Johann Strauss (filho)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Johann Strauss
Nascimento 25 de outubro de 1825
Neubau
Morte 3 de junho de 1899 (73 anos)
Viena
Sepultamento Cemitério Central de Viena
Cidadania Áustria-Hungria
Progenitores Pai:Johann Strauss
Cônjuge Henrietta Treffz, Desconhecido, Desconhecido
Irmão(s) Josef Strauss, Eduard Strauss
Ocupação compositor, maestro
Prêmios Ordem de Francisco José I da Áustria
Magnum opus Der Zigeunerbaron, Die Fledermaus, Danúbio Azul
Causa da morte pneumonia
Assinatura
Johann Strauss II signature.jpg

Johann Strauss II (Viena, 25 de outubro de 1825Viena, 3 de junho de 1899), também conhecido como Johann Strauss, Jr.  o mais novo, o Filho (alemão: Sohn ), Johann Baptist Strauss, foi um compositor austríaco de música ligeira, particularmente a música de dança e operetas. Compôs mais de 500 valsaspolcas, quadrilhas e outros tipos de música de dança, bem como várias operetas e um ballet. Em sua vida, ele era conhecido como "Rei da Valsa" e foi, em grande parte, responsável pela popularidade da valsa em Viena durante o século XIX.

Strauss tinha dois irmãos mais novos, Josef e Eduard Strauss , que se tornaram compositores de música ligeira, bem como seu pai, embora eles nunca foram tão conhecidos como o seu irmão mais velho.

Algumas das mais famosas obras de Johann Strauss incluem "O Danúbio Azul", "Kaiser-Walzer", "Contos dos Bosques de Viena", e "Tritsch-Tratsch-Polka". Entre suas operetas, Die Fledermaus e Der Zigeunerbaron são as mais conhecidas.

Início da vida [editar | editar código-fonte]

Seu pai, Johann Strauss I, em gravura de 1835

Strauss nasceu em St Ulrich, perto de Viena (agora uma parte de Neubau), Áustria, em 25 de outubro de 1825, filho do compositor Johann Strauss I. Seu bisavô paterno era um judeu húngaro, facto que mais tarde os nazistas, que consideravam a música de Strauss "tão alemã", tentaram esconder. O seu pai não queria que ele se tornasse músico, mas sim banqueiro. No entanto, Strauss Júnior estudou violino secretamente, ainda criança, com o primeiro violinista da orquestra do seu pai, Franz Amon. Um dia, quando seu pai descobriu seu filho praticando secretamente ao violino, deu-lhe uma severa surra, dizendo que queria "remover" (o gosto) do menino por música. Ao que parece, não era uma tentativa de evitar uma rivalidade entre os membros da família. Strauss pai só queria que seu filho escapasse dos rigores da vida de músico. Foi só quando o pai abandonou a família para ficar com a amante, Emilie Trampusch, que o filho foi capaz de concentrar-se totalmente em uma carreira como compositor, com o apoio de sua mãe.

Strauss estudou contraponto e harmonia com o teórico Joachim Hoffmann, que era dono de uma escola de música privada. Seus talentos também foram reconhecidos pelo compositor Joseph Drechsler, que lhe ensinou exercícios em harmonia. Foi durante esse tempo que ele compôs sua única obra sagrada, o gradual Tu orbem qui regis totum (1844). Seu outro professor de violino, Anton Kollmann, que era o ballet répétiteur da Corte de Viena Opera, também escreveu excelentes depoimentos sobre ele. Em posse dessas recomendações, ele solicitou às autoridades vienenses a licença para se apresentar em público. Inicialmente ele formou a sua pequena orquestra recrutando seus membros na taberna Zur Stadt Belgrad, onde os músicos que procuravam trabalho podiam ser contratados facilmente. 

Estréia como compositor [editar | editar código-fonte]

A influência de Johann Strauss I, sobre os estabelecimentos de entretenimento locais, fez com que muitos deles tivessem receio de oferecer ao Strauss mais jovem um contrato por medo de irritar o pai. Strauss Jr. conseguiu persuadir o Cassino de Dommayer em Hietzing , um subúrbio de Viena, conseguindo permissão para se apresentar no local. O Strauss mais velho, irritado com a desobediência do filho, e com o proprietário do lugar também, se recusou a tocar no Cassino de Dommayer novamente, este que tinha sido o local de muitos dos seus triunfos anteriores.

Johann Strauss em seus anos de juventude.

Strauss fez sua estréia no Dommayer em outubro de 1844, onde apresentou alguns de seus primeiros trabalhos, como as valsas "Sinngedichte ", Op. 1, "Gunstwerber", Op. 4 e a polca "Herzenslust", Op. 3. Os críticos e imprensa foram unânimes nos elogios à música de Strauss. Um crítico do Der Wanderer comentou que "o nome de Strauss continuará dignamente com seu filho; os filhos e os filhos dos filhos podem olhar para o futuro, e o compassos três quartos (compasso da valsa) encontrá um forte fundamento nele" 

Apesar do alarde inicial, Strauss encontrou certa dificuldade como compositor nos primeiros anos, mas ele logo conquistou o público depois de aceitar comissões para se apresentar longe de casa. A primeira grande nomeação para o jovem compositor foi para o cargo honorífico de "Kapellmeister do 2º Regimento de Cidadãos de Viena", que estava vago após a morte de Joseph Lanner, dois anos antes.

Viena foi sacudida pelas revoluções de 1848 no Império Austríaco e a intensa rivalidade entre pai e filho se tornou muito mais aparente. Johann Jr. decidiu ficar do lado dos revolucionários. Foi uma decisão profissionalmente desvantajosa, com a realeza austríaca negando-lhe duas vezes o muito cobiçado posto de Hofballmusikdirektor, que foi primeiramente e especialmente criado para Johann I, em reconhecimento por suas contribuições musicais. Além disso, o mais jovem Strauss também foi detido pelas autoridades vienenses por tocar publicamente "La Marseillaise", mas foi posteriormente absolvido. Strauss pai permaneceu leal à monarquia e compôs a sua "Marcha Radetzky ", Op. 228 (dedicada ao marechal de campo dos Habsburgos Joseph Radetzky von Radetz), que se tornaria uma de suas composições mais conhecidas. 

Quando o mais velho Strauss morreu de escarlatina em Viena, em 1849, o mais jovem Strauss fundiu as duas orquestras e se engajou em mais turnês. Mais tarde, ele também compôs uma série de marchas patrióticas dedicadas ao imperador Habsburgo Francisco José I , tais como o "Kaiser Franz-Josef Marsch", Op. 67 e o "Kaiser Franz Josef Rettungs Jubel-Marsch", Op. 126, provavelmente para agradar aos olhos do novo monarca, que subiu ao trono austríaco após a revolução de 1848.

Avanços na carreira[editar | editar código-fonte]

Johann Strauss e Johannes Brahms fotografados em Viena.

Strauss Jr. finalmente superou a fama de seu pai e se tornou um dos compositores de valsa mais populares da época, frequentemente percorrendo a Áustria, Polônia e Alemanha junto à sua orquestra. Ele se candidatou para a posição de Diretor Musical dos Bailes da Corte Real (KK Hofballmusikdirektor) e acabou sendo nomeado em 1863, após ter-lhe sido negado anteriormente por várias vezes, devido aos desentendimentos frequentes com as autoridades locais.

Em 1853, devido às exigências físicas e mentais constantes, Strauss sofreu um colapso nervoso. Ele tirou sete semanas de férias no campo, no verão do mesmo ano, a conselho dos médicos. O seu irmão mais novo, Josef, foi persuadido pela sua família a abandonar a carreira como engenheiro e assumir o comando da orquestra nesse período.

Em 1855, Strauss foi contratado pela direção da Companhia Ferroviária de Tsarskoye-Selo de São Petersburgo para tocar na Rússia, no Pavilhão Vauxhall em Pavlovsk no ano seguinte. Ele voltaria a se apresentar na Rússia anualmente até 1865.

Mais tarde, na década de 1870, Strauss e sua orquestra viajaram pelos Estados Unidos. Lá participou do Festival Boston, a convite do maestro Patrick Gilmore, e foi o maestro principal em um "Concerto Colossal" de mais de 1.000 artistas no evento "Júbilo pela Paz Mundial e Festival Internacional Musical", apresentando a sua valsa "Danúbio Azul", entre outras peças, com grande sucesso.

Casamentos[editar | editar código-fonte]

Strauss se casou com o cantora Henrietta Treffz em 1862 e permaneceram juntos até a morte dela em 1878. Seis semanas depois da morte de Henrietta, Strauss se casou com a atriz Angelika Dittrich. Dittrich não era uma fervorosa admiradora da sua música. Com diferenças de status, de opiniões e, especialmente, à suposta indiscrição dela, levaram-no a pedir o divórcio.

A Igreja Católica Romana não concedeu-lhe o divórcio, o que o fez mudar de religião e nacionalidade. Ele tornou-se um cidadão do ducado de Saxe-Coburg-Gotha em Janeiro de 1887. Strauss encontrou consolo com a sua terceira esposa, Adele Deutsch, com quem se casou em Agosto de 1887. Ela encorajou o seu talento criativo a fluir mais uma vez em seus últimos anos, resultando em muitas composições famosas, como as operetas "Der Zigeunerbaron" e "Waldmeister ", e as valsas " Kaiser-Walzer " Op. 437, "Kaiser Jubiläum" Op. 434, e "Klug Gretelein" Op. 462.

Rivais musicais e admiradores [editar | editar código-fonte]

Embora Strauss tenha sido o compositor mais requisitado da música de dança, na segunda metade do século 19, uma forte concorrência estava presente na forma dos compositores Karl Michael Ziehrer e Émile Waldteufel; este último tinha uma posição dominante em Paris. Phillip Fahrbach também negou ao jovem Strauss a posição de comando do KK Hofballmusikdirektor quando este último tentou ser nomeado para o cargo pela primeira vez. O compositor alemão Jacques Offenbach, que fez seu nome em Paris, também foi um desafio para Strauss no campo das operetas.

Strauss era admirado por outros compositores de destaque: Richard Wagner, uma vez admitiu que gostava da valsa "Wein, Weib und Gesang" Op. 333. Richard Strauss (sem relação com a família Strauss), ao escrever suas valsas Rosenkavalier, comentou, se referindo a Johann Strauss, "Como eu poderia esquecer o gênio risonho de Viena?" 

Johannes Brahms era um amigo pessoal de Strauss; este último dedicou ao amigo a sua valsa "Seid umschlungen, Millionen! " ("Sejam abraçados, Milhões!"), Op. 443. Uma história contada nas biografias de ambos é que a esposa de Strauss, Adele, certa vez abordou Brahms com um pedido de autógrafo. Era comum o compositor inscrever algum trecho de sua música mais conhecida e, em seguida, assinar o nome. Brahms, no entanto, escreveu alguns compassos do "Danúbio Azul" e, em seguida, escreveu embaixo: "Infelizmente, NÃO (composto) por Johannes Brahms".

Trabalhos de palco[editar | editar código-fonte]

As mais famosas operetas de Strauss são "Die Fledermaus""Eine Nacht in Venedig" e "Der Zigeunerbaron". Há muitas peças de dança extraídas de temas de suas operetas, como "Cagliostro-Walzer" Op. 370 (a partir de "Cagliostro in Wien"), "O Schöner Mai Walzer" Op. 375 (a partir de "Prinz Methusalem"), "Rosen aus dem Süden Walzer" Op. 388 (a partir "Das Spitzentuch der Königin"), e "Kuss-Walzer" op. 400 (a partir de "Der Krieg lustige"), que sobreviveram à obscuridade e tornaram-se conhecidas. Strauss também escreveu uma ópera, "Ritter Pázmán", e estava no meio da composição de um balé, "Aschenbrödel", quando morreu em 1899.

Morte e legado [editar | editar código-fonte]

Strauss foi diagnosticado com pleuropneumonia e morreu no dia 3 de junho de 1899 em Viena, com a idade de 73 anos. Foi enterrado no Cemitério Central de Viena. No momento da sua morte ainda estava compondo seu balé "Aschenbrödel".

Estátua do "Rei da Valsa" em Stadtpark, Viena

Como resultado dos esforços de Clemens Krauss, que apresentou com a Filarmônica de Viena um programa especial com composições de Strauss em 1929, a música do compositor agora é regularmente tocada no "Concerto de Ano Novo" de Viena. Intérpretes ilustres de Strauss incluem Willi Boskovsky, este continuando a tradição "Vorgeiger " de reger com violino na mão, como era o costume da família Strauss, assim como Herbert von KarajanCarlos KleiberLorin MaazelZubin Mehta e Riccardo Muti. Além disso, o Orquestra Vienense Johann Strauss, formada em 1966, presta homenagem às orquestras de turnê que fizeram a família Strauss tão famosa. Em 1987, o violinista e maestro holandês André Rieu também criou uma Orquestra Johann Strauss .

A maior parte das obras de Strauss que são tocadas hoje podem ter existido de uma forma ligeiramente diferente, já que Eduard Strauss destruiu grande parte dos arquivos orquestrais originais de Strauss II em uma fábrica de fornos no distrito de Mariahilf, Viena, em 1907. Eduard, então o único irmão sobrevivente dos três, tomou essa drástica precaução depois de fazer um pacto entre ele e o irmão Josef, de que quem sobrevivesse ao outro destruiria seus trabalhos. A medida pretendia impedir que os trabalhos da família Strauss fossem reivindicados por outro compositor. Isso também pode ter sido alimentado pela rivalidade de Strauss com outro popular compositor de valsa e marcha de Viena, Karl Michael Ziehrer.

Dois museus de Viena são dedicados a Johann Strauss II. Sua residência em Praterstrasse, onde ele viveu nos anos 1860, é agora parte do Museu de Viena. O Museu Strauss é dedicado à toda família, com foco em Johan Strauss II.

Representações na mídia [editar | editar código-fonte]

As vidas dos membros da dinastia Strauss e sua arte de renome mundial de compor valsas vienenses também estão documentadas brevemente em várias adaptações para a televisão, como A Família Strauss (1972), A Dinastia Strauss (1991) e Strauss, o Rei do Tempo 3/4 (1995). Muitos outros filmes usaram as suas obras e melodias, e vários filmes foram baseados na vida do músico, o mais famoso dos quais é chamado de A Grande Valsa (1938 e refeito em 1972).

Silhueta, por Otto Böhler

Alfred Hitchcock fez um filme biográfico de baixo orçamento sobre Strauss em 1934 chamado Valsas de Viena. Depois de uma viagem a Viena, Walt Disney se inspirou para criar quatro longas-metragens. Um deles foi O Rei da Valsa, uma cinebiografia livremente adaptado de Johann Strauss, que foi ao ar como parte do Maravilhoso Mundo de Disney nos EUA, em 1963. No romance de 1940 (publicado em 1967), de Mikhail BulgákovO Mestre e Margarida, Johann Strauss conduz a orquestra durante o Grande Baile de Satanás, a convite de Behemoth.

"A Corny Concerto" (1943), um desenho animado da Warner Bros., dirigido por Bob Clampett, com animação de Robert McKimson, apresenta música composta por Johann Strauss e é uma paródia da animação de 1940Fantasia de Walt Disney. O desenho é narrado por Hortelino Troca-Letras, parodiando Deems Taylor em Fantasia.

O curta de animação de 1950 intitulado "Tom e Jerry no Hollywood Bowl" da série "Tom e Jerry" faz uso da abertura da opereta "Die Fledermaus" de Strauss.

Outro curta de animação de 1953, "Johann Mouse" da série Tom e Jerry apresenta um rato hipnotizado pela execução de várias valsas de Strauss pelo próprio Johann Strauss, e mais tarde, por Tom.

O filme de 1968, 2001: Uma Odisseia no Espaço, apresenta a valsa "O Danúbio Azul".

Obras de Johann Strauss II[editar | editar código-fonte]

Opereta[editar | editar código-fonte]

Ópera[editar | editar código-fonte]

Ballet[editar | editar código-fonte]

Valsas[editar | editar código-fonte]

Polkas[editar | editar código-fonte]

Marchas[editar | editar código-fonte]

Quadrille[editar | editar código-fonte]

Referências

  • Ganzl, Kurt. The Encyclopedia of Musical Theatre (3 Volumes). New York: Schirmer Books, 2001.
  • Traubner, Richard. Operetta: A Theatrical History. Garden City, NY: Doubleday & Company, 1983
  • Paulino, Higino da Costa. Johann Strauss. Biografia na Gazeta Musical, 2º ano, nº 5, Lisboa,1885.
  • Jacob, H. E. Johann Strauss, Father and Son: A Century of Light Music. The Greystone Press, 1940.

.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Johann Strauss (filho)