Jorge Sampaoli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jorge Sampaoli
Jorge Sampaoli
Sampaoli em coletiva de imprensa na Copa do Mundo FIFA de 2018.
Informações pessoais
Nome completo Jorge Luis Sampaoli Moya
Data de nasc. 13 de março de 1960 (59 anos)
Local de nasc. Casilda, Argentina
Nacionalidade argentino
Altura 1,67 m
Informações profissionais
Equipa atual Santos
Posição Ex-lateral direito
Função Técnico
Clubes de juventude
1977–1979 Newell's Old Boys
Times/Equipas que treinou
1994–1995
1996
1996–1997
1997
1998
1999–2000
2000
2001
2002
2003
2004–2006
2007
2008–2009
2010
2011–2012
2012–2016
2016–2017
2017–2018
2019–
Alumni de Casilda
Belgrano de Arequito
Argentino de Rosario
Alumni de Casilda
Belgrano de Arequito
Aprendices Casildenses
Argentino de Rosario
Alumni de Casilda
Juan Aurich
Sport Boys
Coronel Bolognesi
Sporting Cristal
O'Higgins
Emelec
Universidad de Chile
Chile
Sevilla
Argentina
Santos
000
000
000
000
000
000
000
000
000
00
0
00
00

0118
0042
0053
0015
0050
Última atualização: 25 de agosto de 2019

Jorge Luis Sampaoli Moya[1] (Casilda, 13 de março de 1960)[2] é um técnico e ex-futebolista argentino que atuava como lateral-direito. Atualmente comanda o time do Santos.[3]

Iniciou a sua carreira como jogador e, após uma grave lesão, decidiu ser técnico. Começou treinando o Coronel Bolognesi, do Peru, em 2004, e continuou com breves mas bem-sucedidos trabalhos no O'Higgins, do Chile, e no Emelec, do Equador.

Foi muito elogiado na Universidad de Chile, conquistando três títulos do Campeonato Chileno e a Copa Sul-Americana. Este sucesso o levou a treinar a Seleção Chilena em 2012, substituindo Claudio Borghi. Depois de derrotar a Argentina na final da Copa América 2015, levou a Seleção ao seu primeiro título. É bastante conhecido por seu estilo de jogo ofensivo semelhante ao de Marcelo Bielsa, de acordo com a imprensa e os fãs.[4]

Em 28 de junho de 2016, Sampaoli assinou um contrato de dois anos com o Sevilla.

Depois de passar apenas um ano na Espanha e ter levado o Sevilla ao quarto lugar no Campeonato Espanhol, garantindo assim uma vaga na Liga dos Campeões, Sampaoli deixou o clube para treinar a Seleção Argentina.

Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira nas categorias de base do Newell's Old Boys. Como jogador, passou a maior parte de sua trajetória jogando em equipes amadoras da Liga Casildense da Argentina, mas uma lesão de tíbia e fíbula o forçou a deixar os campos com 19 anos.[5]

Carreira como técnico[editar | editar código-fonte]

No banco de reservas, Sampaoli iniciou sua trajetória dirigindo as categorias de base do Alumni de Casilda no ano de 1992. Em 1994, o argentino fez sua estreia no time principal do Alazán.[6] Sua carreira como treinador não foi fácil, mas sempre mostrou compromisso com seus objetivos, como em 1996, quando dirigia o Club Atlético Belgrano de Arequito, da Liga Casildense, da qual foi campeão desse mesmo ano. Foi quando ele foi proibido de entrar na partida, então ele subiu numa árvore para continuar o jogo e gritou as instruções. Uma foto da cena saiu no jornal La Capital de Rosario, e chamou a atenção de Eduardo José López, então presidente do Newell's Old Boys, que ofereceu o cargo de treinador no Argentino (administrado pela entidade rosarina).

Após outras experiências na Liga Casildense, resultando no bicampeonato quando dirigia o Aprendices Casildenses, nos anos de 1999 e 2000, Sampaoli retornou ao Argentino, na Primera B Metropolitana, comandando o Salaíto no ano de 2000. Logo, em 2002, foi para o Juan Aurich do Peru, seu primeiro clube como treinador de primeira divisão.[7] Sampaoli dirigiu o time só em 8 partidas e ganhou apenas 1, então ele saiu em meados de maio do mesmo ano.[8]

Em meados do mesmo ano foi contratado pelo Sport Boys, onde permaneceu até o Campeonato Descentralizado de 2003 que não terminou por greve dos jogadores no Peru, no ano seguinte acertou com o Coronel Bolognesi. Deixou o clube em 2005 e retornou em junho de 2006 para a disputa do Torneio Clausura e a Copa Sul-Americana de 2006.[9]

Em 2007, dirigiu o Sporting Cristal.

No final de 2007 acertou com o O'Higgins para o lugar de Jorge Garcés.[10] Em sua primeira temporada ficou em terceiro lugar na tabela geral do Torneio Apertura de 2008, onde mais tarde foi eliminado nos playoffs pela Universidad de Chile. Em agosto de 2009 deixou o O'Higgins por causa dos maus resultados.

Mais tarde, em 2010, Sampaoli foi contratado pelo Emelec do Equador,[11] com o qual participou da Copa Libertadores da América de 2010, passando pela Primeira fase e ficando na fase de grupos. Com este mesmo clube, ficou em primeiro lugar geral do Campeonato Equatoriano alcançando o objetivo que era se classificar para a Copa Sul-Americana de 2010 e a Copa Libertadores da América de 2011.

Em junho de 2010, o Emelec foi eleito pela IFFHS a melhor equipe do mundo no mês.[12][13] Nesse mesmo ano foi vice-campeão do Campeonato Equatoriano.

Universidad de Chile[editar | editar código-fonte]

Em 15 de dezembro de 2010, foi anunciado como treinador da Universidad de Chile.[14]

Em 12 de junho de 2011, conseguiu seu primeiro título profissional como treinador da Universidad de Chile, com uma vitória de 4 a 1 sobre a Universidad Católica e conquistando o Apertura de 2011.

Em 14 de dezembro de 2011, a Universidad de Chile foi pela primeira vez campeã de uma competição internacional, a Copa Sul-Americana de 2011.

Em 29 de dezembro de 2011, foi campeão do Clausura de 2011 ganhando por 3 a 0 do Cobreloa e se tornou bicampeão do Campeonato Chileno.

Em 2012, chegou na semifinal da Copa Libertadores da América perdendo para o Boca Juniors por 2 a 0 na La Bombonera e empatando por 0 a 0 no Estádio Nacional de Chile.

Após a Copa Libertadores da América, Sampaoli despertou o interesse de grandes clubes do Brasil, como Cruzeiro e Flamengo.[15][16]

Se tornou tricampeão do Campeonato Chileno ao conquistar o Apertura de 2012, batendo nos pênaltis o seu ex-clube, O'Higgins.[17]

Após a conquista do Apertura de 2012, Sampaoli se reuniu com o presidente da Universidad de Chile José Yuraszeck e acertou sua permanência na equipe, iniciando, inclusive, o planejamento para o Clausura de 2012.[18]

Seleção Chilena[editar | editar código-fonte]

Em 3 de dezembro de 2012, Sampaoli deixou o Universidad de Chile para assumir a Seleção Chilena. Quando o treinador chegou à seleção, o Chile estava ameaçado de não se classificar para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil. [19] Com Sampaoli, o Chile conseguiu melhorar nas Eliminatórias e se classificou para o Mundial. Na Copa, o Chile estreou vencendo a Austrália por 3 a 1. Depois, derrotou a Espanha, que era a atual campeã mundial, por 2 a 0. Já classificado, o time perdeu o último jogo da primeira fase para os Países Baixos, por 2 a 0. Nas Oitavas-de-Final, o Chile enfrentou o Brasil, dono da casa. Numa partida dramática, o Chile esteve bem perto de eliminar o Brasil. O jogo estava empatado em 1 a 1 e, no último lance, o Chile teve uma chance de gol, mas a bola bateu na trave. Nos pênaltis, os brasileiros venceram. Mas a participação do Chile no torneio foi considerada positiva.

Com a boa participação do Chile no Mundial, Sampaoli seguiu na seleção. No ano seguinte, conquistou com o Chile a Copa América de 2015, o primeiro grande título da seleção chilena. Jogando em casa, o Chile derrotou na final a Argentina, de Lionel Messi, nos pênaltis.

Em dezembro de 2015, o Presidente interino da Federação Chilena de Futebol revelou que Sampaoli recebia um salário de 200 milhões de pesos, o que revoltou os principais clubes do país, que não concordaram com esse valor.[20] Sampaoli ficou muito decepcionado por ter tido seu salário divulgado. Além disso, o Presidente da Federação Chilena, Sergio Jadue, foi acusado de corrupção. Como ele e Sampaoli mantinham boa relação, isso desgastou a imagem do treinador no Chile. A nova direção da Federação Chilena também questionou valores que foram pagos a Sampaoli. Devido a todos esses fatores, a situação de Sampaoli no Chile se complicou e, em 19 de janeiro de 2016, o treinador deixou a seleção.[21][22]

Jorge Sampaoli comandou o Chile por 44 jogos, com 27 vitórias, 9 empates e 8 derrotas; 89 gols marcados e 44 sofridos.

Sevilla[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2016, Jorge Sampaoli assinou contrato de dois anos com o Sevilla, da Espanha.[23] No clube espanhol, o treinador começou muito bem, ajudando a equipe a se classificar para a Liga dos Campeões da UEFA de 2016–17 e a brigar pelo título do Campeonato Espanhol. Em 2017, começaram a surgir boatos de que o técnico iria deixar o Sevilla para assumir a seleção da Argentina. Em 19 de maio de 2017, numa entrevista coletiva que precedeu o confronto com o Osasuña, pelo Campeonato Espanhol, o comandante confirmou sua saída para a Seleção Argentina.[24] Esse mesmo jogo contra o Osasuña acabou sendo a última partida de Sampaoli como técnico do Sevilla. Quando Sampaoli deixou o clube, o Sevilla ocupava a quarta posição do Campeonato Espanhol.

Seleção Argentina[editar | editar código-fonte]

No dia 1 de junho de 2017, Sampaoli foi apresentado como técnico da Argentina. O treinador fechou contrato até 2022.[25]

Quando o técnico assumiu, era grande a expectativa de sua passagem pela seleção argentina. A estreia de Sampaoli pela Argentina aconteceu em 9 de junho de 2017, em amistoso contra o Brasil na Austrália. A Argentina venceu por 1 a 0, provocando a primeira derrota do Brasil com o técnico Tite.[26]

Mas, nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, a Argentina não exibiu bom futebol, obteve seguidos resultados negativos e esteve ameaçada de não ir ao Mundial. O time só se classificou na última rodada, com uma vitória por 3 a 1 sobre o Equador fora de casa. Sampaoli passou a ser extremamente contestado na Argentina.

Na Copa do Mundo de 2018, disputada na Rússia, a Argentina continuou mal. O time só empatou em 1 a 1 na estreia contra a Islândia. Depois, foi atropelado pela Croácia, perdendo por 3 a 0. No último jogo, o time venceu com dificuldade a Nigéria por 2 a 1, conseguindo a classificação para a próxima fase. Nas Oitavas-de-Final, a Argentina ainda fez uma grande partida contra a França, mas perdeu por 4 a 3, sendo eliminada. Durante a Copa, além do futebol ruim e irregular da Argentina, Sampaoli perdeu o comando do grupo e a imprensa divulgou que os próprios jogadores passaram a escalar a equipe.[27][28] Sampaoli foi muito criticado na Argentina por não definir um esquema tático, sempre mudar o time titular e por escalar jogadores fora de suas posições.[29] Apesar de tudo, após a eliminação na Copa, o treinador descartou pedir demissão e a Associação de Futebol Argentina considerou muito cara a multa rescisória, prevista em contrato, para demitir o treinador. Isso levantou a possibilidade de Sampaoli continuar na Seleção.[30][31]

No dia 15 de julho de 2018, a Associação de Futebol Argentina confirmou a rescisão de contrato com Sampaoli.[32] O treinador comandou a Argentina por 15 jogos, com 7 vitórias, 4 empates e 4 derrotas.

Santos[editar | editar código-fonte]

Foi anunciado como novo técnico do Santos no dia 17 de dezembro de 2018, assinando contrato por duas temporadas.[33]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Atualizadas até 17 de novembro de 2019.

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Universidad de Chile 118 72 28 18 68.93%
Seleção Chilena 42 27 6 9 69.05%
Sevilla 53 27 12 14 58.49%
Seleção Argentina 15 7 4 4 55.56%
Santos 60 32 14 13 60.54%

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como técnico[editar | editar código-fonte]

Chile
Universidad de Chile
Aprendices Casildenses
Belgrano de Arequito

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Jorge Luis Sampaoli Moya». br.soccerway.com. Consultado em 3 de julho de 2012 
  2. «Ficha técnica do treinador». goal.com. Consultado em 3 de julho de 2012 
  3. «Santos anuncia acordo com Jorge Sampaoli». Super Esportes. 13 de dezembro de 2018. Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  4. «How Jorge Sampaoli has rekindled the embers of Chile's Bielsa years». The Guardian. Consultado em 19 de maio de 2019 
  5. «Jorge Sampaoli es presentado como nuevo técnico de U. de Chile» (em espanhol). latercera.com. 15 de dezembro de 2010. Consultado em 3 de julho de 2012 
  6. «Fútbol, rock y rebeldía en la vida de Jorge Sampaoli» (em espanhol). rosario3.com. 30 de maio de 2015. Consultado em 26 de julho de 2015 
  7. «Fichajes 2002: Juan Aurich» (em espanhol). Consultado em 3 de julho de 2012 
  8. «Grata coincidencia» (em espanhol). DeChalaca.com. 17 de dezembro de 2010. Consultado em 3 de julho de 2012. Arquivado do original em 20 de setembro de 2017 
  9. «Sampaoli llega para dirigir al Bolognesi» (em espanhol). terra.com.pe. 27 de junho de 2006. Consultado em 3 de julho de 2012 
  10. «Jorge Sampaoli es el nuevo entrenador de O´Higgins» (em espanhol). cooperativa.cl. 12 de dezembro de 2007. Consultado em 3 de julho de 2012 
  11. «Jorge Sampaoli es el nuevo DT de Emelec» (em espanhol). eluniverso.com. 18 de dezembro de 2009. Consultado em 3 de julho de 2012 
  12. «El equipo del mes del mundo» (em espanhol). iffhs.de. Consultado em 3 de julho de 2012 
  13. «DT de Emelec Jorge Sampaoli contento con designación de IFFHS» (em espanhol). marcador.ec. 7 de julho de 2010. Consultado em 3 de julho de 2012 
  14. «La increíble historia de Sampaoli, el DT que partió arriba de un árbol» (em espanhol). ElMercurio.com. 3 de dezembro de 2010. Consultado em 3 de julho de 2012 
  15. «Jorge Sampaoli, do Universidad de Chile, é cotado para assumir Cruzeiro». GloboEsporte.com. 10 de maio de 2012. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  16. «Após 'testar' nome de Dunga, Fla faz contato com Jorge Sampaoli». GloboEsporte.com. 28 de junho de 2012. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  17. «Alvo do Fla, Sampaoli é expulso e vê La U ser campeã chilena nos pênaltis». GloboEsporte.com. 2 de julho de 2012. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  18. «Presidente de La U afirma que Sampaoli vai continuar no clube». GloboEsporte.com. 3 de julho de 2012. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  19. «Jorge Sampaoli é anunciado como novo técnico da seleção chilena». Estadão. 3 de dezembro de 2012. Consultado em 6 de março de 2019 
  20. «Clubes chilenos se revoltam com salário de Sampaoli: mais de R$ 1,1 milhão por mês». ESPN.com.br. 18 de dezembro de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  21. «Jorge Sampaoli chega a acordo com ANFP e deixa o Chile após três anos». GloboEsporte.com. 19 de janeiro de 2016. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  22. «Jorge Sampaoli deixa o comando do Chile». Jornal O Globo. 20 de janeiro de 2016. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  23. «Técnico Jorge Sampaoli assina por duas temporadas com o Sevilla». Extra. 27 de junho de 2016. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  24. «Sampaoli, enfim, confirma: "Estou deixando o Sevilla pela minha seleção"». GloboEsporte.com. 19 de maio de 2017. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  25. «Sampaoli é apresentado como técnico da Argentina: "Respeitar a história"». GloboEsporte.com. 1 de junho de 2017. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  26. «Em estreia de Sampaoli, Argentina tira invencibilidade da Seleção de Tite». Gazeta Esportiva. 9 de junho de 2017. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  27. «Sampaoli perde poder e jogadores vão decidir quem serão titulares da Argentina». iG. 24 de junho de 2018. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  28. «Argentina: Mascherano 'assume' posto de auxiliar técnico e escala time com Sampaoli». 25 de junho de 2018. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  29. «Os cinco grandes erros de Jorge Sampaoli na seleção argentina». Goal.com. 17 de julho de 2018. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  30. «Sampaoli descarta pedir demissão após eliminação da Argentina». Agência Brasil. 30 de junho de 2018. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  31. «Argentina sonha com a saída de Sampaoli, mas multa milionária o protege». iG. 2 de julho de 2018. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  32. «AFA pechincha multa rescisória, e Sampaoli dá adeus à seleção argentina». Gazeta Esportiva. 15 de julho de 2018. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  33. «Santos anuncia a contratação do técnico Jorge Sampaoli». GloboEsporte.com. 17 de dezembro de 2018. Consultado em 14 de outubro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Edgardo Bauza
Treinadores da Seleção Argentina
2017–2018
Sucedido por
Lionel Scaloni
Precedido por
Cuca
Treinadores do Santos
2019–
Sucedido por