Jorge Ángel Livraga Rizzi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde maio de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde maio de 2014). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Jorge Ángel Livraga Rizzi
Nascimento 3 de setembro de 1930
Buenos Aires
Morte 7 de outubro de 1991 (61 anos)
Madri
Cidadania Argentina
Alma mater Universidade de Buenos Aires
Ocupação Filozof, escritor
Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia

Jorge Ángel Livraga Rizzi (Buenos Aires, 3 de setembro de 1930Madri, 7 de outubro de 1991) foi um escritor, poeta, ensaísta, educador e filósofo[1][2][3] argentino naturalizado italiano, mais conhecido como fundador e diretor da Nova Acrópole (Organização Internacional Nova Acrópole, hoje presente em mais de meia centena de países), uma organização cultural internacional de educação filosófica.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Em Buenos Aires, estudou Medicina, História da Arte e Filosofia na Universidade daquela cidade.

Suas obras foram traduzidas para várias línguas, alguns dos suas principais obras incluem os romances O Alquimista e Ankor, o último príncipe de Atlântida, bem como Os espíritos da natureza e Tebas, dois estudos sobre esoterismo.

O professor Jorge Ángel Livraga Rizzi nasceu em Buenos Aires em 1930 numa família de origem italiana, nacionalidade que obteve em 1975.

Cursou estudos de Medicina especializando-se em Medicina da Antiga Índia, através da Secção da Sociedade Teosófica, de Adyar (Índia).

Licenciou-se também em História da Arte e Filosofia na Universidade de Buenos Aires.

Paralelamente, recebeu instrução dos Professores Jinarajadasa e Sri Ram, ambos presidentes da Sociedade Teosófica Mundial.

Em 1957 fundou a Escola de Filosofia “à maneira clássica” o que posteriormente se constitui como Organização Internacional Nova Acrópole.

A partir desse momento dedicou-se a impulsionar esta “aventura espiritual”, com um intenso trabalho docente e de investigação, implementando sedes na Europa e América, numa primeira fase, e a partir de 1977 na Europa Oriental, Asia, África e Oceânia.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • “Ankor, o Discípulo”, romance que evoca a época anterior ao afundamento de Poseidónis, o último vestígio atlante, segundo Platão.[4]
  • “O Alquimista”, romance histórico na procura da personagem de Giordano Bruno.[5]
  • “O Teatro Mistérico: a Tragédia”, ensaio sobre as raízes mistéricas e místicas do teatro na Grécia Clássica e a sua função catártica.
  • “Os Espíritos Elementais da Natureza”, síntese de conhecimentos tradicionais sobre o mundo invisível.
  • “Tebas”, ensaio histórico e filosófico sobre o antigo Egipto.
  • “Magia, Religião e Ciência para o Terceiro Milénio”, 6 Volumes. Através de uma grande variedade de temas o Professor Livraga reflete e propõe soluções de Filosofia prática.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.