Jorgeh Ramos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jorgeh Ramos
Nome completo Jorgeh José Ramos
Nascimento 3 de fevereiro de 1941
Recife, Pernambuco
Nacionalidade Brasileiro
Morte 1 de dezembro de 2014 (73 anos)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Ocupação Ator, locutor, dublador, jornalista
Atividade 1957-2014 (ator)
1960-2014 (jornalista)
1963-2014 (locutor)
1966-2014 (dublador)
Cônjuge Jussara Ramos (2004-2014)

Jorgeh José Ramos (Recife, 3 de fevereiro de 1941Porto Alegre, 1 de dezembro de 2014)[1] foi um ator, locutor, jornalista e dublador brasileiro. Ele trabalhou em diversos estúdios do Rio de Janeiro, era conhecido por ser a voz mais famosa de trailers no Brasil, com seu famoso bordão Sexta-feira nos cinemas. Dentre seus principais trabalhos, dublou clássicos da Disney, como os vilões Scar (O Rei Leão) e Jafar (Aladdin), além de outros vilões como Rasputin (Anastasia) e Lorde Rothbart (A Princesa Encantada).[2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jorgeh Ramos começou a carreira no teatro aos 16 anos em 1957. Na TV começou no entre o final dos anos 50 e o começo dos anos 60 na TV Jornal do Comércio em Recife participando de teleteatros, que eram apresentados ao vivo. Em 1963 a carreira de locutor na Rádio de Recife.

Alguns anos depois, em 1966, foi tentar carreira em São Paulo, aonde permaneceu por 2 anos e depois foi para o Rio de Janeiro em 1968.

Como dublador começou por volta de 1966 quando veio para São Paulo, trabalhou na extinta AIC e na Cinecastro de São Paulo, por 2 anos, quando mudou-se para o Rio de Janeiro. Lá ele foi transferido da Cinecastro de São Paulo para a Cinecastro do Rio de Janeiro, também entrou para a Herbert Richers e a Cinelab, e ao mesmo também entrou para direção de dublagem.

Entre as casas que Jorgeh mais dublou estevam também a Riosom, CineCastro, TV Cinesom, na Dublasom Guanabara, Peri Filmes, Tecnisom, na Croma, Sincrovideo, Telecine, VTI Rio, na Delart e outras.

Em 1978 Jorgeh saiu da Herbert Richers, após a greve da dublagem que aconteceu em todo o Brasil, e nunca mais voltou, passando a dublar mais em outros estúdios.

No início dos anos 2000 criou sua empresa, a Som de Vera Cruz, a qual foi vendida a Peterson Adriano em março de 2014.

Uma de suas narrações mais famosas são as narrações feitas para o cinema anunciando os filmes de estréia, no qual ele narrou desde o final dos anos 70 até o ano de 2014, com a famosa frase “Sexta-Feira, nos Cinemas”.

Jorgeh tambem era escritor e diretor de peças de teatro, e foi o fundador de um projeto chamado Gargarullo, que é aberto para todos os tipos de artes cênicas para ensinar e profissionalizar quem tem interesse nisso, este instituto localiza-se no interior do Rio de Janeiro.

Jorgeh Ramos tinha uma voz muito conhecida tanto nas narrações quanto nos filmes e desenhos, e com isso marcou décadas e gerações como sua voz que esta sempre forte e entonada.

Jorgeh faleceu em 2014, vítima de câncer. Ele estava internado no Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre, em função de um quadro de pneumonia, segundo uma assistente e amiga dele. Paciente renal crônico e hipertenso, Jorgeh havia sido diagnosticado com câncer há um ano e lutava contra a doença.

Jorgeh Ramos foi casado duas vezes. Em 2004 casou com Jussara Ramos, com quem ficou junto até a morte dele, em 2014. Jorgeh Ramos teve três filhos com Jussara, Jorginho, Pedro, e Gabriel, e 2 filhos com outra mulher, Adriana e o já falecido Jorge Augusto.[4][5]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) dublador(a), integrado ao projeto sobre dublagem é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.