John Wesley Harding

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
John Wesley Harding
Álbum de estúdio de Bob Dylan
Lançamento 27 de dezembro de 1967
Gravação 17 de outubro até 29 de novembro de 1967 no Studio A, Columbia Row Studios em Nashville, Tennessee
Gênero(s) Folk rock
Country rock
Country
Idioma(s) Inglês
Formato(s) LP, CD, SACD, K7[1]
Gravadora(s) Columbia[1]
Produção Bob Johnston[2]
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de Bob Dylan
Último
Bob Dylan's Greatest Hits
(1967)
Nashville Skyline
(1969)
Próximo

John Wesley Harding é o oitavo álbum de estúdio pelo músico americano Bob Dylan,[3] publicado pela Columbia Records em dezembro de 1967. Foi o primeiro trabalho de Dylan, depois de sofrer um acidente com uma motocicleta em julho de 1966 e foi caracterizado por uma mudança de estilo marcado de seus três trabalhos anteriores - Bringing It All Back Home, Highway 61 Revisited e Blonde on Blonde - dominados por uma mistura de rock e blues. Com um estilo cerdado de folk e country, John Wesley Harding também se contrapôs ao crescente domínio da psicodelia na música popular após o sucesso do álbum dos Beatles, Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band.

A temática do álbum também se caracteriza por uma maior utilização de parábolas e uma notavel influência da Bíblia no trabalho do músico, consolidada no final da década de 1970 com discos como Slow Train Coming que traz sua conversão ao cristianismo

John Wesley Harding foi excepcionalmente bem recebido pela crítica e apreciou sólidas vendas atingindo #2 nas paradas dos Estados Unidos e no topo das paradas do Reino Unido. Menos de três meses depois de seu lançamento, John Wesley Harding ganhou um certificado ouro pela RIAA. "All Along the Watchtower" tornou-se uma de suas canções mais populares depois que ele foi regravado por Jimi Hendrix no ano seguinte em seu álbum, Electric Ladyland.

Em 2003, o disco foi incluído na lista da revista Rolling Stone, o álbum ficou na 301º posição dos 500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Acidente de moto e The Band[editar | editar código-fonte]

"Eu estava em turnê na maioria das vezes ... Austrália, Suécia ... um passeio no exterior. Depois voltei e na primavera, estava programado para voltar para fora, eu estava indo para voltar em turnê em julho. Blonde on Blonde estava no topo das paradas. Nesse momento, tive um acidente de moto e fiquei recluso por um tempo e eu senti a importância desse acidente, pelo menos até um ano depois. Quer dizer, eu pensei que eu iria me levantar e ir fazer o que você fez antes ... Mas eu não podia mais fazer isso."

Bob Dylan acabara de voltar de uma turnê pela Europa quando conseguiu alguns dias de férias no meio de 1966. Nesta época, uma nova turnê americana já estava agendada, uma emissora de televisão havia dado US$100 mil como adiantamento para um especial e a editora Macmillan cobrava o cantor pelo seu livro Tarantula, que já recebera até divulgação na mídia. Bob Dylan sofria pressões de todos os lados. [5]

Era 29 de julho de 1966 quando Bob Dylan dava uma volta com sua moto Triumph Tiger 100 de 500 cilindradas pela região de Woodstock. Sara Dylan o acompanhava de carro quando viu Bob perder o controle da moto e cair. Boatos indicavam que a vida de Dylan estava em risco. A real gravidade do acidente permanece um mistério. A versão “oficial” é que Bob quebrou o pescoço e quase morreu. Porém, há quem diga que Dylan usou o acidente para fugir de todas as exigências que o pressionavam. Bob Dylan ficou uma semana no hospital e diz ter passado um mês de repouso em sua casa. [5]

Com sua turnê cancelada, Dylan permaneceu em sua casa, em Woodstock, para descansar. Este hiato serviu principalmente para que Bob pudesse desempenhar seu papel de pai e marido, além de montar projetos. Um deles foi a exaustiva edição do documentário Eat The Document, sobre a recente turnê elétrica.

Bem mais despretensioso, Bob passou de junho a outubro de 1967 tocando quase diariamente com seu então grupo, recém-intitulado The Band. Dylan ia até a mansão em que a banda estava hospedada, a famosa Big Pink, e tocavam improvisos e canções tradicionais. Estes encontros foram registrados e se transformariam no disco “The Basement Tapes”, lançado em 1975.[5]

Morte de Woody Guthrie[editar | editar código-fonte]

Enquanto o mundo se admirava com a psicodelia, Bob Dylan permanecia recluso. Apesar desta época receber grandes lançamentos inovadores, como “Sgt. Pepper's” dos Beatles, “Pet Sounds” dos Beach Boys e ver nascer o grupo Velvet Underground, Dylan parece ter sido mais influenciado pela péssima notícia que recebera.[5]

Woody Guthrie com seu violão rotulado como "Esta máquina mata fascistas"

No dia 3 de outubro, Woody Guthrie não resistiu às complicações de saúde por conta de sua doença de Huntington. Um dos maiores ídolos de Dylan, e razão de sua ida à New York, Guthrie deixava o mundo e isso provavelmente afetou drasticamente seu aprendiz.[5]

Gravação[editar | editar código-fonte]

Duas semanas depois da morte de Woody, no dia 17 de outubro, Bob Dylan viajou para Nashville para gravar no Columbia Music Row Studios, mesmo local em que gravara seu disco anterior (Blonde on Blonde).[5]

Charlie McCoy foi o único músico, junto com Kenny Buttrey e Pete Drake, que participou com Dylan na gravação de John Wesley Harding

Dylan manteve o produtor Bob Johnston, mas dessa vez recrutou apenas dois músicos – Kenneth Buttrey (bateria) e Charlie McCoy (baixo) – para participar das três sessões de gravação (17/10, 6/11 e 21/11). Pete Drake (steel guitar) tocou apenas nas duas últimas faixas do álbum.

O início de John Wesley Harding já mostra o caminho que Dylan trilharia. Enquanto muitos experimentavam ruídos, ecos e artimanhas tecnológicas no estúdio, Bob iniciava seu disco apenas com violão. Em seguida, baixo, voz e bateria dão o tom. O retrato do jovem de “Blonde on Blonde” não é mais o mesmo.[5]

Arte da capa[editar | editar código-fonte]

A capa de John Wesley Harding possui uma foto bucólica (uma polaroide de John Berg) de um Dylan meio barbado e sorridente. Em sua companhia, o carpinteiro Charlie Joy e dois integrantes da trupe Bauls of Bengal (que estavam hospedados na casa de Albert Grossman).[5]

Outro ponto importante é o texto na contracapa. Escrito por Bob Dylan, a nota narra a história de três reis que percebem que “a chave é Frank”. Frank é acompanhado de Terry Shute e Vera.[5]

Lançamento e recepção[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 5 de 5 estrelas. [6]
Entertainment Weekly A[7]
The Rolling Stone Album Guide 5 de 5 estrelas. [8]

Após o seu lançamento, apesar da rejeição de Dylan para ser promovido, John Wesley Harding ganhou críticas favoráveis na imprensa musical. Jon Landau o destacou como um contraponto na era da música psicodélica e escreveu no jornal Crawdaddy!: Para um álbum ser lançado entre Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, Their Satanic Majesties Request e After Bathing at Baxter's, alguém deve ter muita confiança no que ele está fazendo. Dylan parece não sentir necessidade de responder às tendências predominantes na música pop. E ele é o único artista pop que pode decidir isso.[9] Gordon Mills, da revista Rolling Stone, comentou: Sem dúvida, este é mais um passo importante para a música de Bob Dylan. A prevalência do country blues, o branco e o negro, desde Hank Williams para Leadbelly não tem precedentes na música elétrica. A steel guitar evoca sombras de Black Ace em em muitos alpendres do sul. Quanto à mensagem e o significado, todos podem sentir o retorno ao mais frio e mais despreocupado de toda a cena que gira em torno da consciência. O compromisso é, como sempre, extremamente sincero. E Bob certamente vai concordar que J.S. Bach também tentou, da maneira mais difícil, dizer-nos que as gaivotas tinham asas para voar."[10]

Em retrospecto, John Wesley Harding tem mantido um sucesso de crítica ao longo dos anos. Em 2000, o biógrafo Clinton Heylin escreveu: John Wesley Harding continua sendo um dos álbuns mais duradouros de Dylan. Ele nunca construiu um álbum-como-um-álbum tão conscientemente. Sem cair a tentação a incorporar visões de porão como "Going to Acapulco" e "Clothesline Saga". Dylan conseguiu em menos de seis semanas, construir sua coleção oficial perfeitamente executada.

No campo comercial, John Wesley Harding tornou-se o terceiro número um de Dylan no Reino Unido, depois de The Freewheelin'e Bringing It All Back Home.[11] O álbum também alcançou o número um na lista dos álbuns mais vendidos da Austrália,[12] enquanto nos Estados Unidos alcançou o posto de 2º lugar na Billboard 200, a posição mais alta para um disco do músico até o lançamento de Planet Waves seis anos depois.[13]

Em sua primeira semana, John Wesley Harding vendeu mais de 250.000 cópias nos Estados Unidos, uma cifra que os executivos da Columbia consideraram com um dos "discos mais vendidos" que eles se lembram.[14] Três meses após o seu lançamento, a RIAA certificou John Wesley Harding com um disco de ouro por mais de meio milhão de vendas. Em 2001, o álbum foi listado como platina para alcançar a cifra de um milhão de cópias vendidas nos Estados Unidos.

Em 2003, a revista Rolling Stone colocou o álbum na 301ª posição da lista dos 500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos, .[15] enquanto a versão de All Along the Watchtower feita por Jimi Hendrix ficou na 47ª posição na lista das 500 Melhores Canções de Todos os Tempos também feita pela revista Rolling Stone.

Posição nas listas[editar | editar código-fonte]

País Lista Posição
 Austrália align="center"|1
 Estados Unidos Billboard 200[17] 2
 Noruega VG-lista Top 40 Albums[18] 4
 Reino Unido UK Albums Chart[19] 1

Certificados[editar | editar código-fonte]

Data País Organização
certificador
Certificação Vendas
certificadas
16 de agosto de 2001  Estados Unidos[20] RIAA Platina 1 000 000

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as faixas por Bob Dylan

Lado 1[editar | editar código-fonte]

  1. "John Wesley Harding" – 2:58
  2. "As I Went Out One Morning" – 2:49
  3. "I Dreamed I Saw St. Augustine" – 3:53
  4. "All Along the Watchtower" – 2:31
  5. "The Ballad of Frankie Lee and Judas Priest" – 5:35
  6. "Drifter's Escape" – 2:52

Lado 2[editar | editar código-fonte]

  1. "Dear Landlord" – 3:16
  2. "I Am a Lonesome Hobo" – 3:19
  3. "I Pity the Poor Immigrant" – 4:12
  4. "The Wicked Messenger" – 2:02
  5. "Down Along the Cove" – 2:23
  6. I'll Be Your Baby Tonight" – 2:34

Créditos[editar | editar código-fonte]

Músicos adicionais[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

  • John Berg – foto da capa
  • Bob Johnston - produtor
  • Charlie Bragg - engenheiro de som

Referências

  1. a b Discogs. «Bob Dylan - John Wesley Harding» (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  2. Allmusic. «Bob Johnston - Biography» (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  3. [1] Discogs.com listing for JWH
  4. The RS 500 Greatest Albums of All Time
  5. a b c d e f g h i j >«O melhor disco de Dylan (pt.3): Para a minha história - Dylanesco». 12 de novembro de 2015. Consultado em 12 de novembro de 2015. 
  6. Allmusic. «John Wesley Harding - Bob Dylan - Songs, Reviews, Credits, Awards» (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  7. Flanagan, Bill (29 de maio de 1991). «Dylan Catalog Revisited». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  8. Rolling Stone (2004). The New Rolling Stone Album Guide (em inglês) (Nueva York: Simon & Schuster). ISBN 0-7432-0169-8. 
  9. Riley, 1999, p. 171.
  10.  Mills, Gordon (24 de fevereiro de 1968).«John Wesley Harding - Album Review».Rolling Stone
  11. Official Charts. «Artist: Bob Dylan»
  12. Kent, David (1993). Australian Chart Book 1970-1992 (en inglés). St. Ives, S.W.: Australian Chart Book. ISBN 0-646-11917-6.
  13. Allmusic. «John Wesley Harding - Bob Dylan - Awards»
  14. Rolling Stone (24 de fevereiro de 1968). «Dylan LP 'John Wesley Harding' To Sell A Million Copies» (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  15. Rolling Stone. «47: The Jimi Hendrix Experience, 'All Along the Watchtower'» (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  16. Kent, David (1993). Australian Chart Book 1970-1992 (em inglês) (St. Ives, S.W.: Australian Chart Book). ISBN 0-646-11917-6. 
  17. Allmusic. «John Wesley Harding - Bob Dylan - Awards» (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  18. norwegiancharts.com. «Bob Dylan - John Wesley Harding» (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2015. 
  19. Official Charts. «Artist: Bob Dylan» (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  20. RIAA. «Searchable Database» (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2015. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Bob Dylan é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.