John Acton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
John Francis Edward Acton
Nascimento 3 de junho de 1736
Besançon
Morte 12 de agosto de 1811 (75 anos)
Palermo
Nacionalidade Reino Unido Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda
Ocupação Militar, político
Prêmios Cavaleiro da Ordem do Tosão de Ouro, Ordem de Santo André
Serviço militar
Patente Almirante
Batalhas/Guerras Expedição contra Argel de 1775

John Francis Edward Acton, 6º Baronete (Besançon, 3 de junho de 1736 — Palermo, 12 de agosto de 1811) foi um político de origem britânica, comandante das forças navais do Grão-ducado da Toscana e primeiro-ministro do Reino de Nápoles durante o reinado de Fernando IV.[1] Conhecido na Itália como Giovanni Acton.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho de Edward Acton, um médico em Besançon, e ali nasceu em 1736. Em 1791 herdou o título de nobreza e as propriedades de seu primo em segundo grau, Sir Richard Acton de Aldenham Hall, Shropshire. Serviu na Marinha da Toscana, e em 1775 comandou uma fragata na expedição conjunta da Espanha e Toscana contra Argel, na qual demonstrou tanta coragem e capacidade que foi promovido a um posto do alto comando.

Em 1779 a rainha Maria Carolina de Nápoles convenceu seu irmão, o Grão-Duque Leopoldo da Toscana a permitir que Acton, que havia sido recomendado a ela pelo príncipe Caramenico, a proceder a reorganização da marinha napolitana. A habilidade apresentada por ele nesta tarefa levou-o a uma rápida ascensão na carreira militar e política. Tornou-se comandante-em-chefe do exército e da marinha do Reino de Nápoles, Ministro das Finanças, e finalmente primeiro-ministro.

Sua política foi elaborada em conjunto com o embaixador inglês, Sir William Hamilton, e ajudou a substituir a influência de Áustria e Inglaterra pela da Espanha, em Nápoles. Tal política consequentemente, envolveu a oposição aberta à França e ao partido francês na Itália. As medidas financeiras e administrativas resultantes de uma política que implicou um grande aumento de armamentos tornou-o imensamente impopular, e em dezembro de 1798, deixou o poder juntamente com o rei e a rainha.

Acton foi responsabilizado pelo reinado de terror que se seguiu à queda da República Partenopeia, cinco meses mais tarde. Em 1804 foi, por um curto período de tempo, privado das rédeas do governo a pedido da França, mas foi rapidamente restituído à sua antiga posição, que manteve até que, em fevereiro de 1806, com a entrada dos franceses em Nápoles, fugiu com a família real para a Sicília. Morreu em Palermo em agosto de 1811.

Casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Acton casou, por dispensa papal, em 13 de janeiro de 1799, com Mary Anne, a filha mais velha de seu irmão, o general Joseph Edward Acton (1 de outubro de 1737 - 12 de janeiro de 1830), quando estava à serviço de Nápoles, e teve três filhos:

O filho mais velho, Sir Ferdinand, foi pai do primeiro Barão de Acton.

Referências

  1. Chambers Biographical Dictionary, ISBN 0550160108, p.6

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Richard Acton
Baronete
de Aldenham

1791–1811
Sucedido por
Ferdinand Acton