Jorge Ferreira da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Palhinha
Palhinha
Palhinha em 1993
Informações pessoais
Nome completo Jorge Ferreira da Silva
Data de nasc. 14 de dezembro de 1967 (55 anos)
Local de nasc. Carangola, Minas Gerais, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,73 m
destro
Informações profissionais
Posição ex-meia
Função Presidente
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1988–1991
1992–1995
1996–1997
1997
1998
1998–1999
1999
2000
2000
2001
2001
2001–2002
2002
2003
2003
2004
2004
2005
2005
2006
América Mineiro
São Paulo
Cruzeiro
Mallorca
Flamengo
Grêmio
Botafogo-SP
América Mineiro
Sporting Cristal
Gama
Alianza Lima
Marília
América Mineiro
Khaimah Sports
Uberaba
Bandeirante
Ipatinga
Chapecoense
Farroupilha
Guarulhos
0090 00(63)
0232 00(71)[1]
0055 00(18)
0009 000(0)
0019 000(3)
0007 000(1)
0011 000(6)


0009 000(2)

0024 000(8)
Seleção nacional
1992–1993 Brasil 0016 000(5)
Times/clubes que treinou
2007
2008
2008
2008
2008–2009
2011
2013–2015
2016
2019–
São Bernardo
Matonense
Campo Limpo Paulista
Araxá
URT
São Bernardo
Corinthians USA
Boston City (presidente)
União Almeirim (presidente)

Jorge Ferreira da Silva, mais conhecido como Palhinha (Carangola, 14 de dezembro de 1967), é um empresário, técnico e ex-futebolista brasileiro que atuava como meio-campista.[2]


Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Os primeiros passos de Palhinha no futebol foram no Venda Nova, pequeno time de Belo Horizonte, aos dez anos.

Dois anos depois, foi para o Santa Teresa, onde ficou até os dezoito anos, quando foi para o América Mineiro.[3] Foi defendendo o América que ele venceu o Troféu Guará, dado pela imprensa mineira aos destaques do futebol local, em 1986, 1987, 1988 e 1990.[3]

São Paulo[editar | editar código-fonte]

No início de 1992, foi emprestado até o fim de julho ao São Paulo, com o valor do passe fixado em quatrocentos mil dólares.[3][4] Em maio, quando já estava se destacando como artilheiro da Libertadores[4][5][6], reivindicou a contratação em definitivo. "A condição de emprestado deixa sempre na gente uma certa incerteza profissional", disse. "Além disso, acho que o preço está dentro do mercado, de ocasião."[3]

Palhinha foi Bicampeão da Libertadores, em 1992 e 1993, e do Mundial Interclubes, no Japão, nos mesmos anos. Conquistou ainda o Paulistão de 1992, o bicampeonato da Recopa Sul-Americana, em 1993 e 1994, e a Supercopa da Libertadores, em 1993. Na partida de ida das semifinais da Libertadores de 1992, quando marcou seu sétimo gol no torneio (que lhe valeria a artilharia), teve seu nome cantado pela torcida são-paulina.[7] Também marcou o primeiro gol tricolor na decisão do Mundial de 1993, contra o Milan.

Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

Negociado com o Cruzeiro em 1996 (numa troca envolvendo vários jogadores: Belletti e Serginho por Gilmar, Vítor, Donizete e Aílton, além do próprio Palhinha)[8], foi Campeão da Copa do Brasil daquele ano[9].

Pelo clube, venceu novamente a Taça Libertadores da América em 1997.

Mallorca, Flamengo e Grêmio[editar | editar código-fonte]

Depois transferiu-se para o Mallorca, da Espanha, em 1997, tendo sido a contratação mais cara do time balear até então, que pagou à época cerca de 5 milhões de reais pelo jogador.

Todavia, ficaria pouco tempo na Europa, cumprindo apenas seis meses do contrato de três anos.[10] Retornou para o Flamengo em 1998, numa equipe que, apesar de repleta de estrelas, não vingou[11] e pelo Grêmio em 1999[12], quando se sagrou campeão gaúcho.

Retorno ao América Mineiro[editar | editar código-fonte]

Retornou ao América Mineiro em 2000, onde se sagrou campeão da Copa Sul-Minas. Palhinha figura como o sétimo maior artilheiro do "Coelho".[13]

Outros clubes[editar | editar código-fonte]

Depois, passou sucessivamente por Sporting Cristal do Peru, em 2000, Gama, em 2001, Alianza Lima (onde foi campeão peruano, também em 2001), Marília, entre 2001 e 2002, novamente o América Mineiro, em 2002, Khaimah Sports (Emirados Árabes Unidos), em 2003, Uberaba, em 2003, Bandeirante de Birigui e Ipatinga, em 2004, Chapecoense e Farroupilha, em 2005, e Guarulhos, seu último clube como jogador, em 2006.

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Na Seleção Brasileira, Palhinha fez sua estreia em agosto de 1992, num amistoso contra o México, em Los Angeles.

Marcou seu primeiro gol em junho do ano seguinte, contra o Chile, na Copa América.

Chegou a ser cotado para defender a Seleção na Copa do Mundo de 1994, mas o técnico Carlos Alberto Parreira não o convocou.

Ele disputou 16 jogos pela Seleção, marcando 5 gols.

Carreira como técnico e empresário[editar | editar código-fonte]

Iniciou a carreira de treinador em 2007, comandado as categorias de base do São Bernardo.[14]

Em 2008, foi para a Matonense.[15] Nesse mesmo ano, comandou o Campo Limpo Paulista[16], o Araxá e a URT de Patos de Minas.[17]

Em 2010, foi coordenador técnico do São Bernardo[18], voltando a comandar o time em 2011.[19]

Em 2013 foi para Los Angeles, nos Estados Unidos, comandar a academia de futebol do Corinthians naquele país.[20]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

São Paulo
Cruzeiro
Grêmio
América-MG
Alianza Lima
Marília

Artilharias[editar | editar código-fonte]

São Paulo

Referências

  1. «Palhinha (Jorge Ferreira da Silva) - Futpédia». Consultado em 28 de outubro de 2009 
  2. Rogério Micheletti. «Palhinha - Que fim levou?». Terceiro Tempo. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  3. a b c d Ari Borges (24 de maio de 1992). «Palhinha se acha bom negócio». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo: Esportes, p. 8 
  4. a b Abril, Editora (agosto de 1992). Placar Magazine. [S.l.]: Editora Abril 
  5. Abril, Editora (março de 1997). Placar Magazine. [S.l.]: Editora Abril 
  6. Abril, Editora (julho de 1992). Placar Magazine. [S.l.]: Editora Abril 
  7. Roberto Benevides (29 de maio de 1992). «De Carangola até Tóquio». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo: Esportes, p. 2 
  8. «Infográfico: Troca-trocas do futebol brasileiro»  - Terra Esportes
  9. Abril, Editora (julho de 1996). Placar Magazine. [S.l.]: Editora Abril 
  10. Abril, Editora (março de 1998). Placar Magazine. [S.l.]: Editora Abril 
  11. «Palhinha era o mais caro da história de time espanhol e quis de todo jeito ir pro Flamengo». NETFLA. 14 de abril de 2007. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  12. Abril, Editora (fevereiro de 1999). Placar Magazine. [S.l.]: Editora Abril 
  13. Rafael Arruda (6 de abril de 2013). «Com mais cinco gols, Fábio Júnior entrará no top 10 de artilheiros do América». Superesportes. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  14. Tigre aposta na experiência e no carisma do técnico Palhinha
  15. «Matonense define técnico para a Segunda Divisão de 2008». Consultado em 24 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2014 
  16. «Palhinha leva jogadores da Matonense para o Campo Limpo». Consultado em 24 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2014 
  17. Palhinha é o novo técnico do URT no Módulo II do Mineiro
  18. «Após 7 anos, E.C São Bernardo volta ao futebol profissional». Consultado em 24 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 1 de março de 2014 
  19. «Querendo sair à frente na chave, Palmeiras B e São Bernardo se enfrentam». Consultado em 24 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2014 
  20. Marcelo Silva (28 de abril de 2014). «Bem nos EUA, ex-tricolor Palhinha se transforma: "Aqui é Corinthians USA!"». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de dezembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]