de 2014, foi oficializada a criação do Comitê Organizador do XXI Jogos Sul-Americanos Cochabamba 2018 (CODESUR).[6] Após diversas tentativas de nomeação para a presidência do CODESUR, Jorge Ledezma Cornejo assumiu o cargo em novembro de 2015 e renunciou ao mesmo em junho de 2016. Após este fato acabou assumindo, interinamente, o Ministro dos Esportes Tito Montaño, até que José Luis Zelada assumisse definitivamente o cargo, o que acabou ocorrendo no final daquele mês.[7][8][9][10]

Símbolos dos Jogos[editar | editar código-fonte]

Mascotes e logotipo[editar | editar código-fonte]

Em 20 de maio de 2016, foram oficialmente apresentados os mascotes dos Jogos Sul-Americanos de 2018. São eles a onça-pintada de nome Nuna (que significa "espírito") e o urso-andino chamado Juki. O comitê organizador decidiu por incluir uma fêmea e um macho, em defesa da igualdade de gênero.[11]

A marca oficial dos Jogos, incluindo o logotipo, foi desenhado por Ariel Prado e Verónica Flores, graduados em Design Gráfico e Comunicação na Universidade de San Simón. O logotipo é uma Cantuta em forma da chama olímpica que tem cores diferentes, sendo a sua base verde, seguido de amarelo, laranja e vermelho, tudo estando próximo da frase "Cocha XI Jogos Sul-Americanos de 2018".[11]

Países participantes[editar | editar código-fonte]

Participaram deste evento quatorze comitês olímpicos nacionais, assim como na última edição dos Jogos Sul-Americanos em Santiago. São todos eles são filiados à Organização Desportiva Sul-Americana: doze países da América do Sul, um país da América Central (Panamá) e um território autônomo do Caribe (Aruba).[12]

Diferentemente da última edição, quando o objetivo do Brasil foi liderar o quadro de medalhas e preparar os atletas para os Jogos Olímpicos de 2016, o Comitê Olímpico Brasileiro enviou para Cochabamba uma delegação menor, com o objetivo de classificar equipes para os Jogos Pan-Americanos de 2019 em eventos que servem de qualificação e preparar jovens atletas nas demais modalidades.[13] A delegação brasileira foi formada por 316 atletas (que competiram em 30 modalidades diferentes), sendo a sexta maior deste evento (ficando atrás de Bolívia, Argentina, Venezuela, Peru, Chile e Colômbia).[13]

Lista de países participantes

Esportes[editar | editar código-fonte]

O programa destes Jogos foi composto de trinta e cinco esportes (todos reconhecidos pela ODEPA), estando eles no programa dos Jogos Pan-Americanos (os vinte e oito esportes olímpicos obrigatórios, um olímpico opcional e mais seis pan-americanos). Alguns eventos esportivos serviram de qualificatórias sul-americanas para os Jogos Pan-Americanos de 2019, que serão celebrados em Lima, a capital do Peru (sendo este o caso do hóquei sobre a grama e do handebol, por exemplo).

Esta foi a primeira edição em que todos os eventos olímpicos estiveram no programa oficial. Retornam aos Jogos Sul-Americanos (após ausência em Santiago-2014) o badminton, a ginástica de trampolim e o polo aquático. Dentro da categoria de eventos opcionais, o Comitê Organizador de Cochabamba-2018 escolheu pela inclusão do futsal.[14]

Calendário[editar | editar código-fonte]

CA Cerimônia de abertura Competições 1 Finais CE Cerimônia de encerramento
Maio / Junho 26
Sáb
27
Dom
28
Seg
29
Ter
30
Qua
31
Qui
1
Sex
2
Sáb
3
Dom
4
Seg
5
Ter
6
Qua
7
Qui
8
Sex
Eventos
Cerimônias CA CE
Aquáticos Saltos ornamentais 2 1 2 2 7
Nado sincronizado 1 1 2
Natação 7 8 9 8 2 34
Polo aquático 1 1
Atletismo 9 13 13 10 45
Badminton 1 5 6
Basquetebol Basquetebol 1 1 2
Basquetebol 3x3 2 2
Boliche 2 2 4
Boxe 13 13
Canoagem 4 5 3 12
Caratê 4 4 4 12
Ciclismo Ciclismo BMX 2 2
Ciclismo de pista 3 2 3 4 12
Ciclismo de estrada 2 2 4
Mountain bike 2 2
Esgrima 2 2 2 2 2 2 12
Esqui aquático 6 4 10
Futebol Futebol 1 1 2
Futsal 1 1 2
Ginástica Ginástica artística 2 2 5 5 14
Ginástica rítmica 2 3 3 7
Ginástica de trampolim 2 2
Golfe 3 3
Halterofilismo 4 4 4 4 16
Handebol 1 1 2
Hipismo 1 1 2
Hóquei sobre a grama 1 1 2
Judô 4 4 4 2 14
Lutas 6 6 6 18
Patinação Patinação artística 2 2
Patinação de velocidade 4 4 2 10
Pelota basca 5 5
Pentatlo moderno 1 1 1 3
Raquetebol 4 2 6
Remo 5 5 4 14
Rugby sevens 2 2
Squash 5 2 7
Taekwondo 4 4 8
Tênis 5 5
Tênis de mesa 2 3 2 7
Tiro 4 1 3 3 4 15
Tiro com arco 4 6 10
Triatlo 2 1 3
Vela 5 5
Voleibol Voleibol 1 1 2
Voleibol de praia 2 2
Total de eventos 32 34 40 29 21 18 21 12 11 37 56 40 22 373
Total acumulado 32 66 106 135 156 174 195 207 218 255 311 351 373
Maio / Junho 26
Sáb
27
Dom
28
Seg
29
Ter
30
Qua
31
Qui
1
Sex
2
Sáb
3
Dom
4
Seg
5
Ter
6
Qua
7
Qui
8
Sex
Eventos

Quadro de medalhas[editar | editar código-fonte]

     País-sede destacado[15][16]

 Ordem  País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1 ColômbiaCOL Colômbia 94 74 71 239
2 BrasilBRA Brasil 90 58 56 204
3 VenezuelaVEN Venezuela 43 59 55 157
4 ArgentinaARG Argentina 42 60 63 165
5 ChileCHI Chile 38 34 60 132
6 EquadorECU Equador 25 17 52 94
7 PeruPER Peru 22 29 41 92
8 ParaguaiPAR Paraguai 6 10 14 30
9 UruguaiURU Uruguai 5 10 17 32
10 BolíviaBOL Bolívia 4 15 15 34
11 PanamáPAN Panamá 2 4 4 10
12 SurinameSUR Suriname 2   1 3
13 ArubaARU Aruba   2 1 3
14 GuianaGUY Guiana   1 4 5
TOTAL 373 373 454 1 200

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Tiempo, Casa Editorial El (14 de dezembro de 2013). «Cochabamba realizará los Juegos Suramericanos del 2018». El Tiempo (em espanhol). Consultado em 12 de agosto de 2017. 
  2. «Odesur 2018, en riesgo». Los Tiempos. 2 de outubro de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  3. «Odesur da plazo a Bolivia hasta fin de mes para confirmar Sudamericanos». Los Tiempos. Los Tiempos. 12 de outubro de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  4. «En Cochabamba construirán 11 escenarios deportivos para juegos Odesur». Los Tiempos. Los Tiempos. 14 de janeiro de 2017. Consultado em 17 de janeiro de 2017. 
  5. «La Odesur ratifica a Cochabamba 2018». Los Tiempos. 22 de maio de 2016. Consultado em 21 de julho de 2016. 
  6. «Bolivia: Decreto Supremo Nº 2158, 23 de octubre de 2014». Lexivox. Lexivox (em Web Archive). 22 de outubro de 2014. Consultado em 31 de outubro de 2016. 
  7. «Ledezma, exministro de Defensa, es director de los Sudamericanos». Página Siete. 17 de novembro de 2015. Consultado em 31 de julho de 2016. 
  8. «Ledezma deja la dirección de Codesur». Opinion.com.bo. 12 de junho de 2016. Consultado em 31 de julho de 2016. 
  9. «Montaño es el director del Codesur». Los Tiempos. 13 de junho de 2016. Consultado em 31 de julho de 2016. 
  10. «José Luis Zelada es posesionado como director general de Codesur». Los Tiempos (salvo em Web Archive). 27 de junho de 2016. Consultado em 31 de julho de 2016. 
  11. a b «Un jaguar y un oso jukumari son las mascotas de Cochabamba 2018». La Razón (salvo em Web Archive). 17 de maio de 2016. Consultado em 31 de julho de 2016. 
  12. «XI Juegos Suramericanos Cochabamba 2018: Países» (em espanhol). Cochabamba2018.bo. Consultado em 6 de maio de 2018. 
  13. a b «COB REALIZA SEMINÁRIO DE CHEFES DE EQUIPE DOS JOGOS SUL-AMERICANOS COCHABAMBA 2018». COB. Consultado em 6 de maio de 2018. 
  14. Juegos Suramericanos de 2018. «Deportes». Consultado em 14 de agosto de 2017. 
  15. «Tabla de Medallería - Países» (em espanhol). cochabamba2018.bo. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  16. «Medallería - XI Juegos Suramericanos Cochabamba 2018». ODESUR Cochabamba 2018 (salvo em Web Archive). 8 de junho de 2018. Consultado em 8 de junho de 2018.