Jornal de Notícias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jornal de Notícias
Jornal de Notícias.jpg
S.A.
Periodicidade Diário
Formato Berlinense
Sede Santo Ildefonso, Porto
Fundação 1888
Pertence a Global Media Group, SA
Diretor Afonso Camões[1]
Página oficial jn.pt

Jornal de Notícias MHM, também conhecido por JN, é um jornal diário português,[2] fundado em 1888, no Porto.

História[editar | editar código-fonte]

Entrada do edifício do JN, no Porto.

Foi um dos jornais de maior expansão em Portugal, especialmente a seguir à Revolução do 25 de Abril. Tem uma tiragem média de 63 mil exemplares[3], o que o coloca em 2.º lugar entre os jornais diários de informação geral em Portugal.

Durante a ditadura do Estado Novo, foi controlado indirectamente pelo governo, ao ser propriedade da Empresa Nacional de Publicidade (ENP), detida pela Caixa Geral de Depósitos.[4]

A 29 de Junho de 1976, já após a Revolução dos Cravos, a ENP foi nacionalizada e o Jornal de Notícias foi integrado na Empresa Pública dos Jornais Notícias e Capital, em conjunto com o vespertino lisboeta. [5]

A 4 de Outubro de 1989 foi feito Membro-Honorário da Ordem do Mérito.[6]

Foi reprivatizado em 1990 através de uma OPV em bolsa, tendo a maioria do capital ficado nas mãos do grupo Lusomundo, que venceu uma cooperativa de trabalhadores do jornal na luta pelo controlo da publicação[7]. O seu sucessor, o Global Media Group, actualmente de capitais maioritariamente angolanos, é ainda hoje o dono do jornal, bem como do Diário de Notícias, da rádio TSF e do canal televisivo SportTV.[8]

Com o fecho dos seus concorrentes- "O Comércio do Porto", a 30 de Julho de 2005[9], e "O Primeiro de Janeiro", no final de 2014[10]- tornou-se o único jornal diário publicado na cidade invicta.

A 4 de agosto de 2014, Manuel Tavares anunciou que iria deixar a direção do jornal, sendo substituído por Alfredo Leite como diretor interino até setembro.[11] A 1 de outubro 2014, Afonso Camões, assumiu o cargo de director do JN.[12]

Suplementos[editar | editar código-fonte]

  • Suplemento Notícias Magazine ou NM (semanal, ao domingo);
  • Suplemento Dinheiro Vivo (semanal, ao sábado);
  • Suplemento Notícias IN (semanal, ao sábado);
  • Suplemento Notícias TV ou NTV (semanal, à sexta-feira);
  • Suplemento JN TUTI Classificados (diário).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1]
  2. «Banca de Jornais». SAPO. Noticias.sapo.pt. Consultado em 6 de janeiro de 2015 
  3. APTC Analise simples, recuperado em janeiro 2015
  4. Front.end. «Imprensa | GMCS». www.gmcs.pt. Consultado em 14 de março de 2017 
  5. Ministério da Comunicação Social. «Decreto-lei 639/76, de 29 de Julho». Diários da República 
  6. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Jornal de Notícias". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 4 de agosto de 2015 
  7. Arquivo RTP. «Privatização do Jornal de Notícias» 
  8. «Áreas de Negócio - Global Media Group». Global Media Group 
  9. Lusa. «"O Comércio do Porto" cessa publicação com um "até à próxima"». PÚBLICO. Consultado em 8 de março de 2017 
  10. «O histórico O Primeiro de Janeiro desapareceu» 
  11. «Manuel Tavares deixa a direcção do Jornal de Notícias». Público. 4 de agosto de 2014. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  12. Afonso Camões vai ser o novo director do Jornal de Notícias, Económico, 30 de setembro 2014

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jornal de Notícias
Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.