Jorge Bernardi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jorge Bernardi
Jorge Bernardi
Vereador de Curitiba
Período 1º de janeiro de 1983
até 31 de dezembro de 2016
(7 mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nascimento 8 de março de 1956 (62 anos)
Herval d'Oeste, SC
Partido PDT (1987-2015)
REDE (desde 2015)
Profissão Professor

Jorge Bernardi (Herval d'Oeste, 8 de março de 1956) é um advogado, jornalista, professor e político brasileiro.[1] Por sete vezes exerceu o mandato de vereador na Câmara Municipal de Curitiba.

Família[editar | editar código-fonte]

Paranaense por adoção e descendente de imigrantes italianos, Jorge Luiz Bernardi é filho do ferroviário José Bernardi e de Tereza Trentin Bernardi. Teve uma única irmã Maria da Graça Bernardi. É casado com a a bióloga e professora universitária Maria Elizabete Lopes Bernardi, de família cearense. Tem dois filhos, Eduardo Augusto Capote Bernardi e Bernardo Lopes Bernardi.

Foi criado no Vale do Rio do Peixe, onde seu pai foi telegrafista e agente de estação. Morou, além de sua cidade natal, na estação de Itororó, nos municípios de Capinzal e Tangará (General Góis), antes de transferir-se para Curitiba, em janeiro de 1975.

Na capital paranaense faz o vestibular para comunicação social (habilitação em jornalismo), sendo classificado em quarto lugar no vestibular da Universidade Federal do Paraná. No ano seguinte, faz o vestibular de direito na Universidade Católica do Paraná e obteve a terceira colocação. Estudava de manhã e à noite, trabalhando à tarde para manter seus estudos, em banco, jornal (Diário Popular) e emissora de rádio (Radio Cultura). No jornal Correio de Notícias ocupou o cargo de editor de esportes.

Em 1979, já formado em jornalismo, trabalhou na COHAB de Curitiba, como jornalista e fundou o jornal Habite-se, considerado o primeiro jornal comunitário do Brasil, onde divulgava noticias e fatos das comunidades que residiam em conjuntos habitacionais. Também passou a organizar associações de moradores, elaborando seus estatutos e organizado aquelas comunidades, principalmente as que faziam parte dos programas de desfavelamento.

Vida acadêmica[editar | editar código-fonte]

É doutorando, mestre e especialista em gestão urbana pela PUC/PR. É também especialista em formação de docentes e orientadores acadêmicos em ensino à distância (EAD). Bacharel em direito (advogado) formado pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1980) e bacharel em comunicação social, habilitação em jornalismo, pela Universidade Federal do Paraná (1978). É vice-reitor do Centro Universitário Internacional (UNINTER).

Foi coordenador da Escola de Gestão Pública, Política Jurídica da Uninter, e do curso superior tecnológico de gestão pública, nas modalidades presencial e a distância. Coordenou o curso de pós-graduação lato sensu, MBA em administração pública e gerência de cidades, e os cursos de extensão em direito eleitoral na prática, organização de campanha politica, e marketing político e eleitoral da Uninter. É professor da PUC/PR na pós-graduação em defesa civil; na faculdade de direito de Francisco Beltrão, na pós-graduação em direito municipal; e na Faculdade OPET em Curitiba, em pós-graduação em gestão pública.

É autor dos livros A Organização Municipal e a Política Urbana (3ª edição); O Processo Legislativo Brasileiro (2ª. edição), com tiragem de mais de 40 mil exemplares; e coautor do livro Gestão de Serviços Públicos Municipais, com Nelson Brudeki Martins (no prelo).[carece de fontes?]

Vida pública[editar | editar código-fonte]

Como advogado trabalhista, com grande atuação nos movimentos populares e sindicais, em 1982 foi eleito vereador de Curitiba. Sua atuação firme, voltada aos interesses das classes trabalhadoras, das pequenas e médias empresas, da educação, das igrejas, dos movimentos populares e alternativos, fez com que fosse reeleito sucessivas vezes à Câmara de Curitiba.[carece de fontes?]

Vereador de Curitiba eleito para o sétimo mandato (2013 a 2016), foi presidente da Câmara Municipal de Curitiba (1989 a 1990), quando aquele órgão foi apontado pela imprensa como um dos melhores legislativos do Brasil[carece de fontes?]. As despesas da câmara municipal, que representavam 6,4 % do orçamento de municipal de Curitiba, foram reduzidas para 1,8 % ao deixar a presidência. Foram dispensados 154 funcionários (o quadro da Câmara de Curitiba foi reduzido de 534 para 380 servidores). Os salários dos vereadores curitibanos eram os mais baixos das capitais brasileiras, representando apenas 10 % da remuneração dos deputados estaduais. Os veículos oficiais foram reduzidos de 39 para apenas seis[carece de fontes?]. Acabou-se com a aposentadoria dos vereadores e, no final de sua gestão, devolveu aos cofres públicos (prefeitura) cerca de CR$ 75 milhões de cruzeiros.[carece de fontes?]

Presidiu o Comitê Latino Americano de Parlamentos Municipais (2001), entidade com sede no Uruguai, e que representa todos os legisladores municipais da América do Sul. Fundou e presidiu a União dos Vereadores do Paraná, (UVEPAR/ACAMPAR) por diversas vezes, a partir de 1989. Foi também presidente da Comissão de Urbanismo e Obras Públicas da Câmara Municipal de Curitiba.

Publicou e dirigiu por seis anos a revista Vereador, especializada em direito municipal e administração pública. Foi vice-presidente para Assuntos Internacionais da Associação Brasileira de Câmaras Municipais, ABRACAM. Foi secretario municipal do Trabalho e Emprego de Curitiba (2009 a 2010), quando criou as feiras do emprego e da capacitação profissional, que possibilitaram que milhares de trabalhadores pudessem conseguir um emprego.

Bernardi foi conselheiro nacional do Conselho Nacional das Cidades (2004 a 2008), membro titular do Comitê Técnico de Trânsito, Transporte e Mobilidade e membro da Comissão Executiva da 3ª Conferência Nacional das Cidades (2007-08).

Na eleição de 2016, foi candidato a vice-prefeito de Curitiba pela coligação Curitiba Justa e Sustentável, formada pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e pela Rede Sustentabilidade, tendo o deputado Requião Filho como cabeça de chapa. [2]

Referências

  1. BERNARDI, JORGE (2013). O Processo Legislativo Brasileiro 2013 ed. CURITIBA: IBPEX. p. ultima. ISBN 9788578388713 
  2. «Marina Silva declara apoio a Requião Filho em Curitiba». Bem Paraná. Consultado em 26 de agosto de 2016.