José António Francisco Maria Xavier de Sá Pereira Coutinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

José António Maria Francisco Xavier de Sá Pereira Coutinho (Ponte de Lima, 29 de Abril de 1896- Ponte de Lima, 3 de Maio de 1969), assinava as suas obras como Conde d'Aurora por o ser como filho único do 2.º conde de Aurora, foi um escritor português e licenciou-se em Direito pela Universidade de Coimbra.

Nasceu a 29 de Abril de 1896, em Ponte de Lima, na Casa de Nossa Senhora de Aurora, e faleceu no Porto a 3 de Maio de 1969.

Exerceu, no Porto, as funções de juiz do Tribunal de Trabalho.

Era convictamente católico, monárquico e tradicionalista. Em 1919, por se opor ao regime republicano exilou-se por motivos políticos que se prenderam com a revolução que foi conhecida como Monarquia do Norte, tendo vivido em Espanha, no Brasil e na Argentina.

Fundou em 1921 o jornal Pregão Real[1] e dirige a Liga Agrária do Norte.[2]

Por intermédio da acção de António Ferro, juntamente com João Ameal e outros mais, durante a governação do Estado Novo, em 1935, foi convidado a fazer parte do conselho directivo da Liga de Acção Universal Corporativa.

A sua obra, e repartida em vários géneros, e é uma devotada defesa do tradicionalismo cultural, empreendida nos moldes formais do realismo literário. Roteirista e realista de indiscutível mérito, escreveu uma monografia histórica da Ribeira-Lima e um curioso itinerário romântico do Porto.

Como ficcionista, publicou O Pinto, em 1935, trabalho que obteve o prémio de romance Eça de Queiroz e onde são desfibradas as particularidades do caciqueirismo político liberal,[3] deu-lhe um lugar de pioneiro na reapreensão contemporânea do magistério realista. Representante esclarecido de uma geração amadurecida nos tempos da 1ª República, é também uma figura indissociável do mais entranhado nacionalismo e anti-liberalismo.

O Minho e Douro Litoral devem-lhe assinalados serviços pelo conhecimento que deles temos, hoje, pela sua obra.

Principais Obras[editar | editar código-fonte]

  • 1921 - D. Aleixo (romance)
  • 1924 - Flôr de pecado: Novela o outras[4]
  • 1931 - O Estado e as Missões, passado, presente, futuro: tese apresentada ao 1º Congresso Missionário Portuguez, realisado na cidade de Barcelos em Setembro de 1931
  • 1935 - O Pinto: infância, paixões e morte de um cacique eleitoral: romance
  • 1935 - A Vida do Linho[5]
  • 1936 - Pela Grei: exortações
  • 1939 - A raínha D. Maria Pia: elogio histórico e biográfico
  • 1940 - Dans l'héritage de Sardinha[6]
  • 1942 - Livro de Contos
  • 1946 - Eça de Queirós e a Nobreza: conferência[7]
  • 1952 - Mal Notadas Letras
  • 1952 - Eça de Queiroz, mestre de portugalidade
  • 1953 - O Porto a Salazar[8]
  • 1962 - Itinerário Romântico do Porto[9]
  • 1959 - O Douro Litoral[10]
  • 1962 - Itinerário do Primeiro Vinho Exportado de Portugal para a Grã-Bretanha[11]

De Salientar ainda uma edição de o Caminho Português para Santiago de Compostela(1965) e outras, sobre a sua terra natal, O Roteiro da Ribeira Lima (1929), a Monografia do Concelho de Ponte de Lima (1946) e Ponte de Lima (roteiro turístico) (1959).

Dados Genealógicos[editar | editar código-fonte]

Filho de:

  • José de Sá Coutinho da Costa de Sousa de Macedo Sotomaior Barreto, 2º conde de Aurora, e de Maria Angelina da Natividade Pereira da Silva de Sousa e Menezes, filha de Sebastião Correia de Sá Meneses Brandão e de Joana Maria do Rosário Francisca Sales Pereira da Silva de Sousa e Menezes, 2ª condessa de Bertiandos.

Casado com:

Pai de:

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Domingos de Araújo Affonso e Ruy Dique Travassos Valdez, Livro de Oiro da Nobreza, J.A. Telles da Sylva, 2ª Edição, Lisboa, 1988, Tomo II, pg. 232.
  • Fernando de Castro da Silva Canedo, Fernando Santos e Rodrigo Faria de Castro, A Descendência Portuguesa de El-Rei D. João II, 2ª Edição, Braga, 1993, vol. II, pg. 308.
  • Afonso Eduardo Martins Zúquete, Nobreza de Portugal: bibliografia, biografia, cronologia, filatelia, genealogia, heráldica, história, nobliarquia, numismática, Volume 2, Editorial Enciclopédia, 1960.
  • José Carlos de Athayde de Tavares, Amaraes Osórios: senhores da casa de Almeidinha: subsídios para a sua genealogia, J.C. de A. de Tavares, 1986.

Referências