José Botelho de Matos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Botelho de Matos
Arcebispo da Igreja Católica
Arcebispo da Bahia

Título

Primaz do Brasil
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 6 de agosto de 1713
Nomeado arcebispo 5 de fevereiro de 1741
Brasão arquiepiscopal
ArchbishopPallium PioM.svg
Dados pessoais
Nascimento Lisboa
5 de novembro de 1678
Morte Salvador
22 de novembro de 1767 (89 anos)
dados em catholic-hierarchy.org
Arcebispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom José Botelho de Matos ( Lisboa, 5 de novembro de 1678 - Salvador, 22 de novembro de 1767) foi um prelado português, arcebispo de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil, um dos opositores da política do Marquês de Pombal contra os jesuítas no Brasil.

Foi ordenado padre em 6 de agosto de 1713. Em 5 de fevereiro de 1741, foi consagrado arcebispo metropolita de São Salvador da Bahia, sendo seu consagrante Dom Tomás de Almeida. Deu entrada na arquidiocese em 3 de maio de 1741. Em 1754, com a saída de Luís Peregrino de Ataíde, 10.º Conde de Atouguia do governo do Brasil, assumiu a junta governativa que governou até 1755[1][2]. Com as intrigas feitas aos jesuítas pelo Marquês de Pombal, que os queria ver expulsos de todo o Império Português, enviou cartas a todos os prelados de sua jurisdição em nome do rei, Dom José I, para além da expulsão, que se confiscasse os bens da Companhia[3][4].

Como foi contra essa perseguição, por entender que "os jesuítas [eram] irrepreensíveis, mui úteis e beneméritos"[4], tendo enviado uma carta com 80 assinaturas contrário ao despojo dos jesuítas[4]. Assim, o Marques de Pombal passou a exigir que suas ordens fossem cumpridas, caso contrário, deporia o arcebispo de sua cátedra[5]. Após pressões, acabou por resignar-se em 1759[4], retirando-se em 7 de janeiro de 1760. Acabou por construir a Igreja de Nossa Senhora da Penha, em Itapagipe[6], onde viria a falecer.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. O Panorama. XIII. Lisboa: Typographia de A. J. F. Lopes. 1856. p. 396. Consultado em 16 de fevereiro de 2011  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  2. Cerqueira e Silva, Inácio Accioli de (1835). Memórias históricas e políticas de província da Bahia. 1–2. Bahia: Typographia do Correio Mercantil, de Prʹecourt. p. 188. Consultado em 16 de fevereiro de 2011 
  3. Domingos Pereira da Silva, ed. (1852). Anecdotas do ministerio do marquez de Pombal e conde d'Oeiras Sebastião José de Carvalho sobre o reinado de José I: rei de Portugal. I. Porto: Typografia de F. P. d'Azevedo. p. 196. Consultado em 16 de fevereiro de 2011 
  4. a b c d Evergton Sales Souza (2008). «D. José Botelho de Mattos, arcebispo da Bahia, e a expulsão dos jesuítas (1758-1760)» (Em pdf). Consultado em 16 de fevereiro de 2011. “a coragem do prelado deu ao Brasil, nessa hora de acobardamento deprimente, a glória de apresentar à Igreja e ao mundo essa figura, digna de seu heróico irmão de além-mar, o Bispo Conde de Coimbra 
  5. Luz Soriano, Simão José (1867). Historia de reinado de el-rei D. José e da administração do Marquês de Pombal. precedida de uma breve notícia dos antecedentes reinados, a começar no de el-rei D. João IV, em 1640. 2. Lisboa: Typographia Universal de Thomaz Quintino Antunes. p. 448-449. Consultado em 16 de fevereiro de 2011 
  6. Roteiro dos bispados do Brasil e dos seos respectivos bispos. desde os primeiros tempos coloniaes até o presente. Ceará: Typografia Cearense. 1864. p. 61-62. 288 páginas. Consultado em 16 de fevereiro de 2011  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
Precedido por
José Fialho, O. Cist.
Brasão arquiepiscopal
Arcebispo de São Salvador da Bahia

1741 - 1760
Sucedido por
Manuel de Santa Inês Ferreira, O.C.D.
Precedido por
10.º Conde de Atouguia
Presidente da junta governativa do Brasil
1754 - 1755
Sucedido por
6.º Conde dos Arcos