Jorge Moreira da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Jorge Moreira da Silva
Retrato Oficial de Moreira da Silva
Ministro(a) de Ambiente, Ordenamento do Território e Energia de  Portugal
Período XIX e XX Governos Constitucionais
Antecessor(a) Assunção Cristas
Sucessor(a) João Pedro Matos Fernandes
Vida
Nascimento 24 de abril de 1971 (45 anos)
Portugal Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Famalicão
Dados pessoais
Partido PSD
Profissão Engenheiro elétrico, Gestor de empresas
Website Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia

Jorge Manuel Lopes Moreira da Silva GOIH (Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Famalicão, 24 de abril de 1971) é um engenheiro electrotécnico e político português.

Foi Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia de Portugal.

É especialista internacional em alterações climáticas e energia.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Atualmente consultor de organizações internacionais na área da energia e ambiente, Jorge Moreira da Silva licenciou-se em Engenharia Electrotécnica, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, em 1994, e concluiu uma pós-graduação em Alta Direcção de Empresas (PADE) pela AESE/IESE Business School – Universidade de Navarra.

A sua carreira política teve início quando liderou a Juventude Social Democrata, cargo que desempenhou desde 1995 a 1998. No ano seguinte, seria integrado nas listas do PSD às eleições europeias de 1999, tendo sido deputado ao Parlamento Europeu, até 2003, quando Durão Barroso o indicou para Secretário de Estado da Ciência e do Ensino Superior (continuando depois, no governo de Pedro Santana Lopes).

Enquanto deputado ao Parlamento Europeu, destacou-se como relator permanente para as alterações climáticas. Foi autor, entre 1999 e 2003, de todos os Relatórios do PE sobre alterações climáticas, tendo sido o relator, negociador e autor da Directiva que estabeleceu o novo Sistema Europeu de Comércio de Emissões de Gases com efeito de estufa, aprovada em 2003 (esse sistema cobre, hoje, metade das emissões europeias de CO2). Presidiu às delegações do Parlamento Europeu às Conferências das Nações Unidas sobre alterações climáticas, UNFCCC realizadas em Haia, Bona e Marraquexe, onde se definiu a versão final do Protocolo de Quioto, e à Cimeira de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável (2002).Presidiu ainda às negociações UE/Rússia sobre o Protocolo de Quioto, em 2001.

Entre 2003 e 2004 foi Secretário de Estado da Ciência e do Ensino Superior do XV Governo Constitucional, de Durão Barroso (sendo Ministra da pasta Maria da Graça Carvalho); cargo que continuou a desempenhar no XVI Governo Constitucional, de Pedro Santana Lopes, até assumir o cargo de Secretário de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território desse mesmo governo, em 2005 (sendo Ministro Luís Nobre Guedes)[1].

Eleito deputado nas legislativas de 2005, Jorge Moreira da Silva deixou a Assembleia da República em 2006, quando Aníbal Cavaco Silva o chamou para consultor para a Ciência, Ambiente e Energia. Ao mesmo tempo foi consultor do Banco Europeu de Investimento (BEI), na área da Biodiversidade; e consultor da Comissão Europeia na área das alterações climáticas.

Ao fim três anos a colaborar com Cavaco Silva deixou as suas funções ao ser admitido como quadro do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, mais precisamente nas funções de Conselheiro Sénior na área da energia e alterações climáticas no PNUD. No início de 2011, seria nomeado diretor da área de Economia das alterações climáticas, Grupo de Energia e Ambiente, no PNUD, em Nova Iorque[2] Nessas funções, coordenou a área dos novos mecanismos financeiros e novos mecanismos de mercado na área da energia e alterações climáticas[3].

Entretanto, em 2011, fundou e passou a presidir ao think tank Plataforma para o Crescimento Sustentável, uma tendência dentro do PSD[4] que integrou 400 membros, repartidos por 27 grupos de trabalho. Nesse âmbito coordenou o Relatório para o Crescimento Sustentável – Uma visão pós-troika, publicado em Dezembro de 2012, identificando 27 desafios estratégicos e 511 recomendações para libertar o potencial de crescimento de Portugal.

Escolhido por Pedro Passos Coelho para primeiro vice-presidente do PSD e de coordenador permanente da Comissão Política Nacional desse partido[5], deixaria nesse momento as funções no PNUD.

Depois, na sequência da crise de 2013, a chamada crise do irrevogável, em alusão à demissão de Paulo Portas e demais ministros do CDS-PP no governo de Passos Coelho, Moreira da Silva seria nomeado Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia. Assumiu aí parte do Ministério inicialmente confiado a Assunção Cristas. Reconduzido no cargo no XX Governo Constitucional a 30 de outubro de 2015, permaneceu até novembro.

É autor dos livros Genética Humana – a hora do legislador (2002) e As alterações climáticas no mediterrâneo (2003).

Representou Portugal, em Chantilly, Virginia, no encontro de Bilderberg-2012 [6]

Condecorações[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. http://www.parlamento.pt/DeputadoGP/Paginas/Biografia.aspx?BID=1012 Biografia, in Parlamento.pt
  2. http://economico.sapo.pt/noticias/moreira-da-silva-promovido-nas-nacoes-unidas_111473.html Moreira da Silva promovido na ONU
  3. http:www.un.org Nações Unidas
  4. http://crescimentosustentavel.org
  5. http://www.psd.pt/?idc=102 Órgãos Nacionais, in Site Oficial do Partido Social Democrata
  6. http://www.infowars.com/bilderberg-2012-the-official-list-of-participants/
  7. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras». Resultado da busca de "Jorge Manuel Lopes Moreira da Silva". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2016-02-22. 
  8. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Jorge Manuel Lopes Moreira da Silva". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2016-02-22. 
Precedido por
Assunção Cristas
(como ministra da Agricultura, do Mar,
Ambiente e Ordenamento do Território
)

Álvaro Santos Pereira
(como ministro da Economia e do Emprego)
Ministro do Ambiente, Ordenamento do
Território e Energia

XIX e XX Governos Constitucionais
2013 – 2015
Sucedido por
João Pedro Matos Fernandes
(como ministro do Ambiente)
Manuel Caldeira Cabral
(como ministro da Economia)