Jon Krakauer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jon Krakauer
Nascimento 12 de abril de 1954
Brookline, Massachusetts, EUA
Nacionalidade  Estados Unidos
Cônjuge Linda Mariam Moore (1980 - presente)
Ocupação Escritor, Editor
Prémios Clube Alpino Americano de literatura; American Academy Of Arts And Letters

Jon Krakauer (Brookline, Massachusetts, 12 de Abril, 1954) é um escritor, jornalista e alpinista americano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

John Krakauer, nasceu em Brookline, Massachusetts. Mudou-se para Corvallis - Oregon, aos dois anos. Competiu no tênis em Corvallis High School e graduou-se em 1972. Em 1972 estudou no Hampshire College, em Massachusetts, e em 1976 recebe seu diploma em Estudos Ambientais.

Grande admirador de Truman Capote de quem recebeu forte influência no estilo jornalístico. Em 1977, conhece a jovem Linda Mariam Moore, com quem se casa em 1980. Em 1983, abandona o trabalho de carpinteiro e pescador para tornar-se escritor. Vive em Seattle, Washington.

Vencedor do prêmio do Clube Alpino Americano de literatura sobre montanhismo, foi finalista no National Magazine Award. Krakauer alcançou popularidade escrevendo para a revista Outsider, da qual também é editor. Colabora ainda com várias revista entre elas a National Geografic e a GEO.

Em 1999 recebeu da American Academy Of Arts And Letters, um prêmio pelo conjunto de sua obra jornalística.

A escrita de Krakauer[editar | editar código-fonte]

No início de Na Natureza Selvagem, Krakauer diz: “Não tenho pretensão de ser um biógrafo imparcial. A estranha história de McCandless tocou-me pessoalmente de tal forma que tornou impossível um relato desapaixonado da tragédia. Na maior parte do livro tentei - creio que, em larga medida, com sucesso - minimizar minha presença de autor”. Desse modo, o escritor norte-americano constrói, com momentos de narrativa em primeira pessoa, suas crenças e impressões sobre determinados fatos e paralelos destes com sua própria vida, uma aproximação muito forte entre autor, leitor e personagens, fundamental para que o leitor se sinta sensibilizado e os biografados adquiram traços de heroísmo.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • No Ar Rarefeito - 1998 - (Companhia das letras).

O livro relata a tragédia de 10 de maio de 1996 no Monte Everest. Convidado pela revista Outsider a escrever um artigo sobre o crescimento de pessoas inexperientes que se aventuravam para escalar o Everest, Krakauer juntou-se a uma expedição comercial. Com mudança do tempo e alguns erros na condução da expedição, esta escalada tornou-se uma das maiores tragédias de todos os tempos. No final da expedição, oito pessoas estavam mortas, incluindo o guia.

Depois de vencer o trauma sofrido, John Krakauer escreve um relato minucioso onde procura analisar o que levou a expedição ao fracasso total e à tragédia. Em seu livro, John Krakauer faz uma denúncia contra a ganância que move a maioria dos promotores de expedições ao Everest, a montanha mais alta e mítica do planeta.

O livro virou filme, com o título, "Morte no Everest" - (Into The thin Air: Death on Everest).

  • Into the wild: Na Natureza Selvagem- 1998 (Companhia das Letras, Brasil); O Lado Selvagem - 2008 (Presença, Portugal).

Krakauer pesquisou obsessivamente a vida e a morte prematura do jovem Christopher McCandless, que abandona tudo e parte em uma aventura sem volta. Com o pseudônimo de "Alexander Supertramp", começa sua viagem no Oeste dos E.U.A. e é encontrado morto no Alasca. O artigo para a revista Outsider, depois se transformou em livro. Além da pesquisa, Krakauer refez todo o trajeto da aventura do jovem pelo país e entrevistou todas as pessoas envolvidas na história. Krakauer analisou todos os detalhes que levaram este jovem de classe média americana a embarcar nesta aventura solitária.

O Livro foi vendido para vários países entre eles Itália, França, Holanda, Dinamarca e Brasil. O livro permaneceu na lista dos mais vendidos, do New York Times por dois anos.

  • Filme "Into the Wild"

O livro “Into the Wild” foi adaptado para o cinema pelo diretor/realizador Sean Penn e lançado em 2007. Foi vencedor de Vários prêmios de cinema, um Globo de Ouro e duas indicações ao Oscar: Ator coadjuvante para Hal Holbrook e Melhor Montagem.

Indicado também a dois Festivais de Cinema por melhor canção e várias outras listas americanas.

  • Sobre Homens e Montanhas - 1999 -(Companhia das Letras).

Coletânea de artigos que tenta desvendar as razões que levam homens e mulheres a se lançarem em busca da aventura e do desconhecido, sem medo da morte.

  • Pela Bandeira Do Paraíso - 2003- (Companhia das Letras).

Neste livro “Pela Bandeira do Paraíso”, Krakauer relatou minuciosamente um episódio policial que gerou muita polémica nos EUA, em 1984. Membros de uma seita fundamentalista que se separou da Igreja Mórmon ou “Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias”, os irmãos Dan e Ron Laffety assassinaram a facadas sua cunhada e a filha de 15 meses desta, dizendo terem recebido ordens diretas de Deus. Mais do que um relato sensacionalista o livro é um alerta, aos perigos do fanatismo religioso.

Com mais de 11 milhões de adeptos a Igreja Mórmon representa uma fatia dos E.U.A, que segue fielmente, os ensinamentos religiosos de Joseph Smith, o fundador da religião. em 1830, Smith, afirmava ter recebido revelações divinas que o nomeavam o profeta escolhido por Deus. De acordo com Smith, a poligamia estava prevista nas revelações recebidas. Smith, publicou com outro nome, um livro com o título "O pacificador". Quando se viu perseguido pela opinião pública americana Smith renunciou à poligamia e a autoria do livro, em obediência à Constituição Americana. Na opinião de Krakauer, Smith nunca deixou de ser um fundamentalista. Smith, foi morto a tiros numa cadeia do Estado de Illinois, em 1884.

O grupo a qual pertenciam os irmãos Lafferty ou Brian David Michell, que seqüestrou a menina Elizabeth Smart, de 14 anos, e a estuprou com o apoio de sua mulher, não representa a Igreja Mórmon. O livro de Krakauer foi um choque para o grupo. Krakauer que cresceu numa comunidade Mórmon do estado do Oregon, viajou centenas de quilómetros para visitar comunidades de fundamentalistas, que vivem isolados de tudo.

Em seu livro "Pela Bandeira do Paraíso" Krakauer, tenta mostrar que o fundamentalismo religioso é tão perigoso quanto o terrorismo e como é perigosa a idéia de achar-se dono de uma verdade incontestável.

A criação de mitos[editar | editar código-fonte]

Joseph Campbell, estudioso norte-americano de mitologia e religião, escreve em seu livro O Poder do Mito sobre a busca da verdade e de significado para a vida através dos tempos, sobre a necessidade de se criar mitos e heróis, e como eles evoluem à medida que a cultura também evolui. “Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estar vivos, de modo que nossas experiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior de nosso ser e de nossa realidade mais íntimos, de modo que realmente sintamos o enlevo de estar vivos. É disso que se trata, afinal, e é o que essas pistas (referindo-se aos mitos) nos ajudam a procurar, dentro de nós mesmos.”

Para Campbell, “a função dos artistas é a mitologização do ambiente e do mundo”. Assim, as histórias contadas por Krakauer, sobre pessoas reais que partem para suas jornadas de maneira intencional, com ações que ultrapassam o nível normal de realizações, despertam o interesse de leitores de diversos países, culturas e idades. Antes inspirados por outros mitos, como os heróis de guerra e o patriotismo norte-americanos, o alpinista como desbravador, além de personalidades que adquiriram esse status (como Liev Tolstói, Jack London e Henry David Thoreau), Chris McCandless, Pat Tillman e as dezenas de alpinistas que escalaram o Everest com Krakauer se tornam outros mitos juntamente com suas realizações, atendendo a uma necessidade de criação e renovação desses mitos ao tempo em que a sociedade passa por transformações culturais.

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • KRAKAUER, Jon. Into The Wild. New York: Random House, 2007.
  • KRAKAUER, Jon. No Ar Rarefeito. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
  • KRAKAUER, Jon. Where Men Win Glory. New York: Anchor Books, 2010.
  • CAMPBELL, Joseph. O Poder do Mito. Editora Palas Athena, 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Jon Krakauer

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]