Jornal de Notícias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jornal de Notícias
Jornal de Notícias.jpg
S.A.
Periodicidade Diário
Formato Berlinense
Sede Santo Ildefonso, Porto
Fundação 1888
Pertence a Global Media Group, SA
Diretor Domingos de Andrade[1]
Página oficial jn.pt

Jornal de Notícias, também conhecido por JN, é um jornal diário português,[2] fundado em 1888, no Porto.

História[editar | editar código-fonte]

Entrada do edifício do JN, no Porto.

Foi um dos jornais de maior expansão em Portugal, especialmente a seguir à Revolução do 25 de Abril. Tem uma tiragem média de 63 mil exemplares[3], o que o coloca em 2.º lugar entre os jornais diários de informação geral em Portugal.

Durante a ditadura do Estado Novo, foi controlado indirectamente pelo governo, ao ser propriedade da Empresa Nacional de Publicidade (ENP), detida pela Caixa Geral de Depósitos.[4]

A 29 de Junho de 1976, já após a Revolução dos Cravos, a ENP foi nacionalizada e o Jornal de Notícias foi integrado na Empresa Pública dos Jornais Notícias e Capital, em conjunto com o vespertino lisboeta. [5]

A 4 de Outubro de 1989 foi feito Membro-Honorário da Ordem do Mérito.[6]

Foi reprivatizado em 1990 através de uma OPV em bolsa, tendo a maioria do capital ficado nas mãos do grupo Lusomundo, que venceu uma cooperativa de trabalhadores do jornal na luta pelo controlo da publicação[7]. O seu sucessor, o Global Media Group, actualmente de capitais maioritariamente angolanos, é ainda hoje o dono do jornal, bem como do Diário de Notícias, da rádio TSF e do canal televisivo SportTV.[8]

Com o fecho dos seus concorrentes- "O Comércio do Porto", a 30 de Julho de 2005[9], e "O Primeiro de Janeiro", no final de 2014[10]- tornou-se o único jornal diário publicado na cidade invicta.

Suplementos[editar | editar código-fonte]

  • Suplemento Notícias Magazine ou NM (semanal, ao domingo);
  • Suplemento Dinheiro Vivo (semanal, ao sábado);
  • Suplemento Notícias IN (semanal, ao sábado);
  • Suplemento Notícias TV ou NTV (semanal, à sexta-feira);
  • Suplemento JN TUTI Classificados (diário).

Direção[editar | editar código-fonte]

A 4 de agosto de 2014, Manuel Tavares anunciou que iria deixar a direção do jornal, sendo substituído por Alfredo Leite como diretor interino até setembro.[11] A 1 de outubro 2014, Afonso Camões, assumiu o cargo de director do JN.

A 30 de setembro de 2018, o jornalista Domingos de Andrade, diretor-executivo do "Jornal de Notícias", foi nomeado diretor, após o parecer favorável do Conselho de Redação, sucedendo no cargo a Afonso Camões, que assumiu funções como diretor-geral de Conteúdos da Global Media Group, grupo a que o jornal pertence.[12] Domingos de Andrade é licenciado em Jornalismo e pós-graduado em Sociologia das Organizações pela Universidade do Minho. Passou, nos seus 30 anos de profissão, por diversos órgãos de Comunicação Social, no Porto e em Lisboa, onde tem exercido sucessivamente as funções de repórter, incluindo em cenários de conflito, como o Iraque ou Timor-Leste, de editor, e de chefe de redação, além de ter integrado várias direções de informação.[13]

A restante equipa diretiva é formada pelos jornalistas Inês Cardoso, Pedro Ivo Carvalho e Manuel Molinos, que também transitam da anterior Direção. Jornalista desde 1998, Inês Cardoso começou por trabalhar na Redação de Lisboa do JN, onde passou por várias editorias e coordenou as secções de informação local. Em 2009, integrou a equipa fundadora do diário "i", acabando por voltar ao JN em novembro de 2014, para assumir funções como subdiretora. Pedro Ivo Carvalho ingressou no JN em 1999, onde integrou as secções de Política e Economia. Desempenhou funções como editor nas secções de informação local, assumindo, em 2009, o cargo de editor-executivo e, em abril de 2017, de subdiretor. Manuel Molinos é jornalista desde 1989. Iniciou a carreira no jornal "O Comércio do Porto", depois de ter sido colaborador de "O Primeiro de Janeiro". Em 1999, ingressa no "Diário do Norte". Integra depois o JN, onde centra a atividade profissional na informação e produção digital. Foi editor e editor-executivo. Assumiu funções como subdiretor em dezembro de 2017.

Em novembro de 2018, Inês Cardoso, Pedro Ivo de Carvalho e Manuel Molinos assumem a categoria de diretores-adjuntos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1]
  2. «Banca de Jornais». SAPO. Noticias.sapo.pt. Consultado em 6 de janeiro de 2015 
  3. APTC Analise simples, recuperado em janeiro 2015
  4. Front.end. «Imprensa | GMCS». www.gmcs.pt. Consultado em 14 de março de 2017 
  5. Ministério da Comunicação Social. «Decreto-lei 639/76, de 29 de Julho». Diários da República 
  6. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Jornal de Notícias". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 4 de agosto de 2015 
  7. Arquivo RTP. «Privatização do Jornal de Notícias» 
  8. «Áreas de Negócio - Global Media Group». Global Media Group 
  9. Lusa. «"O Comércio do Porto" cessa publicação com um "até à próxima"». PÚBLICO. Consultado em 8 de março de 2017 
  10. «O histórico O Primeiro de Janeiro desapareceu» 
  11. «Manuel Tavares deixa a direcção do Jornal de Notícias». Público. 4 de agosto de 2014. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  12. Afonso Camões vai ser o novo director do Jornal de Notícias, Económico, 30 de setembro 2014
  13. «Novo diretor no ″Jornal de Notícias″». www.jn.pt. Consultado em 9 de janeiro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jornal de Notícias
Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.