José Boiteux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o jornalista e historiador, veja José Artur Boiteux.
Município de José Boiteux
Bandeira indisponível
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Fundação 26 de abril de 1989 (30 anos)
Gentílico josé-boatense
Prefeito(a) Jonas Pudewell (PSD)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de José Boiteux
Localização de José Boiteux em Santa Catarina
José Boiteux está localizado em: Brasil
José Boiteux
Localização de José Boiteux no Brasil
26° 57' 28" S 49° 37' 40" O26° 57' 28" S 49° 37' 40" O
Unidade federativa Santa Catarina
Mesorregião Vale do Itajaí IBGE/2008 [1]
Microrregião Rio do Sul IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Benedito Novo, Dona Emma, Doutor Pedrinho, Ibirama, Itaiópolis, Mafra, Presidente Getúlio, Vitor Meireles e Witmarsum
Distância até a capital 237 km
Características geográficas
Área 405,519 km² [2]
População 4 720 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 11,64 hab./km²
Altitude 240 m
Clima Mesotérmico úmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,771 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 47 787,472 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 9 528,91 IBGE/2008[5]
Página oficial
Prefeitura www.pmjb.sc.gov.br
Câmara camarajoseboiteux.sc.gov.br

José Boiteux é um município do Estado de Santa Catarina, no Brasil. Localiza-se a uma latitude 26º57'30" sul e a uma longitude 49º37'41" oeste, estando a uma altitude de 240 metros. Sua população estimada em 2011 era de 4 731 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Tradicionalmente habitada por índios xoclengue, caingangue e guarani, a região começou a ser colonizada por descendentes de europeus em 1920, com descendentes de alemães trazidos de Rio do Sul. A região foi palco de vários conflitos por terras entre os colonos alemães e os indígenas, que acabaram sendo mandados para reservas indígenas afastadas. Por este e outros fatores, em 1926 foi criada a área indígena Ibirama-La Klãnõ, que abrange parte do território municipal.

Nos anos de 1940 e 50, José Boiteux possuía um número bastante elevado de indústrias, isso no ano que conseguiu sua primeira emancipação e, quando do início dos projetos de contenção de enchentes no vale do Itajaí, para efeitos de análise, devem-se considerar que tais indústrias, com pequena produção mercantil – a maioria delas não evoluiu e foram extintas no período compreendido entre 1960 e 1990, fatos que culmina com a construção da Barragem Norte, que desmantelou a economia local (FRAGA, 1997), sobretudo na área da Barra do Rio Dollmann e da reserva Indígena Duque de Caxias.

Hoje, os índios são 12,3% da população do município. Os descendentes de europeus são 77,0%.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Santa Catarina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.