John Terry

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
John Terry
John Terry
John Terry em 2012
Informações pessoais
Nome completo John George Terry
Data de nasc. 7 de dezembro de 1980 (41 anos)
Local de nasc. Londres, Reino Unido
Nacionalidade inglês
Altura 1,87 m[1]
Destro
Apelido Captain, Leader, Legend
Informações profissionais
Período em atividade 19982018
Clube atual Aposentado
Posição Zagueiro
Clubes de juventude
1991–1995
1995–1998
West Ham United
Chelsea
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1998–2017
2000
2017–2018
Chelsea
Nottingham Forest (emp.)
Aston Villa
00717 00(67)
00006 000(0)
00036 000(1)
Seleção nacional
2000–2002
2003–2012
Inglaterra Sub-21
Inglaterra
00009 000(1)
00078 000(6)


2 Partidas e gols totais pelos
clubes, atualizadas até 21 de maio de 2017.

John George Terry (Londres, 7 de dezembro de 1980), mais conhecido como John Terry, é um ex-futebolista inglês que atuava como zagueiro, considerado um dos melhores defensores da história da Premier League.[2] Terry é um dos maiores ídolos do Chelsea, clube onde foi capitão e disputou mais de 700 partidas entre 1998 e 2017, conquistando nesse período 17 títulos, sendo o mais importante deles a Liga dos Campeões da UEFA de 2012. Terry também defendeu a Seleção Inglesa, onde foi capitão entre 2006 e 2012. Em 2005, 2006, 2007, 2008 e 2009, o zagueiro foi nomeado para a Seleção do Ano da FIFA, sendo indicado também em 2015.[3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Clubes[editar | editar código-fonte]

Terry (ao centro) em partida pelo Chelsea em 2009.

Terry começou nas equipes de base do Chelsea Football Club. Estreou pela equipe principal em Outubro de 1998, sob o comando de Gianluca Vialli. Em 2000, foi emprestado para o Nottingham Forest, retornando no mesmo ano.

Em 2001, foi eleito revelação do Chelsea e, na temporada seguinte, marcou presença em quase cinquenta jogos, marcando gols nas quartas-de-final e semifinais da Copa da Inglaterra.

Voltou a se destacar na temporada seguinte, ajudando o Chelsea a terminar o campeonato em quarto lugar. O fato de ter sido eleito, no início da temporada de 2003/2004, capitão de equipe acrescentou consistência ao futebol de Terry. O zagueiro marcou três gols em trinta e três partidas da Premier League, ajudando o Chelsea a terminar a temporada em segundo lugar. Terry revelou-se igualmente impressionante na Liga dos Campeões, antes da equipe londrina ser eliminada pelo Monaco nas semifinais.

Na temporada 2004/2005, Terry, herdando a faixa de capitão do francês Marcel Desailly, liderou o Chelsea na conquista da Premier League; o primeiro do time de Londres em cinquenta anos. Também ajudou os Blues a ganhar a Copa da Liga Inglesa e, novamente, chegar às semifinais da Liga dos Campeões, perdendo para o Liverpool.

Na temporada 2005/2006, com sua reputação cada vez mais em alta, Terry foi peça importante na equipe que conquistou o bicampeonato da Premier League.

Na final da Liga dos Campeões em 2008 (contra o Manchester United), Terry perdeu um pênalti após escorregar na hora da cobrança, acabando com as chances do Chelsea levantar a, até então, inédita taça da Champions League.

Na temporada 2009/2010, Terry foi um dos líderes da equipe, nas conquistas da Premier League e Copa da Inglaterra, o primeiro double da história do Chelsea.

Em 2012, Terry conquistou a Liga dos Campeões da UEFA pelo Chelsea, mas não jogou contra o Bayern de Munique na final, devido a uma expulsão contra o Barcelona pelas semifinais. No ano seguinte, conquistou a Liga Europa da UEFA.[4]

Em 2015, Terry venceu seu quarto título da Premier League, sendo um dos principais nomes da conquista. Com sua ajuda, o Chelsea obteve a defesa menos vazada do campeonato, sofrendo apenas 32 gols em 38 jogos.

No dia 16 de janeiro de 2016, Terry completou 700 jogos com a camisa do Chelsea, ficando atrás apenas de Ron Harris (795) e Peter Bonetti (729), entre os jogadores que mais atuaram pelos Blues.[5]

No dia 17 de abril de 2017, o Chelsea anunciou que Terry iria sair no fim da temporada. Seu último jogo com a camisa do Chelsea foi no dia 21 de maio de 2017, em uma vitória sobre o Sunderland. Após o fim da partida, Terry levantou seu quinto troféu da Premier League, sendo ovacionado pela torcida dos Blues.

No dia 7 de outubro de 2018, o jogador anunciou sua aposentadoria como atleta.[6]

Escândalos[editar | editar código-fonte]

O momento em que Wayne Bridge (número 3) se recusa a cumprimentar Terry.

Em 2010 viu-se envolvido num escândalo ao ter-se envolvido com Vanessa Perroncel, então mulher do jogador Wayne Bridge. O caso chegou a colocar em risco o futuro de Terry no English Team, já que Terry e Bridge eram companheiros de seleção.

A Federação Inglesa de Futebol emitiu na segunda-feira um comunicado sobre o assunto no qual aponta que será o próprio treinador, Fabio Capello responsável por tomar a decisão sobre o futuro de Terry como capitão da Seleção Inglesa.

Em entrevista ao jornal “Daily Mail”, Capello afirmou: “Eu sei tudo. Mas ainda não posso falar nada até voltar a Londres na quinta-feira”,

Segundo o diário “The Sun”, os jogadores ingleses vão aceitar a decisão do treinador, mas esperam que ele perdoe o caso extraconjugal do capitão.

Em 27 de fevereiro de 2010, em partida válida pelo campeonato inglês, Terry e Bridge, jogadores do Chelsea e Manchester City, respectivamente, protagonizaram uma cena histórica na hora dos tradicionais cumprimentos.

Traído por Terry, Bridge cumprimentou a todos os adversários da fila, mas, quando chegou a vez do zagueiro, deixou o jogador do Chelsea com a mão estendida no vazio e seguiu cumprimentando os demais atletas do elenco londrino, em cena repetida inúmeras vezes pela televisão.[7] O Manchester City venceu o Chelsea por 4x2 na partida que ficou conhecida como A vingança do marido traído.

Após o incidente; Terry perdeu a faixa de capitão na seleção inglesa para Rio Ferdinand, salvou seu casamento com sua atual esposa e manteve a faixa de capitão no Chelsea.

Em 23 outubro de 2011, Terry foi acusado de "perturbação da ordem pública com agravante racial" contra o companheiro de profissão Anton Ferdinand, na partida contra o Queens Park Rangers, válida pela Premier League. Depois de cinco dias de julgamento, Terry foi considerado inocente por falta de provas.[8]

Seleção Inglesa[editar | editar código-fonte]

Terry em partida pela Seleção Inglesa em 2010.

Foi chamado pela primeira vez à equipe de Sven Göran Eriksson em março de 2003, para os confrontos contra Liechtenstein e Turquia em partidas de classificação à Eurocopa. Porém, acabou não sendo utilizado e teve de esperar pelo jogo contra a Sérvia e Montenegro, em Junho.

Na sua partida, foi o melhor jogador em campo no empate com a Turquia, que carimbou a classificação da Inglaterra para a fase final, em Portugal.

Terry marcou o primeiro gol do novo Estádio de Wembley, contra a Seleção Brasileira.

No dia 23 de setembro de 2012, anunciou sua aposentadoria da Inglaterra. O zagueiro anunciou sua aposentadoria da seleção em resposta ao que considera uma perseguição da Federação Inglesa após o suposto caso racista com Anton Ferdinand, em 2011.[9]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Ano
Jogos Gols
2003 6 0
2004 9 0
2005 6 0
2006 14 2
2007 7 1
2008 6 2
2009 10 1
2010 7 0
2011 7 0
2012 6 0
Total 78 6

Títulos[editar | editar código-fonte]

Chelsea
Seleção Inglesa

Prêmios Individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Perfil de Terry no site oficial do Chelsea». Consultado em 30 de maio de 2012. Arquivado do original em 6 de janeiro de 2010 
  2. «John Terry - Perfil de jogador». www.transfermarkt.com.br (em bretão). Consultado em 16 de junho de 2022 
  3. «John Terry - Conquistas». www.transfermarkt.com.br (em bretão). Consultado em 16 de junho de 2022 
  4. Munique, Por Cahê Mota Direto de; Alemanha. «Chelsea segura o Bayern, vira nos pênaltis e leva Champions pela 1ª vez». globoesporte.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  5. Com Terry 'vilão e heroi', Chelsea arranca empate com o Everton no fim
  6. «John Terry anuncia sua aposentadoria do futebol». Jornal Esportivo Lance. 8 de outubro de 2018. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  7. «Campeonato Inglês: traído Bridge não cumprimenta traidor Terry e a vingança vem em campo com ...». O Globo. 27 de fevereiro de 2010. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  8. Londres, Por GLOBOESPORTE COM. «John Terry é absolvido das acusações de racismo contra Anton Ferdinand». globoesporte.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  9. Londres, Por GLOBOESPORTE COM. «Terry se aposenta da seleção inglesa: 'Minha posição ficou insustentável'». globoesporte.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]